A Inteligência Artificial revelará inteligência extraterrestre muito além do nosso nível de consciência?

Tempo de leitura: 4 min.

O astrofísico e diretor do Centro de Inteligência Extraterrestre da Penn State University, Jason Wright informou em um e-mail para o Daily Galaxy:

A Inteligência Artificial revelará inteligência extraterrestre muito além do nosso nível de consciência?
Crédito: depositphotos

“O aprendizado de máquina fornece uma maneira de prover intuição quase humana para grandes conjuntos de dados. Uma aplicação valiosa é para tarefas em que é difícil escrever um algoritmo específico para procurar algo – rostos humanos, por exemplo, ou talvez ‘algo estranho’.”

Ele explica:

“Nesse caso, você pode treinar um algoritmo de aprendizado de máquina para reconhecer certas coisas que você espera ver em um conjunto de dados, e pedir coisas que não atendem a essas expectativas, ou talvez que correspondam às suas expectativas de uma assinatura tecnológica.

Estruturas alienígenas de crowdsourcing

Wright observa:

“Por exemplo, o físico teórico Paul Davies sugeriu a tarefa de procurar estruturas ou artefatos alienígenas na Lua postando dados de imagens em um site como o Zooniverse e procurando por anomalias. Alguns pesquisadores (liderados por Daniel Angerhausen) treinaram algoritmos de aprendizado de máquina para reconhecer características comuns do terreno e relatar coisas que não reconhecem, essencialmente automatizando essa tarefa. Com certeza, o algoritmo pode identificar sinais reais de tecnologia na Lua – como os locais de pouso da Apolo!”

Fenômenos além do nível humano de consciência?

O neuropsicólogo clínico espanhol Gabriel G. De la Torre perguntou sobre a aplicação da inteligência artificial na busca de inteligência extraterrestre e a identificação de uma possível assinatura tecnológica – uma estrutura quadrada dentro de uma triangular em uma cratera no planeta anão Ceres:

“Se a IA identifica algo que nossa mente não pode entender ou aceitar, isso poderia no futuro ir além do nosso nível de consciência e abrir portas para a realidade para a qual não estamos preparados? E se o quadrado e o triângulo de Vinalia Faculae em Ceres fossem estruturas artificiais?”

O resultado deste intrigante experimento visual coloca em questão a aplicação da inteligência artificial à busca por inteligência extraterrestre (SETI).

O estudo de pesquisa de De la Torres, “A inteligência artificial sonha com assinaturas tecnológicas não terrestres?“, sugere:

“Uma das aplicações potenciais da inteligência artificial não é apenas auxiliar na análise de big data, mas ajudar a discernir possíveis artificialidades ou esquisitices nos padrões de sinais de rádio, megaestruturas ou assinaturas tecnológicas em geral.”

Silvano P. Colombano no Centro de Pesquisa Ames da NASA, não envolvido no experimento Ceres, observou:

“Nossa forma de vida e inteligência, pode ser apenas um pequeno primeiro passo em uma evolução contínua que pode produzir formas de inteligência muito superiores a nossa e não mais baseada em ‘maquinaria’ de carbono.”

O resultado do intrigante experimento visual de De la Torre questiona a aplicação da inteligência artificial à busca de inteligência extraterrestre (SETI), onde civilizações tecnológicas avançadas e antigas podem existir, mas estão além de nossa compreensão ou capacidade de detecção.

Cratera Occator de Ceres

Ceres, embora seja o maior objeto do cinturão de asteroides principal, é um planeta anão. Tornou-se famoso há alguns anos por uma de suas crateras: Occator, onde foram observados alguns pontos brilhantes, levando a todo tipo de especulação. O mistério foi resolvido quando a sonda Dawn da NASA chegou perto o suficiente para descobrir que esses pontos brilhantes se originaram de gelo vulcânico e emissões de sal.

Pesquisadores da Universidade de Cádiz (Espanha) observaram um desses pontos, chamado Vinalia Faculae (imagem abaixo), e foram atingidos por uma área onde as formas geométricas são ostensivamente observáveis. Essa peculiaridade serviu para propor um experimento curioso: comparar como seres humanos e máquinas reconhecem imagens planetárias. O objetivo final era analisar se a inteligência artificial (IA) pode ajudar a descobrir ‘tecnoassinaturas’ de possíveis civilizações extraterrestres.

Crédito: NASA

Gabriel G. De la Torre explica:

“Não estávamos sozinhos nisso, algumas pessoas pareciam discernir uma forma quadrada em Vinalia Faculae, então vimos como uma oportunidade de confrontar a inteligência humana com a inteligência artificial em uma tarefa cognitiva de percepção visual, não apenas uma tarefa rotineira, mas um desafio com implicações na busca de vida extraterrestre (SETI), não mais baseada apenas em ondas de rádio.”

A equipe deste neuropsicólogo da Universidade de Cádiz, que já estudou o problema dos sinais inteligentes não terrestres não detectados (o efeito gorila cósmico), reuniu agora 163 voluntários sem formação em astronomia para determinar o que viram nas imagens de Occator .

Eles então fizeram o mesmo com um sistema de visão artificial baseado em redes neurais convolucionais (CNN), previamente treinado com milhares de imagens de quadrados e triângulos para poder identificá-los.

De la Torre observa:

“Tanto as pessoas quanto a inteligência artificial detectaram uma estrutura quadrada nas imagens, mas a IA também identificou um triângulo, e quando a opção triangular foi mostrada aos humanos, a porcentagem de pessoas que afirmaram vê-la também aumentou significativamente.”

O quadrado parecia estar inscrito no triângulo.

Esses resultados, publicados na revista Acta Astronautica, permitiram aos pesquisadores tirar várias conclusões.

De la Torre diz:

“Por um lado, apesar de estar na moda e ter uma infinidade de aplicações, a inteligência artificial pode nos confundir e nos dizer que detectou coisas impossíveis ou falsas. E isso, portanto, compromete sua utilidade em tarefas como a busca de assinaturas tecnológicas extraterrestres em alguns casos. Devemos ter cuidado com sua implementação e uso no SETI.”

Por fim, o neuropsicólogo aponta que os sistemas de IA sofrem dos mesmos problemas que seus criadores:

“As implicações dos vieses em seu desenvolvimento devem ser mais estudadas enquanto estão sendo supervisionadas por humanos.”

De la Torre conclui reconhecendo:

“Não sabemos o que é, mas o que a inteligência artificial detectou em Vinalia Faculae é provavelmente apenas um jogo de luz e sombra.”

A última palavra – “Astronautas de IA”

O astrofísico de Harvard, Avi Loeb, escreveu em um e-mail ao The Daily Galaxy:

“Uma vez que nossos sistemas de inteligência artificial (IA) sejam capazes de explorar dados científicos de forma autônoma e fazer descobertas por conta própria sem intervenção humana, os avanços em nosso conhecimento científico acelerarão dramaticamente. O progresso científico será libertado das correntes do ego humano que atualmente o retardam. As descobertas não serão mais sufocadas por preconceitos e ciúmes que freiam a inovação na academia.”

Loeb observa:

“Se outras civilizações alcançassem o ponto de virada da ‘ciência da IA’, seus cientistas de IA poderiam servir como astronautas tecnológicos de longa duração que exploram o espaço interestelar com muito mais conhecimento e inteligência do que os astronautas humanos possuem.

Referindo-se à nova busca por assinaturas tecnológicas extraterrestres complementares ao SETI tradicional, na medida em que busca objetos físicos, e não sinais eletromagnéticos, associados a equipamentos tecnológicos extraterrestres, Loeb explica:

“O Projeto Galileo procura possíveis astronautas de IA de outros planetas. Isso faz sentido, já que nossa civilização está enviando equipamentos para o espaço; uma fração importante de todas as estrelas semelhantes ao Sol hospeda um planeta do tamanho da Terra em sua zona habitável; e muitas estrelas semelhantes ao Sol se formaram bilhões de anos antes do Sol. Portanto, não é uma proposta irracional imaginar que das dezenas de bilhões de planetas semelhantes à Terra dentro de nossa galáxia Via Láctea, pelo menos um abrigou uma civilização tecnológica que encheu a Via Láctea com astronautas de IA.

Para descobrirmos se vivemos em tal realidade, devemos vasculhar o céu através de nossos telescópios e usar nossos próprios sistemas de IA para encontrar seus irmãos do espaço sideral.

Aqui esperamos as futuras gerações de cientistas de IA, tanto na Terra quanto no espaço.”

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores dos últimos meses: Edward de Lima, José de Castro, Teogenis de Oliveira, Egídia dos Santos, Silas Raposo, Reinaldo Galhardo, Luiz Buria, Silas Raposo, Maria Dorotea Soares..

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!