web analytics

Os militares continuam encontrando OVNIs. Por que o Pentágono não se importa?

Os militares continuam encontrando OVNIsEm dezembro, o Departamento de Defesa liberou dois vídeos documentando encontros entre caças F-18 da Marinha dos EUA e aeronaves não identificadas. O primeiro vídeo captura vários pilotos observando e discutindo uma nave estranha, pairando o ar, em forma de ovo, aparentemente uma de uma ‘esquadrilha’ de tais objetos, de acordo com o áudio da cabine de voo. O segundo mostra um incidente semelhante envolvendo um F-18 anexado ao grupo de batalha do porta-aviões USS Nimitz, em 2004.

Os vídeos, juntamente com observações de pilotos e operadores de radar, parecem evidenciar a existência de aeronaves muito superiores a qualquer coisa possuída pelos Estados Unidos ou seus aliados. Funcionários do Departamento de Defesa que analisam a inteligência relevante confirmam mais de uma dúzia de tais incidentes fora da Costa Oriental, desde 2015. Em outro caso recente, a Força Aérea lançou caças F-15 em outubro passado em uma tentativa fracassada de interceptar uma aeronave não identificada em alta velocidade, atravessando o noroeste do Pacífico.

Um terceiro filme liberado pelo Pentágono, lançado pela To The Stars Academy of, Arts and Science uma empresa privada de pesquisa científica e de mídia, à qual eu sou um conselheiro, revela um encontro da Marinha anteriormente não revelado, que ocorreu na costa leste em 2015.

(Veja artigo relacionado à essa última liberação, clicando aqui.)

Seria possível que os Estados Unidos tenham sido tecnologicamente ultrapassados pela Rússia ou pela China? Ou, como muitas pessoas se perguntavam depois que os vídeos foram publicados pela primeira vez no New York Times em dezembro, os vídeos poderiam ser evidências de alguma civilização alienígena?

Infelizmente, não temos a menor ideia, porque nem estamos buscando respostas.

Eu servi como vice-secretário adjunto de defesa de inteligência para as administrações de Clinton e George W. Bush, e também como diretor de equipe do Comitê de Inteligência do Senado, e eu sei de inúmeras discussões com funcionários do Pentágono nos últimos dois anos que os departamentos e agências militares tratam tal incidentes como eventos isolados e não como parte de um padrão que requer atenção e investigação sérias. Um colega meu na To The Stars Academy, Luis Elizondo, costumava dirigir um programa de inteligência do Pentágono que examinava a evidência de aeronaves ‘anômalas’, mas ele se demitiu no outono passado para protestar contra a falta de atenção do governo para o crescente número de dados empíricos.

Enquanto isso, os relatórios de diferentes serviços e agências permanecem amplamente ignorados e não avaliados dentro de seus respectivos “chaminés” burocráticos. Não existe um processo do Pentágono para sintetizar todas as observações que os militares estão fazendo. A abordagem atual é equivalente a fazer com que o Exército realize uma pesquisa de submarino sem a Marinha. Também é uma reminiscência dos esforços antiterroristas da CIA e do FBI antes de 11 de setembro de 2001, quando cada um tinha informações sobre os sequestradores que eles mantiveram para si mesmos. Neste caso, a verdade pode, em última instância, ser benigna, mas por que deixar a chance em aberto?

(Um porta-voz do Pentágono não respondeu aos pedidos do The Washington Post para comentar, mas em dezembro, os militares confirmaram a existência de um programa para investigar os OVNIs e disse que parou de financiar a pesquisa em 2012.)

O pessoal militar que está encontrando esses fenômenos conta histórias notáveis. Em um exemplo, durante o período de duas semanas em novembro de 2004, o USS Princeton, um cruzador de mísseis teleguiados que operava um radar naval avançado, detectou repetidamente aeronaves não identificadas que operavam em torno do grupo de batalha do porta-aviões Nimitz, que estava guardando a costa de San Diego. Em alguns casos, de acordo com relatórios de incidentes e entrevistas com pessoal militar, esses veículos desciam de altitudes superiores a 60,000 pés (18.000 metros), a velocidades supersônicas, parando de repente a menos de 50 metros acima do oceano. Os Estados Unidos não possuem nada capaz de tais feitos.

Em pelo menos duas ocasiões, os caças F-18 foram orientados a interceptar esses veículos e foram capazes de verificar sua localização, aparência e desempenho. Notavelmente, esses encontros ocorreram em plena luz do dia e foram monitorados de forma independente por radares a bordo de vários navios e aeronaves. De acordo com os aviadores navais com os quais conversei, os veículos tinham aproximadamente 14 metros de comprimento e era branco.
No entanto, essas naves misteriosas se afastaram e superaram os caças da linha de frente dos Estados Unidos, sem meios de propulsão discerníveis.

Do meu trabalho com a To The Stars Academy, que busca levantar fundos privados para investigar incidentes, como o encontro de Nimitz de 2004, sei que eles continuam a ocorrer, porque estamos sendo abordados por militares que estão preocupados com a segurança nacional e frustrados com a forma como o Departamento de Defesa está lidando com tais relatórios. Como ex-oficial de inteligência do Pentágono e consultor que começou a pesquisar a questão depois que o incidente do Nimitz foi levado à minha atenção, também estou familiarizado com a evidência. Em várias ocasiões, encontrei-me com altos funcionários do Pentágono e, pelo menos, um briefing acompanhei e obtive confirmação dos incidentes como o do caso Nimitz. Mas ninguém quer ser ‘o cara alienígena’ na burocracia de segurança nacional; ninguém quer ser ridicularizado ou marginalizado por chamar a atenção para o problema. Isso é verdadeiro para cima e para baixo da cadeia de comando, e é um impedimento sério e recorrente para o progresso.

Se a origem dessas aeronaves é um mistério, também é a paralisia do governo dos EUA diante de tais evidências. Sessenta anos atrás, quando a União Soviética colocou o primeiro satélite artificial em órbita, os americanos recuaram com a ideia de serem superados tecnologicamente por um rival perigoso, e o furor sobre o Sputnik finalmente produziu a corrida espacial. Os americanos responderam vigorosamente e, pouco mais de uma década depois, Neil Armstrong colocou o pé na Lua. Se essas naves significam que a Rússia, a China ou alguma outra nação esconde um surpreendente avanço tecnológico para prolongar silenciosamente sua liderança, certamente devemos responder como fizemos então. Talvez o recente argumento do presidente russo, o presidente Vladimir Putin, sobre os avanços da propulsão não sejam blefes. Ou, se essas naves realmente não são da Terra, então a necessidade de descobrir o que são é ainda mais urgente.

Ultimamente, a cobertura da mídia sobre a questão dos veículos aéreos não identificados se concentrou em uma empreitada expirada no Congresso de US $ 22 milhões para a Bigelow Aerospace, um empreiteiro com vínculos com o ex-líder democrata do Senado Harry Reid (Nevada). O dinheiro financiou principalmente pesquisa e análise por esse contratante, sem a participação da Força Aérea, NORAD ou outras organizações militares importantes. A verdadeira questão, no entanto, não é uma marca já expirada, embora seja útil, mas sim inúmeros incidentes recentes envolvendo militares e a violações do espaço aéreo americano. É hora de deixar de lado os tabus sobre ‘OVNIs’ e, em vez disso, ouvir os nossos pilotos e operadores de radar.

Dentro de um orçamento de inteligência anual de aproximadamente US $ 50 bilhões, o dinheiro não é o problema. Os fundos existentes facilmente cobririam o que é necessário para analisar os incidentes. O que nos falta, acima de tudo, é o reconhecimento de que esta questão merece um esforço sério de coleta e análise. Para avançar, a tarefa precisa ser atribuída a um funcionário com a influência para obrigar a colaboração entre burocracias de segurança nacional disparatadas e muitas vezes conflituosas. Um esforço realmente sério envolveria, entre outras coisas, analistas capazes de analisar dados infravermelhos de satélite  bancos de dados de radar NORAD e sinais e relatórios de inteligência humana. O Congresso deve exigir um estudo de toda a base pelo secretário de defesa, ao mesmo tempo que promove a pesquisa de novas formas de propulsão que possam explicar como esses veículos conseguem um poder e uma manobra tão extraordinários.

Como no caso do Sputnik, as implicações de segurança nacional desses incidentes são preocupantes – mas as oportunidades científicas são emocionantes. Quem sabe o que podemos evitar ou oportunidades que podemos identificar se seguimos os dados? Não podemos dar ao luxo de evitar nossos olhos, tendo em conta o risco de surpresa estratégica. O futuro pertence não apenas ao fisicamente corajoso, mas também ao intelectualmente ágil.

– Christopher Mellon

(Fonte)


Esperemos que as ações anteriores de Luis Elizondo, e agora as observações interessantes de Chirstopher Mellon, venham a surtir algum efeito positivo para o desacobertamento oficial dos OVNIs. E também esperemos que este não seja somente mais um circo montado para acobertar a “real realidade” dos OVNIs.

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh