web analytics

Estranhas ondas ecoaram pelo mundo afora em 11/11/18, e ninguém sabe a razão

Algo muito estranho ocorreu em 11 de novembro passado em nosso planeta, e somente os instrumentos sísmicos foram capazes de captar o evento.

Estranhas ondas ecoaram pelo mundo afora em 11/11/18

Ilha Mayotte, onde tudo começou.

Instrumentos captaram as ondas sísmicas a mais de 16 mil quilômetros de distância – mas, estranhamente, ninguém as sentiu.

Na manhã de 11 de novembro, pouco antes das 9h30 (Horário Universal), um misterioso estrondo rolou pelo mundo.

As ondas sísmicas começaram a cerca de 24 quilômetros das margens de Mayotte, uma ilha francesa entre a África e a ponta norte de Madagascar. As ondas zumbiam por toda a África, alcançando sensores na Zâmbia, no Quênia e na Etiópia. Atravessaram vastos oceanos, zumbindo pelo Chile, Nova Zelândia, Canadá e até o Havaí, a quase 18 mil quilômetros de distância.

Essas ondas não passaram simplesmente; elas soaram por mais de 20 minutos. E, no entanto, parece que nenhum humano as sentiu.

Apenas uma pessoa notou o sinal estranho nas telas do sismograma em tempo real do Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Um entusiasta de terremotos que usa o álias @matarikipax viu os curiosos ziguezagues e postou imagens deles no Twitter. Essa pequena ação desencadeou outra onda, enquanto pesquisadores de todo o mundo tentavam descobrir a origem das ondas. Foi um meteoro? Uma erupção do vulcão submarino? Um antigo monstro marinho saindo das profundezas?

“Acho que nunca vi nada parecido”, diz Göran Ekström, sismólogo da Universidade de Columbia, especializado em terremotos incomuns.

“Isso não significa que, no final, a causa delas é exótica”, observa ele. No entanto, muitas características das ondas são extraordinariamente estranhas – desde o seu surpreendente ‘anel’ de baixa frequência, até a sua disseminação global. E os pesquisadores ainda estão perseguindo o enigma geológico.

Por que as ondas de baixa frequência são tão estranhas?

Em um terremoto normal, as tensões acumuladas na crosta terrestre se soltam em segundos. Isso envia uma série de ondas conhecidas como “trem de ondas” que se irradia a partir do ponto da ruptura, explica Stephen Hicks, sismólogo da Universidade de Southampton.

Os sinais que viajam mais rápido são as ondas primárias, ou ondas P, que são ondas de compressão que se movem em grupos. Em seguida vêm as ondas secundárias, ou ondas S, que têm um movimento mais de um lado para o outro. Ambas as chamadas ondas do corpo têm frequências relativamente altas, diz Hicks, “uma espécie de ping em vez de um estrondo”.

Finalmente, no final fim, vêm vagarosas ondas de superfície de longo período, semelhantes aos sinais estranhos que saíram de Mayotte. Para terremotos intensos, essas ondas de superfície podem viajar pelo planeta várias vezes, tocando a Terra como um sino, diz Hicks.

No entanto, não houve um grande terremoto impulsionando as ondas lentas recentes. Somando-se à estranheza, as ondas misteriosas de Mayotte são o que os cientistas chamam de monocromáticas. A maioria dos terremotos envia ondas com uma variedade de frequências diferentes, mas o sinal de Mayotte era um ziguezague limpo, dominado por um tipo de onda que durou 17 segundos para ser repetida.

“É como se você tivesse óculos coloridos e estivesse somente vendo vermelho ou algo assim”, diz Anthony Lomax, consultor independente de sismologia.

As raízes vulcânicas de Mayotte

Com base nas investigações científicas feitas até agora, os tremores parecem estar relacionados a um enxame sísmico que tem atingido Mayotte desde maio passado. Centenas de terremotos sacudiram a pequena nação durante esse tempo, a maioria irradiando a cerca de 50 quilômetros da costa, logo ao leste do estranho evento. A maioria foi de pequenos tremores, mas o maior teve a magnitude 5,8 em 15 de maio, o mais poderoso da história registrada da ilha. No entanto, a frequência desses tremores diminuiu nos últimos meses – e nenhum terremoto tradicional ocorreu quando as ondas misteriosas começaram em 11 de novembro.

O Serviço Geológico da França (BRGM) está monitorando de perto o recente tremor, e sugere que um novo centro de atividade vulcânica possa estar se desenvolvendo ao longo da costa. Mayotte foi formada por vulcanismo, mas suas feras geológicas não tem entrado em erupção em mais de 4.000 anos. Em vez disso, a análise da BRGM sugere que essa nova atividade possa apontar para um movimento magmático no mar – quilômetros da costa, sob milhares de metros de profundidade. Embora isso seja uma boa notícia para os habitantes da ilha, é irritante para os geólogos, já que é uma área que não foi estudada em detalhes…

Movimento no oceano

Embora confusos, os cientistas não estão sem pistas. Por um lado, eles sabem que Mayotte está em movimento. Desde meados de julho, as estações de GPS na ilha rastrearam mais de 6 centímetros para Leste e 3 centímetros para o Sul, de acordo com um relatório da BRGM de 12 de novembro.

Usando essas medidas, observa Taillefer, a agência estima que um corpo de magma medindo cerca de um 5 km cúbios está espremendo-se pelo subsolo perto de Mayotte…

Helen Robinson, Ph.D., candidata em vulcanologia aplicada na Universidade de Glasgow, disse:

Eles são boas demais; eles são perfeitas demais para serem naturais natureza”.

Ela também acrescentou que uma fonte industrial é impossível, já que não há fazendas eólicas ou perfurações acontecendo nas águas profundas das margens de Mayotte…

Montando o quebra-cabeça geológico

Então o que está realmente causando as vibrações super-lentas em Mayotte? Uma erupção submarina poderia produzir esses rumores baixos, mas as evidências para tal evento ainda não se concretizaram.

A maioria dos palpites atuais gira em torno da ressonância em uma câmara de magma, desencadeada por algum tipo de deslocamento na subsuperfície ou colapso da câmara. A ressonância em si pode ser qualquer tipo de movimento rítmico, como o esparramar da rocha derretida, ou uma onda de pressão ricocheteando através do corpo do magma, explica Ekström…

Segredos do mar

O BRGM planeja fazer pesquisas no fundo do oceano para obter informações mais detalhadas sobre a região e investigar a possibilidade de uma erupção submarina. Enquanto isso, a investigação sísmica continua com os dados disponíveis. Se a causa é comum ou extraordinária, ainda é um mistério, mas a ciência – e a diversão – está em jogo…

(Fonte)

Colaboração: Jonas Passos


Coincidência ou não, embora a atividade estranha mencionada no artigo pode não ter sido devido a um terremoto, não esqueçamos que para o mês de dezembro deste ano, um pesquisador têm falado a respeito de uma atividade geológica mais intensa no planeta.

Talvez este tenha sido somente um presentinho para “11 de 11”.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh