web analytics

Asteroide que matou dinossauros causou tsunami de 1,5 km de altura que se espalhou por toda a Terra

Asteroide que matou dinossauros causou tsunami de 1,5 km de altura
Artwork of a possible extinction scenario where an asteroid triggers a tsunami.

Os cientistas insistem que um enorme asteroide que teria atingido a Terra há milhões de anos causou a morte dos dinossauros.

Essa teoria é amplamente aceita na comunidade científica, mesmo não existindo explicação plausível do porquê do asteroide ter matado de forma seletiva somente os dinossauros, deixando para trás os pequenos mamíferos que conviviam com eles, bem como os répteis que hoje estão espalhados por toda o planeta.

Mesmo assim, com base nesta insistência da comunidade científica, veja abaixo como o evento teria ocorrido:

Quando o asteroide que matou os dinossauros colidiu com a Terra há mais de 65 milhões de anos, as coisas não foram muito tranquilas para o planeta como um todo. Em vez disso, gerou um tsunami de quase um quilômetro e meio de altura no Golfo do México, que causou o caos em todos os oceanos do mundo, segundo uma nova pesquisa.

A rocha espacial de 14 quilômetros, conhecida como o asteroide Chicxulub, causou tanta destruição, que não é de admirar que ele tenha terminado a era dos dinossauros, levando à extinção do chamado Cretáceo-Paleogeno (K-Pg).

“O asteróide Chicxulub causou um enorme tsunami global, algo que nunca foi visto na história moderna”, disse a pesquisadora Molly Range, que fez a pesquisa ao obter seu mestrado no Departamento de Ciências Ambientais e Terrestres da Universidade. de Michigan.

Range e seus colegas apresentaram a pesquisa, que ainda não foi publicada em um periódico revisado por especialistas, na reunião anual da American Geophysical Union, em 14 de dezembro de 2018, em Washington, D.C. E a pesquisa, primeiramente relatada pela EOS, é nova.

“Até onde sabemos, somos os primeiros a modelar globalmente o tsunami desde o impacto até o fim da propagação de ondas”, disse Range à Live Science.

A ideia do projeto começou quando os dois conselheiros de Range – Ted Moore e Brian Arbic, ambos do Departamento de Ciências Ambientais e da Terra da Universidade de Michigan – perceberam que havia uma lacuna gritante no campo de pesquisa do Chicxulub. Principalmente, ninguém havia publicado uma simulação global do tsunami criado pelo asteroide.

“Não foi até o início deste projeto que percebi a escala real desse tsunami, e tem sido uma história de pesquisa divertida para compartilhar”, disse Range.

Começando o trabalho

Os pesquisadores sabiam que o asteroide atingiu águas rasas no Golfo do México. Mas para modelar corretamente seu enorme impacto, eles precisavam de um modelo que pudesse calcular “a deformação em grande escala da crosta [da Terra] que formou a cratera, bem como as ondas caóticas da explosão inicial de água do local de impacto, e as ondas de ejeção caindo de volta na água”, disse Range. Então, o grupo se voltou para Brandon Johnson, um professor assistente que estuda crateras de impacto na Brown University, em Rhode Island.

Johnson publicou um modelo detalhando o que aconteceu nos 10 minutos seguintes ao impacto, quando a cratera tinha quase 1,5 quilômetro de profundidade e a explosão era tão poderosa que ainda não havia água na cratera.

“Neste ponto, alguma água estava se movendo de volta para a cratera”, disse Range. De acordo com o modelo, “essa água vai correr para dentro da cratera e depois voltar, formando a ‘onda de colapso'”.

Em um segundo modelo, a equipe estudou como o tsunami se propagou pelos oceanos ao redor do mundo. Eles fizeram isso pegando os resultados do primeiro modelo (particularmente o formato da cratera) e as ondas do impacto em relação ao nível do mar e às velocidades da água, disse Range. Eles então usaram conjuntos de dados no antigo terreno do oceano e usaram isso para determinar como o tsunami teria se desenrolado.

Os resultados mostram que os efeitos do tsunami foram sentidos em todo o mundo.

“Descobrimos que esse tsunami se moveu por todo o oceano, em todas as bacias oceânicas”, disse Range. No Golfo do México, a água se moveu a até 143 km/h), ela descobriu. Nas primeiras 24 horas, os efeitos do impacto do tsunami se espalharam para fora do Golfo do México e para o Atlântico, bem como através da via marítima da América Central (que não existe mais, mas é usada para conectar o Golfo ao Pacífico). .

Após a onda inicial de 1,5 km, outras ondas gigantescas abalaram os oceanos do mundo. No Pacífico Sul e no Atlântico Norte, as ondas atingiram uma enorme altura máxima de 14 m. No Pacífico Norte, eles alcançaram 4 m. Enquanto isso, o Golfo do México viu ondas de até 20 metros em alguns pontos e 100 metros em outros.

Para colocar isso em perspectiva, a maior onda moderna já registrada no Hemisfério Sul foi de ‘míseros’ de 23,8 m de altura, que atingiu perto da Nova Zelândia em maio de 2018, reportou a Live Science.

Evidência sólida

Há evidências que suportam os modelos, disse Range. De acordo com o segundo modelo, a água em movimento rápido do impacto provavelmente causou erosão e ruptura de sedimentos nas bacias dos oceanos do Pacífico Sul, Atlântico Norte e Mediterrâneo.

Em um estudo separado (que também ainda não foi publicado), Moore examinou os registros de sedimentos no oceano. Suas descobertas concordam com o modelo do tsunami, disse Range.

Pode ser difícil imaginar um tsunami tão cataclísmico, então os pesquisadores o compararam com o tsunami de 2004 no Oceano Índico que matou pelo menos 225 mil pessoas. Os dois tsunamis eram tão diferentes quanto a noite e o dia, eles descobriram. “Nas primeiras 7 horas de ambos os tsunamis, o tsunami de impacto [Chicxulub] foi de 2.500 a 29.000 vezes maior em energia do que o tsunami de 2004 no Oceano Índico”, disse Range.

É claro que o tsunami gigante não foi o único evento que eliminou os dinossauros não-aviários. O asteroide também provocou ondas de choque e enviou uma grande quantidade de pedras quentes e poeira para a atmosfera, se juntando a tantos atritos que começaram incêndios florestais e cozinharam animais cozidos vivos. Essas partículas também pairavam na atmosfera e bloqueavam os raios do Sol durante anos, matando as plantas e os animais que as comiam.

(Fonte)


Então, se o que eles afirmam é verdadeiro, todos os dinossauros deveriam ser vegetarianos e morreram de fome, pois não havia mais plantas na Terra, e só sobreviveram os animais carnívoros, tais como os crocodilos e alguns lagartos e mamíferos, comendo os dinossauros mortos até que o planeta se restabelecesse. Assim, lá se foi a teoria de que o T-Rex era carnívoro.

Sinceramente, embora as provas sejam sólidas de que um enorme asteroide, agora denominado Chicxulub, tenha mesmo atingido a região onde hoje se encontra o Golfo do México, na minha visão é muito difícil acreditar que ele tenha matado seletivamente os dinossauros. Eu ficaria muito mais convencido se teorizassem que um vírus misterioso, ao qual somente os dinossauros eram vulneráveis, os erradicou da Terra durante uma terrível epidemia.

E por falar em asteroide que pode causar um evento de extinção em massa, como já reportado aqui no OH, alguns teóricos da conspiração dizem que a NASA pode estar escondendo evidências de que uma enorme pedra espacial irá atingir nosso planeta no primeiro dia de fevereiro. Para mim esta ideia é tão provável quanto a de que um asteroide matou todos os dinossauros, e se eu não morrer por causas naturais até primeiro de fevereiro, dia 2 de teremos mais artigos publicados aqui no OH.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh