web analytics

Sejamos bondosos com os extraterrestres

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Avi Loeb, diretor do observatório astronômico da Universidade Harvard, cientista este que está defendendo a tese de que um objeto alienígena artificial nos visitou recentemente, escreveu o artigo abaixo, dando seu parecer de como deveríamos tratar os ambientes alienígenas, agora que a humanidade está começando a engatinhar para fora da Terra:

Sejamos bondosos com os extraterrestres

Precisamos caminhar lentamente se encontrarmos ecossistemas alienígenas

Em seu célebre livro “On Walden Pond” (“Na Lagoa Walden” – título em tradução livre), Henry David Thoreau escreveu: “Precisamos da tônica da loucura … Ao mesmo tempo em que somos sinceros para explorar e aprender todas as coisas, exigimos que todas as coisas sejam misteriosas e inexploráveis, que a terra e o mar sejam indefinidamente selvagens, sem serem inspecionados e não sondados por nós porque são insondáveis. Nunca podemos ter o suficiente da natureza.”

Thoreau levanta uma questão fundamental na exploração espacial. Devemos nos permitir terraformar os planetas em um esforço para torná-los habitáveis ​​e semear objetos no espaço com a vida como a conhecemos, ou deveríamos deixar a natureza lá fora para seus próprios dispositivos, intacta e pura?

Por um lado, seria prudente não guardar todos os ovos na mesma cesta; podemos escolher espalhar a vida terrestre para outros mundos, em um esforço para reduzir o risco de sermos eliminados por catástrofes na Terra. Mas, ao mesmo tempo, podemos nos preocupar que, ao fazermos isso, poderíamos desencadear forças imprevistas que modificariam os ecossistemas naturais, de maneiras que poderiam ficar fora de controle. Além disso, a semeadura artificial da vida terrestre enlamearia as águas em lagoas extraterrestres similares à Walden. Isso nos privaria da oportunidade de descobrir se outras formas de vida podem ter existido antes de nossa chegada.

Tal impacto pode assemelhar-se ao efeito da invasão espanhola da América do Sul e Central, que dizimou a rica cultura das populações locais, como os maias. Por esta razão, a NASA aplica regras rígidas sobre a esterilização de veículos espaciais, em um esforço para evitar a contaminação de alvos espaciais com micróbios terrestres.

À medida que exploramos a natureza em lagoas extraterrestres, a questão-chave é se a vida ali se assemelha ao que vemos na Terra, ou se assume novas formas. Ela poderia seguir uma rede química diferente? Poderia florescer em outros líquidos que não a água? Poderia se ajustar às condições mais extremas e durar mais do que na Terra? Mas o mais importante, quão inteligente é ela? Seria particularmente chocante descobrir que nosso habitat expandido inclui criaturas que são muito mais inteligentes do que nós.

Nossa lealdade ao legado de Thoreau dependeria de estarmos sozinhos, pois se civilizações alienígenas já tivessem se envolvido em tais atividades, a natureza teria sido contaminada pela intenção artificial e não há como achá-la pura e primitiva. Qualquer artefato poderia ser considerado como uma exibição expandida de todo o escopo da natureza, sem a necessidade de separar o biológico do tecnológico. Mas não há como negar que seria mais poético encontrar a natureza intocada.

Como Thoreau adicionou:

Fui ao bosque porque desejava viver deliberadamente, enfrentar apenas os fatos essenciais da vida e ver se não conseguia aprender o que tinha para ensinar, e não, quando morrer, descobrir que não havia vivido.

Ao mesmo tempo, é importante ter em mente que nada feito por humanos realmente importa no grande esquema do universo. Os humanos têm acesso a uma fração extremamente limitada dos reservatórios cósmicos de energia e massa, e lugares potenciais para a vida; existem 1020 planetas habitáveis ​​semelhantes à Terra no volume observável do universo, de modo que a marca humana no estágio cósmico está destinada a permanecer insignificante. Talvez devamos limitar nossas ambições cósmicas à luz dessa perspectiva.

Como Thoreau disse:

Vamos primeiramente ser tão simples e bem como a própria natureza.

A Cosmic modesty (Modéstia Cósmica) nos deixaria com o único desejo de nos embutirmos na natureza, nos embebendo em sua beleza como espectadores, não como reformadores, e suprimindo os planos motivados pelo ego para a colonização espacial.

Ao nos aventurarmos no espaço, poderíamos seguir a sabedoria de Thoreau:

Todas as manhãs eram um convite alegre para tornar minha vida de igual simplicidade, e posso dizer inocência, com a própria Natureza.

Aqui, “manhã” deveria ser interpretada mais amplamente do que seu significado limitado na Terra. Por exemplo, pode significar “para sempre” no lado permanente do planeta habitável mais próximo, Proxima Centauri b.

Avi Loeb

(Fonte)


n3m3

…E se você ainda não acessou nossa página principal, está perdendo um universo de informações.

Visite também nosso site associado, otimundo.com, para mais artigos interessantes, clicando aqui!

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh