web analytics

Os seres humanos podem observar o quântico diretamente

seres humanos podem observar o quântico

Um movimento profundo está em andamento na física e nas disciplinas relacionadas, que vem se acelerando. O público em geral não ouviu muito sobre isso, nem tampouco a comunidade física mais ampla. É uma onda de pesquisa focada na descoberta do potencial humano para perceber diretamente aspectos-chave do que podem ser genuinamente chamado de “tecido do universo”. O que é surpreendente sobre essa notícia é que a ciência está se movendo em direção a um dia em que a percepção humana direta e sensorial do quântico pode responder a questões persistentes sobre a física. 

Isso mesmo – percepção sensorial direta humana. Não de máquina. 

As recentes descobertas envolvem todos os sentidos humanos – suas capacidades básicas, bem como seu potencial para um funcionamento radicalmente aprimorado… 

Descobriu-se que os seres humanos têm a capacidade de perceber diretamente fótons únicos de luz, como foi recentemente estabelecido experimentalmente e publicado na revista Nature. Essa descoberta está conectada ao que alguns dos principais físicos acreditam ser outra, ainda mais surpreendente – provavelmente a ser publicada nos próximos meses – a capacidade humana de perceber diretamente aspectos radicais da natureza quântica da luz, especialmente superposição e emaranhamento quântico.

Além disso, de acordo com alguns desses principais físicos, alguns dos próximos passos mais importantes na progressão da física quântica e da cosmologia podem realmente depender do que observadores humanos treinados percebem diretamente em termos das propriedades quânticas de fótons individuais, especialmente em relação à superposição e emaranhamento quântico. 

Descrevendo a natureza desta pesquisa em andamento há vários meses na revista Scientific American, Anil Ananthaswamy escreveu sobre a intenção de uma das várias equipes neste movimento de pesquisa “usar a visão humana para investigar os próprios fundamentos da mecânica quântica”. Segundo um dos físicos da equipe, Rebecca Holmes, do Laboratório Nacional de Los Alamos, os resultados desse estudo, a olho nu de observadores humanos, poderiam produzir “evidências de que algo está acontecendo além da mecânica quântica padrão”. De acordo com Ananthaswamy, o trabalho dessa equipe, que também inclui os físicos quânticos Paul Kwiat e o ganhador de Prêmio Nobel, Anthony Leggett, ambos da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, poderia potencialmente “apontar para uma possível solução da preocupação central da mecânica quântica: o chamado problema de medição.” A resolução conclusiva do problema de medição, de acordo com muitos especialistas em física, tem resistido de maneira significativa a investigações experimentais anteriores, deixando sem resposta a questão de saber se a observação colapsa a função de onda, que é o que a física quântica considera como sendo integral à própria base do ‘tecido do universo’.

É importante notar que essa nova compreensão da escala e precisão inesperadas da visão humana, sua capacidade de acessar diretamente a luz no nível de fótons únicos e, muito possivelmente, também determinar a natureza quântica da luz, tem sido desenvolvida dentro de um contexto mais amplo nos campos da biofísica e psicofísica, bem como na própria física. Esse contexto, que também não se moveu muito para o reino da cultura popular, nem mesmo para a comunidade científica em geral, inclui descobertas radicais e revolucionárias não apenas sobre a visão, mas também sobre os outros sentidos. 

Descrevendo a pesquisa recente em seu laboratório e outros na audição humana, o biofísico A.J. Hudspeth da Universidade Rockefeller reporta (citado em Bushell 2018): 

Estatísticas sobre o ouvido humano são surpreendentes. A cóclea humana saudável é tão sensível que pode detectar vibração com amplitude menor que o diâmetro de um átomo, e pode resolver intervalos de tempo até 10µs [isto é, microssegundos ou milionésimos de segundo]. Foi calculado que o ouvido humano detecta níveis de energia 10 vezes mais baixos que a energia de um único fóton no comprimento de onda verde.

Em relação ao tato humano e sentidos relacionados (háptico, proprioceptivo), foi recentemente determinado que “a discriminação tátil humana se estende à nanoescala [ou seja, dentro de bilionésimos de metro],” esta pesquisa foi publicada na revista Scientific Reports (Skedung et al 2013). 

A pesquisa sobre o sistema olfativo humano também vem passando recentemente por um progresso revolucionário, pois agora parece ser parte de um sistema maior de quimioreceptores em todo o organismo, contendo células distribuídas em todo o corpo. Parece provável que o sistema funcione através do mecanismo de tunelamento quântico de elétrons dentro desses receptores olfativos/quimios (entre outros mecanismos relacionados), e recentemente também foi demonstrado que o sentido olfativo humano é capaz de discriminar mais de um trilhão de estímulos olfativos. como relatado na revista Science em 2014; a estimativa anterior era de que o sentido olfativo humano poderia discriminar até 10.000 estímulos diferentes. 

 Todas essas evidências sobre a precisão, extensão, escala e magnitude anteriormente desconhecidas do sensório humano estão agora convergindo de uma ampla gama de campos científicos e pesquisadores para um corpo unificado de evidências, e um novo e radical quadro emergente, do potencial do funcionamento sensorial-perceptivo humano. E, além disso, simultaneamente no presente, as descobertas – especialmente no que diz respeito à visão humana da luz – estão sendo deliberadamente dirigidas por vários cientistas e instituições científicas de renome no mundo, para pesquisar os próprios alicerces do universo. 

E, no entanto, podemos também perguntar, com uma genuína e profunda curiosidade, por que esse quadro fundamental do potencial humano só agora está sendo descoberto nesta avançada e altamente prolífica era da ciência? Por que esse conhecimento fundamental sobre nós mesmos e a natureza – bem na frente, dentro de nossos narizes, por assim dizer – só agora está vindo à luz, também por assim dizer? Por que essa natureza básica de nossa própria capacidade de experimentar o mundo não nos foi previamente evidente de uma forma ou de outra e, certamente, cientificamente

…De fato, esse conhecimento foi mantido por tais pessoas, em pelo menos várias culturas, durante séculos; pessoas que praticaram o engajamento dessas capacidades pela simples razão de que sentiam que as capacidades realizadas poderiam levá-las à experiência perceptiva sensorial direta das propriedades fundamentais do mundo ao seu redor e do universo. Essas culturas incluem a Tibetana, a Índica e a do Leste Asiático, entre outras. 

Mais de uma década atrás, na própria pesquisa de Bushell sobre as habilidades sensoriais-perceptivas de praticantes adeptos altamente avançados e de longo prazo de formas especiais de meditação observacional, ele começou a perceber que alguns desses praticantes estavam na verdade, especificamente e explicitamente, tentando estudar a luz com suas próprias capacidades visuais altamente treinadas, inclusive com a tentativa de perceber as mais elementares e fundamentais “partículas sem partes” da luz. De fato, eles seguiam os mesmos protocolos que os biofísicos contemporâneos e os cientistas da visão empregam para testar a capacidade humana de detectar a menor quantidade de luz. O protocolo básico inclui os seguintes fatores-chave: a necessidade de uma câmara completamente escura, praticamente à prova de luz, que produz na visão humana o que é chamado de condição escotópica adaptada ao escuro; a necessidade de um movimento relativamente completo, pois os movimentos podem distrair e distorcer a percepção; a necessidade de longos períodos de atenção altamente dirigida e sustentada; a necessidade de ser capaz de se engajar em múltiplas tentativas de ver a luz, isto é, treinamento e aprendizado da tarefa; a capacidade de discriminar entre fontes externas reais de luz e luz produzidas espontaneamente pelo corpo, especialmente pelo próprio sistema visual (fenômenos de luz produzidos internamente conhecidos como fosfenos ou biofótons).

Embora a pesquisa contemporânea em neurociência ainda não tenha investigado a capacidade desses profissionais de perceber especificamente a natureza quântica da luz, um grande e crescente corpo de pesquisa experimental demonstrou que esses praticantes possuem habilidades sensório-perceptivas e de atenção superiores em geral, e especificamente em relação a outros aspectos da luz. Embora o modelo científico de Bushell ainda esteja em desenvolvimento (por exemplo, apresentação no Victoria and Albert Museum, 19 de outubro de 2018, publicação futura), ele ser de considerável importância para a agenda de pesquisa à frente sobre a capacidade humana potencial de perceber a natureza quântica dos fenômenos, especialmente porque um dos principais desafios para essa agenda é a abrangência do nível de desempenho dos sujeitos de pesquisa individuais: observadores treinados e qualificados com sucesso são de fato necessários. 

O modelo de Bushell é baseado em “perceptores adeptos” que treinaram extensivamente para melhorar suas capacidades sensoriais-perceptivas em níveis muito altos de desempenho, como experimentalmente estabelecido no contexto científico ocidental, e tal treinamento pode ser crítico para o sucesso desta nova agenda radical e histórica da relação sensório-perceptual fundamental dos seres humanos para com o Universo.

(Fonte)


Parece finalmente haver um movimento dentro da corrente científica predominante para explorar aquilo que os próprios cientistas deram as costas por décadas, declarando que se tratava de superstição. Com um pouco mais de tempo, talvez teremos todos esses assuntos, os quais anteriormente eram tabu para eles, sendo analisados com o merecido rigor científico, tão necessário para seu estudo e posterior possível comprovação.

Talvez a corrente científica predominante se deu conta que ainda em pleno Século XXI se limita com pensamentos remanescentes da idade das trevas, e que já passou da hora de retornar às suas raízes, agindo de forma similar aos antigos alquimistas, porém muito mais aperfeiçoados.

Que assim seja!

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh