web analytics

Além da compreensão: O Universo que vemos é apenas uma pequena fração de seu tamanho real!

“Confunde nossas mentes o fato de que mais de 90% das galáxias do Universo ainda precisam ser estudadas. Quem sabe o que encontraremos quando observarmos essas galáxias com a próxima geração de telescópios?”, diz o astrônomo Christopher Conselice, que liderou a equipe que descobriu que há dez vezes mais galáxias no universo do que se pensava anteriormente, e um espaço ainda maior para busca de vida extraterrestre.

Em 2016, astrônomos usando dados dos telescópios espaciais Hubble da NASA/ESA e outros telescópios realizaram um censo preciso do número de galáxias e chegaram à surpreendente conclusão de que há pelo menos dez vezes mais galáxias no universo observável do que anteriormente pensado. A imagem em si foi produzida pela Frontier Fields Collaboration (um esforço conjunto entre os telescópios espaciais da NASA, o Hubble, o Spitzer e o Chandra) permitindo aos cientistas detectarem galáxias que são 100 vezes mais fracas do que aquelas captadas independentemente antes.

Um das coisas mais fundamentais desconhecidas na astronomia é quantas galáxias o Universo contém. As imagens do Campo Profundo do Hubble, captadas em meados da década de 1990, revelaram incontáveis ​​números de galáxias fracas. Estima-se que o Universo observável contenha entre 100 e 200 bilhões de galáxias.

A equipa internacional, liderada por Conselice, da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, mostrou que este valor é pelo menos dez vezes inferior.

Conselice e sua equipe chegaram a essa conclusão usando imagens do espaço profundo do Hubble, dados do trabalho anterior de sua equipe e outros dados publicados. Eles meticulosamente converteram as imagens em 3D, a fim de fazer medições precisas do número de galáxias em diferentes momentos da história do Universo.

Ouça Além disso, eles usaram novos modelos matemáticos que permitiram inferir a existência de galáxias que a atual geração de telescópios não pode observar. Isso levou à surpreendente constatação de que, para que os números sejam somados, cerca de 90% das galáxias do Universo observável são, na verdade, muito fracas e muito distantes para serem vistas – ainda.

Devido o fato que a atração gravitacional é esmagada por uma força misteriosa latente no espaço vazio que separa as galáxias, tudo o que a espécie humana será capaz de ver depois de cem bilhões de anos, serão as estrelas mortas e moribundas do nosso Grupo Local. Mas estas, diz o astrônomo Martin Rees, que não fazia parte da equipe do Conselice, poderiam continuar por trilhões de anos – tempo suficiente, talvez, para a tendência de longo prazo dos sistemas vivos ganharem complexidade e entropia negativa, para alcançar um ponto culminante. Todos os átomos que antes estavam nas estrelas e no gás poderiam ser transformados em estruturas tão complexas quanto um organismo vivo ou um chip de silício – mas em escala cósmica. Contra o fundo escuro, prótons podem decair, partículas de matéria escura se aniquilam, ocasionando flashes quando buracos negros evaporam – e então silenciam. ”

Podemos ver apenas um número finito de galáxias porque há um horizonte, uma concha ao nosso redor, delineando a maior distância da qual a luz pode nos alcançar. Mas essa casca, observa Rees, “não tem mais significado físico do que o círculo que delineia seu horizonte se você estiver no meio do oceano”.

Na análise dos dados, a equipe olhou para mais de 13 bilhões de anos no passado. Isso mostrou a eles que as galáxias não estão distribuídas uniformemente pela história do Universo…

Esses resultados são uma forte evidência de que uma evolução significativa ocorreu ao longo da história do Universo, uma evolução durante a qual as galáxias se fundiram, reduzindo drasticamente seu número total. “Isso nos dá uma verificação da chamada formação top-down (de cima para baixo) da estrutura no Universo”, explica Conselice.

O número decrescente de galáxias à medida que o tempo avança também contribui para a solução do paradoxo de Olbers – por que o céu é escuro à noite? O astrônomo Heinrich Olbers argumentou que o céu noturno deveria estar permanentemente inundado de luz, porque em um Universo imutável repleto de um número infinito de estrelas, cada parte do céu deveria ser ocupada por um objeto brilhante. No entanto, nossa compreensão moderna do Universo é que ele é ao mesmo tempo finito e dinâmico – não é infinito e estático.

A equipe chegou à conclusão de que há tamanha abundância de galáxias que, em princípio, cada ponto do céu contém parte de uma galáxia. No entanto, a maioria dessas galáxias é invisível ao olho humano e até mesmo aos telescópios modernos, devido a uma combinação de fatores: o desvio para o vermelho da luz, a natureza dinâmica do Universo e a absorção de luz por poeira e gás intergalácticos, tudo está combinado para assegurar que o céu noturno permaneça na maior parte escuro.

Os astrônomos estão confiantes de que o volume de espaço-tempo dentro do alcance de nossos telescópios – ‘o Universo’ – é apenas uma pequena fração do rescaldo do big bang. “Esperamos muitas mais galáxias localizadas além do horizonte, inobserváveis”, conclui Rees, “cada uma das quais (juntamente com quaisquer inteligências que ela hospede) evoluirá da mesma maneira que a nossa.”

(Fonte)


E o mais incrível ainda é ter gente que acredita que dentro de toda esta vastidão só há vida na Terra.

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh