web analytics

Sonda da NASA que irá pousar em Marte no dia 26 de novembro já tem local definido

“Missões anteriores ao Planeta Vermelho investigaram sua superfície estudando seus cânions, vulcões, rochas e solo”, disse Bruce Banerdt, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. “Mas as assinaturas dos processos de formação do planeta só podem ser encontradas sentindo e estudando evidências enterradas muito abaixo da superfície. É trabalho da InSight (nova sonda da NASA) estudar o interior profundo de Marte, tomando os sinais vitais do planeta – seu pulso, temperatura e reflexos”.

Sem dúvida, a NASA explora alguns dos locais mais inspiradores do nosso sistema solar e além…

Marte também desempenha um papel nessa equação visualmente convincente, com as imagens de alta definição do jipe-sonda Curiosity dos cumes e montes arredondados na base do Monte Sharp, trazendo à mente a majestade do sudoeste americano. Dito isso, Elysium Planitia – o local escolhido para o pouso de 26 de novembro da missão InSight da NASA para Marte – provavelmente nunca será mencionado com os acima, porque é, claro, uma planície.

“Se Elysium Planitia fosse uma salada, consistiria de alface e couve – sem molho”, disse o principal pesquisador da InSight, Banerdt. “Se fosse um sorvete, seria baunilha.”

Sim, o local de pouso da próxima missão da NASA em Marte pode muito bem parecer um estacionamento de estádio, mas é assim que o projeto de Exploração de Interiores usando Investigações Sísmicas, Geodésia e Transporte de Calor (InSight) gosta.

Tomar esses sinais vitais ajudará a equipe de ciências da InSight a relembrar uma época em que os planetas rochosos do sistema solar se formaram.

As investigações dependerão de três instrumentos:

Um sismógrafo de seis sensores, chamado de Experimento Sísmico para a Estrutura Interior (de sigla em inglês, SEIS), registrará ondas sísmicas viajando pela estrutura interior do planeta. Estudar ondas sísmicas dirá aos cientistas o que pode estar criando as ondas. (Em Marte, os cientistas suspeitam que os culpados podem ser ‘martemotos‘, ou meteoritos atingindo a superfície.)

O Pacote de Fluxo de Calor e Propriedades Físicas (de sigla em inglês, HP3) da missão irá escavar mais fundo do que qualquer outra escavadeira, furadeira ou sonda em Marte, antes de medir quanto calor está fluindo para fora do planeta. Suas observações esclarecerão se a Terra e Marte são feitos do mesmo material.

Por fim, o experimento de Rotação e Experimentação da Estrutura Interna da InSight (de sigla em inglês, RISE) usará os rádios da sonda para avaliar a oscilação do eixo de rotação de Marte, fornecendo informações sobre o núcleo do planeta.

Para o InSight fazer seu trabalho, a equipe precisava de um local de pouso que marcasse várias caixas, porque, como um módulo de três pernas – não um jipe-sonda -, a InSight permanecerá onde quer que esteja.

“Escolher um bom local de pouso em Marte é como escolher uma boa casa: tudo se resume a localização, localização e localização”, disse Tom Hoffman, gerente de projetos da InSight no JPL. “E pela primeira vez, a avaliação de um local de pouso em Marte teve que considerar o que estava abaixo da superfície de Marte. Precisamos não apenas de um local seguro para pousar, mas também de um espaço de trabalho que seja penetrável por nossa sonda de fluxo de calor de 5 metros de comprimento.”

O local também precisa ser claro o suficiente e aquecido o suficiente para alimentar as células solares, mantendo seus componentes eletrônicos dentro dos limites de temperatura por um ano inteiro de Marte (26 meses terrestres).

Assim, a equipe se concentrou em uma faixa ao redor do equador, onde o painel solar da sonda teria luz solar adequada para alimentar seus sistemas durante o ano todo. Encontrar uma área que seria segura o suficiente para o InSight pousar, e depois implantar seus painéis solares e instrumentos sem obstruções demorou um pouco mais.

“O local tem que ter uma altitude baixa o bastante para ter uma atmosfera suficiente acima do solo para uma aterrissagem segura, porque a espaçonave dependerá primeiro do atrito atmosférico com seu escudo de calor, e depois de um pára-quedas que utilizará a atmosfera tênue de Marte por uma grande parte de sua desaceleração”, disse Hoffman. “E depois que o pára-quedas se desprender e os foguetes de frenagem forem acionados para a descida final, é preciso que haja uma extensão plana para pousar – não muito ondulada e relativamente livre de rochas que possam tombar o módulo de três patas de Marte.”

Dos 22 locais considerados, apenas Elysium Planitia, Isidis Planitia e Valles Marineris cumpriram as restrições básicas de engenharia. Para classificar os três candidatos restantes, imagens de reconhecimento dos orbitadores da NASA em Marte foram analisadas e os registros meteorológicos foram pesquisados. Finalmente, Isidis Planitia e Valles Marineris foram descartados por serem muito rochosos e ventosos.

Isso deixou a elipse de aterrissagem de 130 quilômetros de extensão e 27 quilômetros de largura na borda oeste de uma planície de lava achatada e lisa.

“Se você fosse um marciano vindo para explorar o interior da Terra como se estivéssemos explorando o interior de Marte, não importaria se você pousasse no meio do Kansas ou nas praias de Oahu”, disse Banerdt. “Embora eu esteja ansioso para ver essas primeiras imagens da superfície, estou ainda mais ansioso para ver os primeiros conjuntos de dados revelando o que está acontecendo bem abaixo de nossos blocos de pouso. A beleza desta missão está acontecendo abaixo da superfície. A Elysium Planitia é perfeita.”

Depois de uma jornada de 205 dias que começou em 5 de maio, a missão InSight da NASA pousará em Marte no dia 26 de novembro… Seus painéis solares se abrirão em poucas horas após o pouso. Os engenheiros e cientistas da missão avaliarão seu “espaço de trabalho” antes de implantar o SEIS e o HP3 na superfície – cerca de três meses após o pouso – e começarão a ciência a sério.

InSight foi a 12ª escolha na série de missões da classe Discovery da NASA. Criado em 1992, o Programa Discovery patrocina missões de exploração de sistemas solares frequentes e com custo limitado, com objetivos científicos altamente focados.

O JPL gerencia a InSight para o Diretório de Missões Científicas da NASA. A InSight faz parte do Discovery Group da NASA, gerenciado pelo Marshall Space Flight Center da agência em Huntsville, Alabama. A Lockheed Martin Space, em Denver, construiu a espaçonave InSight, inclusive seu estágio de cruzeiro e aterrissagem, e da apoio às operações de espaçonaves para a missão.

(Fonte)


Tudo muito lindo, mas mandar uma sonda específica para procura de vida e Marte, que seria a mais importante de todas as missões, a NASA não faz. Uma resposta plausível do porquê, é que ela já sabe que a vida existe lá, e não precisa mais procurar por ela oficialmente.

NASA tem escondido a verdade sobre a vida em Marte

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh