web analytics

Contato com metais de destroços de OVNIs podem causar efeitos bizarros

metais de destroços de OVNIs

O Pentágono, metais de OVNIs e os efeitos físicos

O New York Times expôs recentemente o ‘Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais’ como um programa secreto e multimilionário para o estudo de OVNIs do Pentágono, que funcionou entre 2009-2012. Incluído na investigação do New York Times foi uma afirmação muito interessante: que o programa havia estudado pessoas que disseram ter tido ‘efeitos físicos’ de seus encontros com metais dos OVNIs. O jornal também afirmou que os contratos foram deixados pelo governo dos EUA para a empresa privada Bigelow Aerospace para modificar suas instalações para armazenar ligas metálicas de OVNIs recuperadas pelas forças militares dos EUA. ‘Efeitos físicos’ é um termo muito interessante para descrever o que algum dos materiais do OVNI está causando aos indivíduos. Isto significa que o material causa uma mudança no funcionamento do corpo. Frequentemente, tais efeitos podem significar sintomas de náuseas e desorientação, erupções cutâneas, problemas de visão ou distúrbios do sono e do humor.

Tais detritos são ‘artefatos fora de lugar’ que não deveriam existir. São coisas que não são do nosso passado ou presente, nem são do nosso planeta. A exposição a esses itens representa a chegada prematura do futuro e pode ser desorientadora para algumas pessoas.

Alguns desses metais podem tornar as pessoas ‘metalmente’ doentes?

O jornal informou que a Bigelow Aerospace recebeu um contrato para ‘modificar de forma especial’ instalações em Las Vegas para abrigar fragmentos de OVNIs ou material de acidentes.

Uma das possíveis razões para que o governo contratou Bigelow para ‘modificar’ os edifícios é a de ajudar a proteger aqueles que podem ser sensíveis à interação com esse material, enquanto trabalham com ele.

E esta não é a primeira vez que tal aversão ou repulsão ao contato com tais metaloides foi relatada.

 

O contato com os pedaços de metais mudou suas vidas

No acidente do OVNI de Roswell em 1947, três militares relataram que o manuseio dos detritos lhes causou ‘problemas’, inclusive de lavagem obsessiva.
Incrivelmente, mesmo os animais foram repelidos pelos metaloides do OVNI de Roswell.

 

Sargento LeRoy Wallace, Roswell

Wallace era um sargento no campo aéreo do exército de Roswell em 1947. Sua viúva falou com pesquisadores há alguns anos atrás. Ela indicou que seu marido lhe havia dito que tinha sido ordenado com outros a irem até o campo de detritos ao norte de Roswell, onde um OVNI havia se acidentado. Fizeram Wallace percorrer o campo e pegar ‘qualquer coisa que não se movesse’. Quando ele voltou para casa naquela noite, sua viúva lembra que seu marido disse que se sentia ‘sujo’. Ele simplesmente não podia sentir que estava limpo .

Ela disse que ele esfregou-se com detergente durante 10 dias, exclamando para ela que ele nunca deveria ter tocado os metais esquisitos que caíram do céu.

 

Sargento John Tiffany

De acordo com o filho John Júnior, Tiffany era um Sargento tecnológico servindo no campo de Wright durante o verão em 1947, quando um disco caiu na terra. Seu pai disse-lhe que tinha sido enviado para o Texas Army Air Field, em Fort Worth,  para retirar estranhos destroços metálicos e um grande recipiente cilíndrico que lhe lembrara uma garrafa gigante. Tiffany descreveu o metal como leve e resistente. Tinha um acabamento liso e semelhante a um copo. Não pôde ser marcado ou amassado. Tiffany disse-lhe que não gostava de manusear o material.

Na verdade, Tiffany indica que o material ‘era tão estranho para ele’ que ele sentia ser impossível se sentir completamente limpo depois de tocar a liga.

 

Sargento Charles Randall

Os escritores Don Schmitt e Kevin Randle, em um boletim de atualização de Roswell que emitiram em 1994, mencionam um sargento técnico, Charles Randall. A filha de Randall, Terrie, de Portland, no estado de Oregon, declarou que, em 1953, seu pai falou sobre seu envolvimento no acidente de OVNI em Roswell. Ele disse a ela que foi ordenado com outros a recuperarem material incomum em um campo ao norte de Roswell, em 1947. Ele pegou alguns dos materiais, assim como fizeram alguns de seus amigos. Ele não gostou de tocar no materia, como ela descreveu, tendo ‘medo de seus efeitos’ sobre ele e seus companheiros. Randall morreu em 1976.

 

O carneiro que não queria atravessar o campo

O investigador Tom Carey indica que o campo de detritos em Roswell afetou os animais da fazenda de uma maneira muito estranha. O filho do gerente da fazenda, Mack Brazel, Bill Brazel Jr. e a neta de Mack, Fawn Fritz, explicaram que a ovelha não queria cruzar ou entrar no campo onde os detritos do OVNI haviam caído e, posteriormente, foram recuperados pelos militares. Na verdade, de acordo com os parentes de Brazel, as ovelhas se recusaram a ir perto do campo onde o metal havia caído durante dois anos após o acidente! Mack teve que desviar as ovelhas um quilômetro e meio para frente e para trás, para chegar ao seu local normal de beber água.

O metal OVNI, de alguma forma, contaminou a própria terra, fazendo com que os animais (que muitas vezes são conhecidos por serem muito sensíveis a emanações sutis ou frequências) se recusam a se aproximar.

 

Mentalmente doente?

Algumas pessoas são alérgicas a certos metais. Por exemplo, a dermatite de contato (vermelhidão e irritação) pode ocorrer na pele de pessoas sensíveis que usam anéis ou pulseiras de níquel ou cobre. E a exposição a metais das terras raras, como arsênico e cádmio, pode matá-los. Os metais podem exercer efeitos profundos. O metal como a prata pode conduzir eletricidade, e alguns metais, como o cobalto e o ferro, são altamente magnéticos.

Se os metais terrestres têm essas habilidades para afetar as pessoas, imagine o que as ligas que não são feitas pelo homem não fazem às pessoas que as manuseiam. Talvez os detritos tenham gerado um campo ou frequência que ainda não conhecemos. E assim como os próprios OVNIs são conhecidos por deixar vestígios físicos, desligar e acender luzes e automóveis, etc., é provável que seus detritos – seus materiais de construção – também possam deixar suas marcas.

Algumas ligas, como o metal de memória Nitinol, podem ter um ‘componente mental’ em sua composição. Na verdade, essa relação entre mente e metal foi explorada no início da década de 1970 pela marinha dos EUA. O psíquico Uri Geller foi trazido para os laboratórios navais em Maryland, pelo Dr. Frederick Wang. Geller foi testado para ver se ele poderia afetar um fio de Nitinol colocado em um recipiente de vácuo de vidro. Geller conseguiu criar um ‘nó’ no fio metálico sem tocá-lo.

Embora os artefatos extraterrestres provavelmente sejam compostos de elementos comuns aqui na Terra, é o seu processo que é chave. É a maneira pela qual o ET visitante cria as ligas (talvez na ausência de peso do espaço) que trazem características únicas e propriedades desejadas. E se houver uma conexão entre a mente e certos metais, podemos estar lidando com ‘doentes mentais’.

(Fonte)


Quem sabe, nas próximas revelações prometidas pela To the Stars Academy e Luis Elizondo, alguns desses materiais serão apresentados oficialmente ao público… ou não.

n3m3

"

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh