web analytics

A maior história sobre discos voadores se torna documentário

A maior história sobre discos voadores se torna documentário

Bob Lazar

Declarações espetaculares vieram de uma figura sombria que apareceu na televisão de Las Vegas, com o rosto completamente obscurecido, numa sexta-feira despretensiosa, em maio de 1989. Havia nove discos voadores no deserto perto da Área 51, ele disse – ‘discos voadores’ sendo testados e voados e analisados secretamente pelo governo dos EUA. Ele os viu, esse homem misterioso alegou; não só isso, ele disse que trabalhou para fazer engenharia reversa dos sistemas de propulsão em aeronaves que teriam sido ‘totalmente impossíveis’ para os oficiais dos EUA terem criado.

O homem – pelo pseudônimo de “Dennis” – disse aos jornalistas no estúdio:

O sistema de propulsão é um sistema de propulsão por gravidade. A fonte de energia é um reator de antimatéria. Esta tecnologia não existe [aqui].

De fato, uma das razões pelas quais estou apresentando essa informação, não é apenas um crime contra o povo americano; é um crime contra a comunidade científica, da qual faço parte há algum tempo, que estão tentando duplicar ativamente esses sistemas. No entanto, eles estão em existência agora, basicamente, nas mãos do governo.

E o governo se empenhou bastante para impedi-lo de falar, alegou o ‘cientista’. Ele tinha sido avisado de que seria processado por espionagem; até mesmo sua vida corria risco – e a de sua esposa – haviam sido ameaçados, afirmou ele.

“Qualquer coisa poderia acontecer; Eu não sei” – disse o homem, parecendo resignado. ‘”Não faço a menor ideia.”

Não demoraria muito até que ‘Dennis’ fosse revelado como sendo Bob Lazar, um nome que continua a causar controvérsia e ondulações em comunidades de ovnilogia/ufologia em todo o mundo até hoje. Digite ‘Bob Lazar’ no Google, e quase todos os sites, blogs ou segmentos que o mencionam pertencem a um nicho, um playground para entusiastas de alienígenas e teóricos da conspiração. Não há muito sobre ele na grande mídia, especialmente 30 anos depois. Mas, em novembro de 1989, quando ele voltou a aparecer na televisão, dessa vez se revelando, com óculos de armação arredondada e aparência inexpressiva e lúdica, tornou-se conhecido globalmente. Suas alegações sobre ter trabalhado perto da Área 51 em um hangar chamado S-4 – onde ele insiste ter visto naves alienígenas equipadas com minúsculos assentos e construídas com um material então desconhecido, chamado Elemento 115 – trouxeram equipes de repórteres de todo o país e do mundo, multidões de turistas em seus calcanhares.

Ouvindo em casa em 1989, enquanto Lazar permanecia firme com suas afirmações, estava um curioso garoto de 13 anos chamado Jeremy Corbell. Enquanto Lazar desaparecia dos olhos do público à medida que o tempo passava, Corbell permaneceu fascinado com o que ouviu – e agora, quase 30 anos depois, dirigiu o novo documentário “Bob Lazar: Area 51 and Flying Saucers”, sobre a controversa figura, re-investigando as afirmações de Lazar e acompanhando o cientista até sua tranquila casa na pequena cidade de Michigan.

Corbell disse ao DailyMail.com:

Esse conceito que eu ouvi no rádio foi tão transformador para mim quando jovem, quando era criança aos 13 anos, que isso mobilizou minha imaginação. Isso armou minha curiosidade. Isso me forçou a querer me tornar um participante ativo no aprendizado da verdade sobre OVNIs.

O cineasta Corbell nomeia como seu mentor o jornalista George Knapp, o qual apresentou Lazar ao mundo pela primeira vez e que continuou investigando as alegações extraterrestres ao longo das décadas. Knapp aparece proeminentemente no documentário, e ele e Corbell exibem personalidades parecidas: animadas, mas deliberadas, atraídas tanto por fenômenos inexplicáveis ​​quanto por frases sonoras e linguagem florida. Corbell descreve Lazar para DailyMail.com, de forma variada, como ‘como o Elvis’, ‘o Pé Grande’ e ‘o Messias’ da ovnilogia/ufologia.

Lazar e Corbell

Lazar, no entanto, mostra o comportamento oposto. Ele parece sério no documentário; seus óculos, seu corte de cabelo e sua entrega inexpressiva não mudaram nem um pouco desde seu anúncio na TV em 1989 – e nem sua insistência em ter visto o que viu, trabalhar onde trabalhou, e que o governo dos EUA estava absolutamente estudando naves alienígenas mais de 30 anos atrás. (O governo negou a existência da Área 51 até que documentos da CIA foram divulgados cinco anos atrás, que relacionou a localização como um local de testes aéreos – embora não para espaçonaves extraterrestres.)

“Mudou muito minha vida”, diz Lazar no filme, referindo-se a sua parte alegada nesses estudos e sua decisão de ir a público. “É provável que tenha mudado todos os aspectos … na maior parte, negativos. Quero dizer, é realmente difícil encontrar aspectos positivos disso. Quero dizer, tenho certeza de que há alguns aqui e ali, mas a maioria deles foi negativa.”

As repercussões foram tão negativas, ele diz, que ele provavelmente não teria feito as mesmas decisões se tivesse a chance novamente.

“Neste ponto da minha vida, eu provavelmente me inclinaria a não dizer nada”, diz ele.

No entanto, ele concordou em participar do documentário para esclarecer tudo sobre sua vida depois de 1989.

Ele disse em um e-mail enviado a Corbell:

Recebo constantemente e-mails de pessoas perguntando o que aconteceu comigo e que direção minha vida tomou desde a divulgação da informação anos atrás.

Além disso, eu ouvi e vi tantas histórias inventadas e versões ridículas da minha vida e experiências que realmente se tornaram divertidas. Parecia que precisava haver algo no registro – algo atual.

Ele fez uma vida para si mesmo em Michigan com sua esposa, Joy, e Lazar continuou sua carreira na ciência; ele dirige a United Nuclear, que vende produtos químicos, lasers, materiais de laboratório e outros produtos científicos. Surpreendentemente, no entanto, ele afirma ter deixado o mundo dos OVNIs para trás.

Ele disse ao DailyMail.com:

Não sigo histórias ou relatos sobre OVNIs e não estou interessado em pesquisar sobre a vida fora da Terra. Meu principal interesse era, e ainda é, a tecnologia incrivelmente avançada. Eu sei que se podemos controlá-la e desenvolvê-la, isso pode mudar o mundo.

Apesar de seu estilo de vida discreto, ele ainda afirma que o governo não se esqueceu dele. Embora ele não afirme que o governo está necessariamente atrás dele, ele acredita que continua sendo observado:

Correndo o risco de parecer paranóico, sempre tenho a suspeita de que alguém está me monitorando – é algo que é difícil de sair da minha mente.

Ele diz que um “ataque recente do FBI” – que é comentado no filme, embora nem as câmeras de vídeo nem a Corbell estivessem presentes – “praticamente cimentou isso em minha mente”.

E Lazar não é o único que alega atividades do tipo big brother; o jornalista Knapp o apoia incondicionalmente, dizendo ao DailyMail.com em um e-mail fornecido por Corbell que ele viu em primeira mão alguns “eventos estranhos” quando a história começou.

George Knapp

Knapp disse:

Houve invasões na casa de Lazar. Seu veículo também teve arrombamentos. Jogos mentais sendo jogados. Ameaças foram emitidas. Lazar e outros foram grampeados e seguidos, e certamente parecia que alguém queria assustá-lo a permanecer em silêncio, ou talvez eles quisessem deixá-lo um pouco louco.

Eu estava presente em muitos desses eventos. Eu os vi com meus próprios olhos e também testemunhei as consequências. Eu também sei que fui seguido por vários meses e que meu telefone na KLAS foi grampeado por um tempo. Isso ficou claro depois que seis pessoas diferentes que conversaram comigo por telefone foram visitadas e ameaçadas por pessoas que trabalhavam para agências federais e/ou empreiteiros de defesa ligados ao Groom Lake. As testemunhas não se conheciam e não me conheciam, mas concordaram em me fornecer declarações que geralmente apoiavam a história contada por Lazar.

Todos os seis mudaram de ideia sobre compartilhar informações comigo depois que foram visitados – e ameaçados – por esses agentes desconhecidos.

Como todas essas alegadas intimidações estavam acontecendo, Knapp e muitos outros estavam tentando verificar muitas das alegações de Lazar – com pouco sucesso.

O ‘denunciante’, que nasceu na Flórida, alegou ter participado do Instituto de Tecnologia de Massachusetts – MIT, e do Instituto de Tecnologia da Califórnia, embora não houvesse nenhum registro dele nas duas escolas. Sua credibilidade também foi prejudicada quando, em 1990, ele se confessou culpado de solicitar serviços de uma prostituta – uma acusação totalmente não relacionada à ciência e à ovnilogia/ufologia, mas, no entanto, prejudicial à sua reputação.

Lazar também afirmou ter trabalhado no Laboratório Nacional de Los Alamos; desta vez, na verdade, Knapp encontrou o nome de Lazar na lista telefônica do laboratório em 1982 – reforçando suas afirmações.

Lazar diz no documentário:

Eu achei que tinha acertado as contas há 30 anos. Não sei – o que mais eu posso dizer? … Como posso provar mais alguma coisa? Você acha que Los Alamos tinha me contratado por ter saído do ensino médio?

Eu não entendo como todo mundo fica tão envolvido com as minúcias – porque você pode debater essas coisas para sempre. Podemos voltar antes do MIT, e você pode começar a brigar [sobre] se ou não, onde eu morava no ensino médio; isso não se traduzirá em responder às perguntas e às coisas que eu trouxe aos olhos do público.

Essa é a coisa importante. Quase parede que isso seja uma distração intencional. Você precisa prestar atenção ao quadro maior. Se você realmente quer pesquisar todas as outras coisas, tudo bem, vá em frente e faça isso – mas você realmente precisa prestar atenção ao que eu estou dizendo, porque eu tenho coisas melhores para fazer do que inventar isso.

Não gosto de estar nos olhos do público; não tenho dinheiro para fazer isso – e, francamente, eu poderia inventar uma mentira melhor. Mas não tenho motivação para mentir; isso não tem me ajudado.

Corbell, por sua vez, fez um grande esforço para verificar algumas das reivindicações de Lazar. O ‘cientista’ sempre descrevera um dispositivo de segurança que escaneava os ossos das mãos dos funcionários em locais secretos do governo; o cineasta encontrou um na Internet, e Lazar reage com uma mistura de espanto e satisfação quando Corbell aponta para a câmera.

Lazar também havia descrito um homem chamado Mike Thigpen, que ele disse que o validou para o trabalho do governo; Corbell diz no documentário que ele rastreou o homem até a costa leste, e Thigpen confirmou a informação via telefone. Mas Thigpen, diz Corbell, se recusa a aparecer na câmera “porque ele não quer colocar uma sombra no trabalho que ele fez antes – mas pessoalmente transmitiu que era o seu trabalho, foi exatamente o que ele fez em Vegas em 1989”.

E vários desenvolvimentos externos ao longo dos anos também deram mais peso à história de Lazar, muitos afirmam. Quinze anos atrás, um Elemento 115 foi adicionado à tabela periódica – moscovium, um elemento sintético radioativo sintetizado pela primeira vez por uma equipe conjunta de cientistas russos e americanos. Além disso, no ano passado, o Departamento de Defesa confirmou pela primeira vez que havia financiado um programa de OVNIs – depois que autoridades negaram por décadas que qualquer pesquisa desse tipo já existisse em qualquer lugar dentro do governo.

Todos esses desenvolvimentos – e provavelmente as alegadas verificações feitas por Corbell em seu filme – servem como um grande benefício para os apoiadores de Lazar. O documentário também entrevista as pessoas que o conhecem melhor – seu amigo, sua esposa, um funcionário da United Nuclear, até mesmo a mãe de Lazar – em um esforço para chegar ao coração de quem Lazar realmente é, e no que ele realmente acredita.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino Silva Melo


Muitas pessoas, até mesmo no âmbito da ovnilogia/ufologia, não acreditam na história de Bob Lazar. Mas eu, pessoalmente, se tivesse que apostar, diria que sim, ele está falando a verdade e o ‘governo oculto’ dos EUA conseguiu apagar seus registros educacionais e empregatícios – pelo menos alguns deles.

E você duvida?

Antes de duvidar, não esqueça o que foi informado no artigo acima, bem como já comentado aqui no OH:

  • O governo dos EUA negava veementemente a existência da Área 51, até que a verdade veio a tona e agora está comprovada.
  • O Elemento 115, do qual Lazar disse ser o combustível das naves alienígenas foi também comprovado como sendo possível.
  • E há mais detalhes ainda na história de Lazar que respaldam suas alegações, tais como algumas conexões empregatícias e educacionais.

Conhecendo como agências governamentais operam em todo mundo, é mais fácil acreditar até mesmo num bêbado contando seus “causos” num bar, do que em governos…

O documentário de Corbell sobre Bob Lazar estreou ontem, 4 de dezembro, em Los Angeles. Logo publicarei uma avaliação do evento e do documentário, feita pela pesquisadora de OVNIs, Kerry Cassidi, do Project Camelot.

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh