web analytics

O contato alienígena causaria pânico hoje?

O contato alienígena causaria pânico hoje

Uma ilustração dos macianos atacando a Terra, de uma edição de 1906 da Guerra dos Mundos, de H.G. Welles.

Há 80 anos, em 30 de outubro, o ator Orson Welles anunciou ao público em uma locução de rádio que marcianos estavam invadindo o estado da Nova Jersey, levando os ouvintes aterrorizados a acreditarem que a Terra estava sob ataque de alienígenas hostis.

Mas as notícias eram falsas. O infame desempenho de Welles foi uma dramatização do clássico de ficção científica de HG Wells, “A Guerra dos Mundos”, e fez parte de uma série semanal de transmissões dramáticas criadas em colaboração com o Mercury Theatre on the Air para a CBS, de acordo com uma transcrição do programa.

Graças a décadas de pesquisa espacial, a compreensão da vida extraterrestre percorreu um longo caminho desde a peça de rádio de Welles, e é geralmente entendido que Marte não é o lar de uma civilização alienígena avançada com armas e espaçonaves letais. A fascinação do público pelos extraterrestres ainda é alta; no entanto, um anúncio moderno sobre criaturas alienígenas provavelmente estimularia uma resposta muito diferente hoje do que ‘A Guerra dos Mundos’ em 1938, disseram especialistas à Live Science.

Durante a transmissão de rádio, um ator que se apresentava como locutor de notícias interrompeu uma apresentação musical programada. Com um tom de alarme crescente, ele descreveu as observações do telescópio de ‘três explosões’ em Marte e, em seguida, fez um relato de Grover’s Mill, uma cidade perto de Princeton, em Nova Jersey.

Enquanto o drama se desenrolava, atores que se apresentavam como testemunhas descreveram objetos voadores não identificados (OVNIs) e ‘criaturas estranhas’ disparando um raio de calor futurista que matou dezenas de pessoas.

Embora o programa estivesse repleto de lembretes de que era teatral, muitas pessoas sintonizadas achavam que a invasão alienígena era real, e manchetes de jornais ofegantes mais tarde descreveram o pânico generalizado causado pela perspectiva de uma invasão alienígena.

O Daily News informou no dia seguinte:

Milhares de ouvintes correram de suas casas em Nova Iorque e Nova Jersey, muitos com toalhas em seus rostos para se proteger do ‘gás’ que o invasor deveria estar expelindo.

Enquanto os ouvintes de rádio podem ter sido ludibriados pelo conto de uma invasão marciana, os cientistas espaciais do dia já estavam bem conscientes de que Marte não era capaz de abrigar uma civilização próspera de alienígenas inteligentes, disse Seth Shostak, um astrônomo sênior com Instituto da Busca por Inteligência Extraterrestre
(de sigla em inglês, SETI) na Califórnia.

“Certamente, no final da década de 1930, ninguém acreditava. Havia um conhecimento crescente dos astrônomos: Marte tem uma atmosfera muito fina; não há muito oxigênio; não vemos água líquida na superfície”, disse Shostak. Tudo isso sugeria que, se tivéssemos uma companhia cósmica inteligente no universo, não estaria em Marte – ou mesmo em nosso sistema solar, explicou ele.

Na verdade, o episódio violento descrito por Welles é de longe o cenário menos provável para como os seres humanos podem encontrar a vida extraterrestre, de acordo com o escritor de ciência Michael Wall, autor de “Out There: A Scientific Guide to Alien Life, Antimatter and Human Space Travel”  (Lá Fora: Um Guia Científico para a Vida Alienígena, Antimatéria e Viagens Espaciais Humanas) – [Grand Central Publishing, 11 de novembro de 2018].

Micróbios alienígenas, não monstros alienígenas

Um ataque alienígena militarista envolveria extraterrestres que não são apenas inteligentes e tecnicamente avançados, mas que também sabem que os seres humanos existem e podem viajar para o nosso sistema solar, disse Wall ao Live Science. Um número improvável de variáveis ​​teria que se encaixar para que isso aconteça. Uma possibilidade mais forte é que nosso primeiro encontro com a vida alienígena será através da descoberta de micróbios de outros mundos, que são muito mais comuns em todo o cosmos do que organismos inteligentes, disse Wall, que é um dos principais autores do site irmão da Live Science.com.

Hoje, um anúncio sobre a descoberta de micróbios extraterrestres é muito mais provável que promova o fascínio do que o pânico, disse ele.

Ele disse:

Com todas as notícias sobre exoplanetas [planetas fora do nosso sistema solar], as pessoas estão preparadas para isso. Aqueles que estão prestando atenção sabem o quanto há de imóveis habitáveis ​​por aí. E faz sentido que, se houver algo lá fora, seja microbiano.

No entanto, mesmo que os micróbios possam ser os primeiros ‘alienígenas’ que encontraremos, isso não exclui a possibilidade de detectar comunicações extraterrestres inteligentes, disse Shostak ao Live Science.

Espionando alienígenas

O SETI examina diariamente os céus por sinais de rádio que podem ser produzidos por formas de vida inteligente. E mesmo que haja provavelmente muito menos vida inteligente no universo do que a vida microbiana, os extraterrestres inteligentes poderiam potencialmente transmitir sua presença por distâncias muito maiores.

Shostak disse:

Os micróbios podem produzir oxigênio na atmosfera. Mas a vida inteligente pode produzir lasers gigantes ou transmissores de rádio, então você pode ouvi-los mais longe.

Uma maneira pela qual poderíamos encontrar alienígenas distantes é através da detecção de seus sinais de rádio, o assunto das incansáveis ​​buscas do SETI usando o Allen Telescope Array no Hat Creek Radio Observatory, na Califórnia. Mas o SETI também está construindo equipamentos para procurar possíveis sinais extraterrestres produzidos por raios laser, disse Shostak.

Naturalmente, encontrar esses sinais requer que alienígenas inteligentes supostamente estejam apontando suas antenas em nossa direção geral. No entanto, Shostak está confiante de que um desses sinais será detectado mais cedo do que você imagina.

Ele disse:

Eu aposto para muitas pessoas uma xícara de café que encontraremos dentro de vinte anos. E isso porque o equipamento está ficando cada vez melhor.

Uma primeira reunião com um ET por meio de micróbios ou transmissões de sinais distantes, certamente seria muito menos assustadora do que ouvir falar de criaturas dotadas de armas e tentáculos ateando fogo em nossas cidades. Depois da transmissão, Welles alegou que não tinha ideia de que as pessoas levariam o programa tão a sério; ele emitiu um pedido de desculpas dizendo que “foi uma experiência terrivelmente chocante perceber que eu causei um terror tão generalizado”, informou The Daily Princetonian, em 1 de novembro de 1938.

(Fonte)


Eu apostaria com Shostak que, por inúmeras razões – NÃO sendo uma delas a não existência desses seres – eles nunca vão encontrar sinais de rádio ou de laser vindos de civilizações alienígenas. Também apostaria com ele muito mais do que uma xícara de café que, se investissem o dinheiro em estudar o fenômeno dos OVNIs existente em nosso planeta, obteriam uma resposta sobre a vida extraterrestre muito mais rapidamente.

Infelizmente os OVNIs ainda são um grande tabu no meio científico corporativo.

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh