web analytics

Mensagens alienígenas estão escondidas no nosso DNA, dizem cientistas

Mensagens alienígenas estão escondidas no nosso DNA, dizem cientistas

Em 1960, um jovem astrônomo chamado Frank Drake apontou o radiotelescópio Green Bank para as estrelas Tau Ceti e Epsilon Eridani… e tentou escutar os sons de uma civilização alienígena. O pequeno experimento de Drake marca o início oficial da Busca por Inteligência Extraterrestre (de sigla em inglês, SETI). Desde então, o SETI continuou a escanear partes maiores do céu, ouvindo bandas mais amplas e mais amplas do espectro de rádio, mas o silêncio foi ensurdecedor. Embora muitos considerem isso um sinal provável de que o cosmos está em grande parte vazio, pode ser mais provável que a pesquisa do SETI tenha sido muito restrita em seu escopo, contando com apenas uma tecnologia particular do século XX, a qual já está desaparecendo em uso.

Como o filósofo psicodélico Terence McKenna observou uma vez secamente, “Buscar ansiosamente por um sinal de rádio de uma fonte extraterrestre é provavelmente uma presunção cultural como procurar na galáxia por um bom restaurante italiano”.

Para ampliar a busca, outras tecnologias de transmissão têm sido sugeridas, como os lasers. Mas mesmo essas ideias parecem limitadas às nossas ideias culturais de uma tecnologia artificial ‘avançada’ – mas que provavelmente serão consideradas tão retrógradas apenas um século ou dois em nosso futuro. E se, no entanto, os alienígenas já tivessem deixado uma mensagem para nós, ‘escondidas à vista’, desde o alvorecer da história? E se tivéssemos apenas que olhar para dentro de nós mesmos?

Um artigo publicado no ano passado em Icarus, o prestigioso periódico de ciência planetária, perguntou se era possível que a vida na Terra tivesse sido ‘semeada’ de além da Terra – e se assim for, o bloco de construção dessa vida, o DNA, contém qualquer tipo de mensagem dos nossos criadores alienígenas. Usando matemática, os autores do artigo –  “The “Wow! signal” of the terrestrial genetic code” (O ‘Uau! sinal’ do código genético terrestre) – procurou evidências de um sinal ‘informativo’ estatisticamente forte no código genético, com resultados surpreendentes:

Aqui mostramos que o código terrestre exibe uma ordenação rigorosa do tipo de precisão que corresponde aos critérios para ser considerada um sinal informativo. Arranjos simples do código revelam um conjunto de padrões aritméticos e ideográficos da mesma linguagem simbólica.
Precisos e sistemáticos, esses padrões subjacentes aparecem como um produto de lógica de precisão e computação não trivial, e não de processos estocásticos (a hipótese nula de que eles ocorrem devido ao acaso, juntamente com caminhos evolutivos presumíveis, é rejeitada com valor de P <10-13).

O sinal exibe marcas prontamente reconhecíveis de artificialidade.

Curiosamente, esta não foi a primeira vez que Icarus apresentou um artigo que entretinha a ideia do ‘SETI biológico’. Em 1979, a revista – sob o editor Carl Sagan – publicou um artigo intitulado “Is bacteriophage φX174 DNA a message from an extraterrestrial intelligence?” (O DNA do bacteriófago φX174 é uma mensagem de uma inteligência extraterrestre?”), escrito pelos bioquímicos japoneses Hiromitsu Yokoo e Tairo Oshima. Dada a loucura da ideia, Sagan pediu a um jovem protegido, David Grinspoon (agora um proeminente astrobiólogo por sua própria conta), para verificar o documento, a fim de avaliar sua legitimidade. Veja como Grinspoon descreve o artigo em seu livro Lonely PlanetsI (Planetas Solitários):

Um pequeno histórico ajudará aqui… Os números primos são aqueles que não são divisíveis por quaisquer outros números inteiros: 1, 3, 5, 7, 11, 13 e assim por diante, tão alto quanto desejar ir. Nenhuma fórmula conhecida no processo natural os gera. Se você vê números primos, você sabe que a mente não está muito atrás.

Uma ideia amplamente aceita para a construção de mensagens interestelares é enviar pulsos digitais que se repetem com um número que é o produto de dois primos multiplicados. Isso sugeriria que uma imagem bidimensional está sendo enviada. Por exemplo, se você recebeu uma mensagem que estava repetindo uma sequência de 143 pulsos, você ou sua máquina diriam: “Oh, 143 é 11 vezes 13, e estes são os dois números primos. Vamos criar uma matriz de 11 por 13 e ver se há uma imagem codificada aqui.”

Essa técnica – usando primos para criar imagens em 2D facilmente decodificadas – é um pilar da teoria do SETI.

Agora, de volta para a mensagem nesse vírus, bacteriófago φX174. É o primeiro organismo para o qual todo o genoma foi decodificado. Uma característica notável descoberta foi a presença de ‘genes sobrepostos’. Estas são sequências de nucleotídeos que podem ser lidos em dois quadros diferentes, para codificar duas proteínas completamente diferentes. Em outras palavras, a sequência de DNA, CAATGGAACAACTCA, pode ser lida como as “palavras” CAA TGG AAC AAC TCA de três letras, e isso instruirá uma célula a começar a construir uma proteína reunindo os cinco aminoácidos especificados por esses tripletos. No entanto, começando com uma letra diferente, a mesma sequência também pode ser lida como ATG GAA CAA CTC, e assim por diante, o que criará uma proteína completamente diferente…

…Mas espere, ainda há mais. Este organismo (φX174) continha não um, mas três pares desses genes sobrepostos. E, se você contar o número de letras nessas sequências sobrepostas, verá que elas são 121, 91 e 533. Cada uma delas é o produto de dois números primos (11 × 11, 7 × 13 e 13 × 41). . Quão estranho é isso? Ali estava a assinatura amplamente aceita de uma mensagem inteligente, aparecendo nos lugares mais estranhos.

Ambos os pesquisadores, e Grinspoon, fizeram o que qualquer entusiasta do SETI faria: eles tentaram usar os pares de números primos para criar imagens bidimensionais. Infelizmente, as imagens pareciam ruídos aleatórios, e apesar de “tentarem todos os tipos de truques” para decodificá-las, nenhuma mensagem coerente foi descoberta. (Abaixo estão as “mensagens” que Grinspoon criou a partir da “informação” do DNA).

Embora nenhuma mensagem alienígena tenha sido encontrada, o artigo de 1979 do Icarus parece decididamente à frente de seu tempo do ponto de vista do ano de 2014. A biologia sintética está dando saltos à frente: em 2010, uma equipe liderada pelo biólogo americano Craig Venter sintetizou uma longa Molécula de DNA contendo todo um genoma bacteriano, e a colocou dentro de outra célula. Este ‘organismo sintético’ tem marcas d’água escritas em seu DNA, inclusive os nomes dos 46 cientistas colaboradores e uma série de citações do célebre romancista irlandês James Joyce. E o ‘artista genético’ Joe Davis está planejando codificar toda a Wikipédia no genoma de uma maçã, para copiar o fruto proibido que cresceu no Jardim do Éden – uma ‘árvore do conhecimento’ literal.

Observe a quantidade de informação que Davis vai enfiar na maçã. Qualquer ‘mensagem’ alienígena escondida dentro de nosso próprio DNA não precisa ser apenas uma frase curta; em vez disso, eles poderiam implantar livros inteiros. Como o escritor de ciência Dennis Overbye comentou:

O genoma humano … consiste em cerca de 2,9 bilhões dessas letras – o equivalente a cerca de 750 megabytes de dados -, mas apenas cerca de 3% delas compõe os cerca de 22 mil genes que nos fazem o que somos.

Os 97% restantes, chamados DNA-lixo, parecem sem sentido. É a matéria escura do espaço interno. Não sabemos o que está dizendo para nós ou sobre nós, mas dentro desse mar de megabytes há muito espaço para a imaginação vagar, para marcas registradas e muito mais. A Bíblia King James, para escolher um exemplo óbvio, equivale a apenas cinco megabytes.

E a ideia do SETI biológico parece fazer sentido. O físico George Marx escreveu em apoio ao conceito colocando uma questão:

Como alguém envia uma carta para um planeta distante, uma carta que é leve o suficiente para facilitar o transporte, que se multiplica na chegada, que pode corrigir erros de impressão automaticamente e será lida definitivamente pela raça inteligente do planeta alvo depois de terem alcançado a maturidade científica?

Mas seria provável que algum dia encontremos uma mensagem alienígena dentro do DNA, dada a diversidade da vida na Terra e a complexidade de encontrar e decodificar tal mensagem? Talvez novos avanços no registro dos genomas de várias formas de vida, combinados com os avanços no poder do computador e algoritmos construídos para detectar tais padrões, nos permitam fazê-lo. Como o primeiro artigo do SETI observou, “A probabilidade de sucesso é difícil de estimar; mas se nunca procurarmos, a chance de sucesso é zero ”.

(Fonte)


Alguém aqui quer apostar que um dia decifraremos nosso DNA para descobrirmos a mensagem que irá decifrar o grande mistério de nossa existência?

Pois eu aposto que sim. 

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh