web analytics

Estudo do Humanoide do Atacama foi cheio de falhas e antiético, dizem especialistas

Estudo do Humanoide do Atacama foi cheio de falhas

No início deste ano, cientistas da Universidade de Stanford concluíram que um estranho esqueleto conhecido como a Múmia do Atacama pertencia a uma menina humana cujas malformações físicas eram o resultado de várias mutações genéticas graves. Agora, uma equipe de especialistas internacionais está questionando essas descobertas e acusando os cientistas de violar a ética de pesquisa padrão.

A pequena múmia humanoide do Atacama, ou Ata como é conhecida, foi descoberta há 15 anos em uma cidade deserta no deserto do Atacama. O espécime tem apenas 15 cm de comprimento, falta um par de costelas e tem uma cabeça e um rosto altamente deformados.

Naturalmente, alguns ovniólogos desconfiaram que a múmia era de origem extraterrestre, o que provocou sua aparição em um documentário.

Uma pesquisa científica sugeriu o contrário. Um artigo de 2013 liderado por Garry Nolan, um imunologista da Universidade de Stanford, concluiu que Ata era humana, e que os ossos do esqueleto davam a impressão de que ela tinha entre seis e oito anos quando morreu, embora tal idade tivesse seria impossível.

No início deste ano, Nolan, juntamente com o colega Atul Butte, diretor do Instituto de Ciências da Saúde Computacional da Universidade da Califórnia em São Francisco, realizou uma análise de acompanhamento.

O artigo, publicado na revista científica Genome Research, apresentou evidências mostrando que uma série de mutações genéticas foram responsáveis ​​pelas características estranhas vistas no espécime malformado. Os pesquisadores concluíram que Ata era uma menina de ascendência chilena, que era um feto em desenvolvimento no momento de sua morte, e que ela sofria de um raro distúrbio de envelhecimento ósseo.

Dias depois do estudo ter sido publicado, surgiu uma controvérsia. O Conselho Nacional de Monumentos do Chile lançou uma investigação, dizendo que os restos da múmia podem ter sido adquiridos através de contrabando ilegal e roubo de túmulos, e que a pesquisa era totalmente inadequada. Alguns cientistas chilenos chegaram a dizer que o trabalho da Genome Research deveria ser retratado.

Agora, cerca de quatro meses após a publicação do artigo, Nolan e Butte enfrentam outro ataque, desta vez de uma equipe internacional de especialistas liderada por Sian Halcrow, da Universidade de Otago, na Nova Zelândia.

Seu novo artigo, publicado em 20 de julho no International Journal of Paleopathology, afirma que a pesquisa de Nolan está repleta de erros e interpretações erradas, e que um estudo genético provavelmente não deveria ter sido realizado em primeiro lugar.

Os autores do novo artigo encontraram “nenhuma evidência” das anomalias esqueléticas descritas no trabalho da Genome Research. As características anormais descritas por Nolan e Butte, dizem os autores, são consistentes com o desenvolvimento normal do esqueleto fetal.

Kristina Killgrove, bioarqueóloga da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill e coautora do novo estudo, disse em entrevista ao Gizmodo:

Somos especialistas em anatomia humana e arqueologia do desenvolvimento, e a múmia parece normal para um feto por volta de 15-16 semanas de gestação.

Para a pessoa comum, eu entendo como a Ata pode parecer estranha, mas isso acontece porque a pessoa média não vê fetos em desenvolvimento ou múmias.

Os pesquisadores, por exemplo, não encontraram evidências das anormalidades ósseas citadas no artigo da Genome Research, nem qualquer evidência em apoio à afirmação de que os ossos de Ata davam a aparência de alguém com idade entre seis e oito anos. A falta de 11 e 12 costelas é normal para um feto dessa idade, dizem os pesquisadores, já que essas costelas ainda não se formaram completamente.

Quanto ao crânio deformado, os pesquisadores se referem a uma série de possibilidades, inclusive um processo chamado de ‘deformação plástica’, em que o crânio, devido à pressão do calor, se deforma quando enterrado no solo. Mais plausivelmente, os pesquisadores dizem que os ossos cranianos de Ata foram ‘alterados’ pelo colo do útero da mãe durante o parto, em um processo conhecido como moldagem – um fenômeno às vezes visto em fetos prematuros severos.

“O ‘crânio alongado’ de Ata é, portanto, fenotipicamente normal para um feto prematuro que foi entregue”, escrevem os pesquisadores no estudo.

Finalmente, os pesquisadores não encontraram nenhuma evidência esquelética das condições genéticas citadas no artigo mais recente de Nolan.

Halcrow disse em um comunicado:

Infelizmente, não havia justificativa científica para realizar análises genômicas de Ata porque o esqueleto é normal, as mutações genéticas identificadas são possivelmente coincidentes, e nenhuma das mutações genéticas é conhecida por estar fortemente associada à patologia esquelética que afetaria o esqueleto nesta jovem idade.

A natureza falha do estudo do Genome Research, os autores argumentam, destaca a necessidade de abordagens de pesquisa interdisciplinar, que neste caso deveria ter envolvido especialistas em osteologia, medicina, arqueologia, história e genética.

Halcrow disse ainda:

Uma compreensão diferenciada dos processos biológicos esqueléticos e do contexto cultural é essencial para uma interpretação científica precisa e para agir como uma verificação da ética e legalidade de tais pesquisas.

Bernardo Arriaza, bioarqueólogo da Universidade de Tarapacá, no Chile, e co-autor do novo estudo, disse que Nolan e seus colegas deveriam ter considerado o contexto arqueológico em que a múmia foi encontrada. É possível que Ata seja um feto abortado e do passado muito recente.

Ele disse:

Esta múmia reflete uma triste perda para uma mãe no deserto do Atacama.

Os autores também se queixam de que nenhuma declaração de ética ou aviso de licença arqueológica foi incluída no trabalho da Genome Research.

Killgrove disse:

Dado o fato de que o feto mumificado era claramente humano, os geneticistas não precisaram fazer mais testes.

Mas mais problemático do que isso foi, uma vez que eles testaram e descobriram que era humano, eles não pararam e questionaram imediatamente a ética forense ou arqueológica. Se a múmia do feto era antiga ou mais recente, o Chile requer permissões para esse tipo de teste.

Acreditamos que esses geneticistas deveriam ter envolvido um especialista em biologia do esqueleto do desenvolvimento desde o começo, já que não teriam cometido erros de novato. Mas nós também queremos usar isso como um caso preventivo no futuro – os especialistas em genética precisam ser informados sobre as leis antigas e modernas e a ética em torno dos testes.

Gizmodo procurou tanto Garry Nolan quanto Atul Butte para obter seus comentários e perspectivas sobre o novo artigo do International Journal of Paleopathology, mas nenhuma resposta foi recebida no momento da redação deste artigo. Dito isso, o Gizmodo recebeu uma declaração relevante de Nolan e Butte em 29 de março de 2018, em resposta a perguntas anteriores sobre as reclamações do Conselho Nacional de Monumentos do Chile:

Afirmamos a necessidade de respeitar as tradições de outras culturas nas análises genômicas. Afirmamos anteriormente que acreditamos que os restos do esqueleto devam ser devolvidos ao país de origem e, ao considerá-los humanos, esta pesquisa apóia o argumento de que esses restos deveriam ser repatriados. Esta pesquisa esclarece o que tem sido uma história muito pública e sensacionalista por um longo tempo, e foi feito a partir de um desejo de trazer um pouco de humanidade para essa discussão e dignidade para o esqueleto.

O esqueleto nunca esteve em posse da Stanford ou UCSF, e não tivemos nada a ver com a remoção do esqueleto de seu local de origem. O DNA e as imagens vêm de restos que não eram conhecidos como humanos quando a pesquisa começou. Ele não fornece informações identificáveis ​​sobre um indivíduo vivo, conforme definido pelas regulamentações federais, e não se qualifica como pesquisa de sujeitos humanos, de acordo com o Escritório Federal de Proteções de Pesquisa Humana. Há muito se sabe que esse esqueleto era de propriedade privada na Espanha, sem quaisquer alegações de conduta criminosa sobre como ele foi adquirido.

Falando para o New York Times em março, Nolan disse que não tinha motivos para acreditar que a múmia foi obtida ilegalmente, e que não era óbvio que eles estavam lidando com um espécime humano. Posteriormente, sua equipe não precisou da permissão da Universidade de Stanford para estudar um esqueleto que possivelmente pertencia a um primata não-humano.

(Fonte)


Mas podem esperar, pois o caso não vai parar por aqui. Haverá alguém mais, num futuro não muito distante, contestando todas estas descobertas e declarações, e ainda irá insistir que se trata de uma anomalia não humana.

Será que este caso é idêntico ao que foi encontrado na Rússia?

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh