web analytics

Exoplanetas como Júpiter podem garantir a vida extraterrestre inteligente – dizem astrônomos


O fato dos planetas gigantes semelhantes a Júpiter serem tão raros pode ser uma das razões pelas quais ainda temos que descobrir vida inteligente além da Terra.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.)

Exoplanetas como Júpiter podem garantir a vida extraterrestre inteligente
Júpiter sendo impactado por pedaço do cometa Shoemaker-Levy 9.

Nos dois anos que antecederam a 1994, os astrônomos observaram avidamente o progresso de um cometa chamado Shoemaker-Levy 9 – o primeiro cometa a ser observado em órbita de um planeta – enquanto percorria nosso sistema solar antes que a gravidade de Júpiter dividisse o cometa em vários fragmentos de até 2 quilômetros de diâmetro implodindo a cerca de 215.000 quilômetros por hora.

O cometa em si não foi o que atraiu os astrônomos – em vez disso, foi a chance de observar o impacto previsto de Shoemaker-Levy 9 com Júpiter. E quando Shoemaker-Levy 9 finalmente atingiu Júpiter em julho de 1994, em uma explosão colossal quando o primeiro fragmento rasgou o planeta, criou uma bola de fogo de quase 3.200 quilômetros de altura, com temperaturas superiores a 23.000 Celsius.

Estudos recentes estimam que o gigante de gás é atingido 8.000 vezes mais que a Terra. Mas esse número pode ser ainda maior – não podemos observar diretamente o lado distante de Júpiter, afinal de contas, e a colisão com o Shoemaker-Levy 9 foi uma das primeiras vezes em que pensamos até mesmo em procurar corpos celestes que afetassem Júpiter. Faz sentido: Júpiter não é apenas um alvo enorme, sua massa atrai corpos celestes quando passam pelo nosso sistema solar. Quantas colisões do tipo Shoemaker-Levy existem ao longo da história do nosso sistema solar, ninguém sabe. Mas é um grande número, com certeza.

Como Stephen Hawking observou, o consenso geral é que qualquer cometa ou asteroide com mais de 20 quilômetros de diâmetro que atinja a Terra resultará na aniquilação completa da vida complexa – animais e plantas superiores.

No início de 2019, um glaciologista da NASA relatou uma possível segunda cratera de impacto enterrada sob mais de um quilômetro e meio de gelo no noroeste da Groenlândia. Isto segue a descoberta, anunciada em novembro de 2018, de uma cratera de 30 quilômetros de largura sob a Geleira Hiawatha – a primeira cratera de impacto de meteoro já descoberta nas camadas de gelo da Terra. Embora os recém-descobertos locais de impacto no noroeste da Groenlândia estejam a apenas 180 quilômetros de distância, eles não parecem ter se formado ao mesmo tempo.

Se a segunda cratera, que tem uma largura de mais de 35 quilômetros, for confirmada como resultado de um impacto de meteoro, ela será a 22ª maior cratera de impacto encontrada na Terra.

“Pesquisamos a Terra de muitas maneiras diferentes, do solo, do ar e do espaço – é emocionante que descobertas como essas ainda sejam possíveis”, disse Joe MacGregor, um glaciologista do Centro de Vôos Espaciais Goddard da NASA em Greenbelt, Maryland, que participou da pesquisa de ambas as descobertas.

Antes da descoberta da cratera de impacto de Hiawatha, os cientistas geralmente supunham que a maior parte das evidências de impactos passados ​​na Groenlândia e na Antártica teriam sido apagadas pela erosão implacável do gelo sobrejacente.

Apenas cerca de 1 em cada 1.000 estrelas são semelhantes ao Sol e possuem um planeta parecido com Júpiter, com uma órbita relativamente estável nos anéis externos do sistema solar. O princípio copernicano – a ideia de que a Terra e o sistema solar não são únicos ou especiais no universo – sugere que a arquitetura do nosso sistema planetário deva ser comum. Mas isso não parece ser.

Enquanto o número de exoplanetas conhecidos da Missão Kepler cresceu rapidamente, o Astrophysical Journal relatou em 2016 que observações extra-solares baseadas em solo feitas pelo Anglo-Australian Planet Search (AAPS) mostram que o número de planetas semelhantes a Júpiter, em órbitas similares ao próprio, podem não ser tão comuns quanto se pensava anteriormente. A descoberta reacendeu o debate sobre se a presença de um planeta parecido com Júpiter é necessária para a vida inteligente.

O Anglo-Australian Planet Search (AAPS) é um programa de longo prazo que está sendo realizado no telescópio anglo-australiano de 3,9 metros (AAT) para procurar por planetas gigantes em torno de mais de 240 estrelas próximas ao Sol.

O impacto dos fragmentos do Cometa Shoemaker-Levy 9 com Júpiter foi a primeira vez que os astrônomos tiveram um aviso antecipado sobre uma colisão planetária. Muitos dos telescópios do mundo, incluindo o recém-reparado Hubble, voltaram seu olhar para o planeta gigante, relatou o site Inverse.

Michael Brown, da Monash University, falou sobre a imagem do Hubble mostrando o impacto dos fragmentos do cometa Shoemaker-Levy 9 com Júpiter:

O colapso do cometa também foi minha primeira experiência profissional de astronomia observacional. De uma cúpula gelada no Monte Stromlo, esperávamos que as luas de Júpiter refletissem a luz dos fragmentos do cometa colidindo contra o lado distante de Júpiter.

Infelizmente, não vimos flashes de luz nas luas de Júpiter.

No entanto, o Hubble teve uma visão surpreendente e inesperada. Os impactos no lado distante de Júpiter produziram plumas, as quais subiram tanto acima das nuvens de Júpiter que foram brevemente vistas da Terra.

Quando Júpiter girou em seu eixo, enormes cicatrizes escuras apareceram. Cada cicatriz era o resultado do impacto de um fragmento de cometa, e algumas das cicatrizes eram maiores em diâmetro do que a nossa Lua. Para astrônomos ao redor do globo, foi uma visão de cair o queixo.

Através da história da Terra, tais colisões ocorreram, em média, a cada um milhão de anos. Se esse número estiver correto, isso significaria que a vida inteligente na Terra se desenvolveu apenas por causa da sorte de não ter havido grandes colisões nos últimos 70 milhões de anos. Outros planetas na galáxia, acreditava Hawking, sobre os quais a vida se desenvolveu, podem não ter tido um período suficientemente longo de colisão para evoluir seres inteligentes.

Nick Bailey, da equipe da Escola de Ciências da Engenharia da Universidade de Southampton, que desenvolveu um programa de identificação de ameaças, disse:

A ameaça da Terra ser atingida por um asteroide está sendo cada vez mais aceita como o maior desastre natural que a humanidade terá que enfrentar.

Quantas vezes em nossa galáxia a vida finalmente evoluiu para o equivalente de nossos planetas e animais em algum planeta distante, apenas para ser totalmente destruída por um impacto? A história da galáxia sugere que pode ser uma ocorrência comum.

(Fonte)


Na minha humilde opinião, esta questão de Júpiter ser o salvador do nosso sistema solar, protegendo-nos de impactos de asteroides devido à sua grande massa, simplesmente não faz sentido. Como Júpiter pode atrair uma rocha espacial vindo em direção à Terra quando estiver numa posição orbital do outro lado do Sol de nós, hiper afastado (ou seja: Terra, Sol, Júpiter)?

A rocha ameaçadora certamente não será afetada pela gravidade de Júpiter e terá o Sol como corpo maior a atraindo, com a Terra entre ela e o astro rei. 

Além disso, mesmo se planetas que tenham desenvolvido vida inteligente sejam constantemente ameaçados por rochas espaciais, quem sabe se algumas dessas civilizações, com muito menos tempo de desenvolvimento do que nós humanos, não deixou de despendeu seus recursos e tempo de forma estúpida, matando uns aos outros, mas sim desenvolvendo tecnologias plenas para seu próprio bem, tendo em pouco tempo condições de desviar qualquer perigo vindo do espaço? 

A ciência de tendência predominante se recusa sempre a aceitar que o Universo possa estar tinindo com vida, inclusive inteligente, e continua a tentar encontrar desculpas esfarrapadas para justificar sua miopia.

n3m3

…E se você ainda não acessou nossa página principal, está perdendo um universo de informações.

Visite também nosso site associado, otimundo.com, para mais artigos interessantes, clicando aqui!

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh