web analytics

Por que os astrônomos não veem os OVNIs? …ou dizem que não os veem.

Ao ler o artigo abaixo, é bom estar ciente de que ele foi escrito a partir da ótica de um cientista de tendência predominante, o que é muito impressionante, e talvez esteja mostrando uma mudança de paradigma no meio científico:

Por que os astrônomos não veem os OVNIs

Como cientista de pesquisa da NASA que trabalhou por quatro anos no Centro de Pesquisas Ames da NASA, na Divisão de Sistemas Inteligentes, e agora professor de física, Kevin Knuth participou da Conferência de Contato da NASA de 2002, que se concentrou em especulações sérias sobre extraterrestres. Durante a reunião, um participante preocupado disse em voz alta e em tom sinistro: “Vocês não têm a menor ideia do que existe lá fora!”

O silêncio era palpável à medida que a verdade dessa afirmação era absorvida. Os humanos temem os extraterrestres que visitam a Terra. Talvez felizmente, as distâncias entre as estrelas são proibitivamente vastas. Pelo menos é isso que nós, novatos, que estamos apenas aprendendo a viajar para o espaço, dizemos a nós mesmos.

Estamos sozinhos? Infelizmente, nenhuma das respostas parece satisfatória. Estar sozinho neste vasto universo é uma perspectiva solitária. Por outro lado, se não estamos sozinhos e há alguém ou algo mais poderoso lá fora, isso também é aterrorizante. E ‘por que os astrônomos não vêem?’ OVNIs, pergunta Knuth, um professor adjunto nos Departamentos de Física e Informática da Universidade de Albany. Ele é editor-chefe da revista Entropy.

Knuth escreve:

Eu sempre estive interessado em OVNIs. Claro, havia a emoção de que poderia haver alienígenas e outros mundos vivos. Mas mais emocionante para mim foi a possibilidade de que a viagem interestelar fosse tecnologicamente alcançável. Em 1988, durante a minha segunda semana de pós-graduação na Universidade Estadual de Montana, vários alunos e eu estávamos discutindo uma recente mutilação de gado que estava associada a OVNIs.

Um professor de física se juntou à conversa e nos disse que ele tinha colegas trabalhando na Base da Força Aérea de Malmstrom, em Great Falls, Montana, onde eles estavam tendo problemas com OVNIs que desligavam mísseis nucleares.

Na época, achei que esse professor estava falando bobagem. Mas 20 anos depois, fiquei surpreso ao ver uma gravação de uma coletiva de imprensa com vários ex-membros da Força Aérea dos EUA, com uma dupla da Malmstrom AFB, descrevendo ocorrências semelhantes nos anos 60.

Claramente deve haver algo quanto a isso.

Com o dia 2 de julho sendo o Dia Mundial dos OVNIs, foi um bom momento para a sociedade abordar o fato inquietante e refrescante de que talvez não estejamos sozinhos. Acredito que precisamos enfrentar a possibilidade de que alguns dos estranhos objetos voadores que superam as melhores aeronaves em nosso inventário e desafiam as explicações possam de fato ser visitantes de longe – e há muitas evidências para apoiar os avistamentos de OVNIs.

O físico nuclear Enrico Fermi era famoso por fazer perguntas instigantes. Em 1950, no Laboratório Nacional Los Alamos, depois de discutir sobre OVNIs durante o almoço, Fermi perguntou: “Onde está todo mundo?” Ele estimou que havia cerca de 300 bilhões de estrelas na galáxia, muitas delas bilhões de anos mais velhas que o Sol, com uma grande porcentagem delas provavelmente hospedando planetas habitáveis. Mesmo que a vida inteligente tenha se desenvolvido em uma porcentagem muito pequena desses planetas, então deve haver um número de civilizações inteligentes na galáxia. Dependendo das suposições, deve-se esperar de dezenas a dezenas de milhares de civilizações.

Com as tecnologias baseadas em foguetes que desenvolvemos para viagens espaciais, levaria entre 5 e 50 milhões de anos para uma civilização como a nossa colonizar nossa galáxia Via Láctea. Como isso já deveria ter acontecido várias vezes na história da nossa galáxia, devemos nos perguntar onde estão as evidências dessas civilizações?

Essa discrepância entre a expectativa de que deveria haver evidência de civilizações ou visitações alienígenas, e a presunção de que nenhuma visita foi observada, foi apelidada de Paradoxo de Fermi.

Carl Sagan resumiu corretamente a situação dizendo que “alegações extraordinárias exigem evidências extraordinárias”. O problema é que não houve um único encontro bem documentado sobre OVNIs que pudesse ser qualificado como a arma fumegante. A situação é exacerbada pelo fato de muitos governos em todo o mundo terem encoberto e classificado informações sobre esses encontros. Mas há evidências suficientes que sugerem que o problema precisa estar aberto ao estudo científico.

Quando se trata de ciência, o método científico exige que as hipóteses sejam testáveis ​​para que inferências possam ser verificadas. Os encontros com OVNIs não são controláveis ​​nem repetitivos, o que torna o estudo deles extremamente desafiador. Mas o problema real, na minha opinião, é que o tema dos OVNIs é um tabu.

Enquanto o público em geral tem ficado fascinado com os OVNIs por décadas, nossos governos, cientistas e mídia, declararam essencialmente que todos os avistamentos de OVNIs são resultado de fenômenos meteorológicos ou ações humanas. Que nenhum deles é na verdade nave espacial extraterrestre. E nenhum alienígena visitou a Terra. Essencialmente, nos é dito que o tópico é um absurdo.

Os OVNIs estão fora dos limites de um estudo científico sério e de discussões racionais, que infelizmente deixam o tópico no domínio de marginais e pseudocientistas, muitos dos quais contaminam o campo com teorias conspiratórias e especulação maluca.

Eu acho que o ceticismo OVNI se tornou uma espécie de religião com uma agenda, descontando a possibilidade de extraterrestres sem evidências científicas, enquanto muitas vezes fornecendo hipóteses tolas que descrevem apenas um ou dois aspectos de um encontro OVNI, reforçando a crença popular de que existe uma conspiração. Um cientista deve considerar todas as hipóteses possíveis que explicam todos os dados e, como pouco se sabe, a hipótese extraterrestre ainda não pode ser descartada. No final, os céticos frequentemente prestam um desserviço à ciência, fornecendo um mau exemplo de como a ciência deve ser conduzida.

O fato é que muitos desses encontros – ainda uma porcentagem muito pequena do total – desafiam a explicação convencional.

A mídia amplia o ceticismo publicando informações sobre OVNIs quando é emocionante, mas sempre com um tom zombeteiro ou caprichoso, e assegurando ao público que isso não pode ser verdade.

Mas há testemunhas e encontros confiáveis.

Frequentemente amigos e colegas me perguntam: “Por que os astrônomos não vêem OVNIs?”

O fato é que eles os vêem.

Em 1977, Peter Sturrock, professor de ciência espacial e astrofísica da Universidade de Stanford, enviou 2.611 questionários sobre avistamentos de OVNIs a membros da American Astronomical Society. Ele recebeu 1.356 respostas, das quais 62 astrônomos (4,6%) relataram testemunhar ou registrar fenômenos aéreos inexplicáveis.

Esta taxa é similar aos aproximadamente 5% dos avistamentos de OVNIs que nunca são explicados.

Como esperado, Sturrock descobriu que os astrônomos que testemunharam OVNIs eram mais propensos a serem observadores do céu noturno. Mais de 80% dos entrevistados de Sturrock estavam dispostos a estudar o fenômeno OVNI, se houvesse uma maneira de fazê-lo. Mais da metade deles acreditava que o assunto merecia ser estudado, contra 20% que achavam que não deveria.

A pesquisa também revelou que os cientistas mais jovens eram mais propensos a apoiar o estudo de OVNIs.

OVNIs foram observados através de telescópios. Eu conheço um avistamento por telescópio, feito por um astrônomo amador experiente, no qual ele observou um objeto em forma de palheta de guitarra mover-se através do campo de visão do telescópio.

Outros avistamentos estão documentados no livro “Wonders in the Sky” (Maravilhas no Céu), no qual os autores compilaram numerosas observações de fenômenos aéreos inexplicáveis feitas por astrônomos, e publicadas em revistas científicas ao longo dos anos 1700 e 1800.

Evidências de oficiais do governo e militares

Algumas das observações mais convincentes vieram de funcionários do governo. Em 1997, o governo chileno formou a organização Comité de Estudios de Fenómenos Aéreos Anómalos, ou CEFAA, para estudar OVNIs. No ano passado, a CEFAA divulgou imagens de um OVNI capturado com uma câmera infravermelha Wescam, montada em um helicóptero.

Os países: Brasil, Canadá, Dinamarca, Equador, França, Nova Zelândia, Rússia, Suécia e Reino Unido vêm desclassificando seus arquivos OVNIs desde 2008. O Comitê Francês para Estudos em Profundidade, ou COMETA, era um grupo de estudo não-oficial de OVNIs, composto por cientistas de alto nível e oficiais militares que estudaram OVNIs no final dos anos 90. Eles lançaram o Relatório COMETA, que resumiu suas descobertas. Eles concluíram que 5% dos encontros eram confiáveis, mas inexplicáveis: a melhor hipótese disponível era que as naves observadas eram extraterrestres. Eles também acusaram os Estados Unidos de acobertar evidências de OVNIs. O Irã tem se preocupado com OVNIs esféricos observados perto de instalações de energia nuclear que eles chamam de ‘drones da CIA’, os quais supostamente têm cerca de 9 metros de diâmetro, podem atingir velocidades de até Mach 10 (10 vezes a velocidade do som) e podem deixar a atmosfera.

Tais velocidades estão a par com a aeronave experimental mais rápida, mas impensável para uma esfera sem superfícies de sustentação ou mecanismo de propulsão óbvio.

Em dezembro de 2017, o The New York Times publicou uma reportagem sobre o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais, que era um programa de US$ 22 milhões administrado pelo ex-oficial do Pentágono Luis Elizondo, e tinha como objetivo estudar os OVNIs. Elizondo se demitiu do programa protestando contra o extremo sigilo e a falta de financiamento e apoio. Após sua renúncia, Elizondo, juntamente com vários outros membros da comunidade de defesa e inteligência, foram recrutados pela To The Stars Academy of Arts and Science, fundada recentemente por Tom DeLonge para estudar OVNIs e viagens interestelares. Em conjunto com o lançamento da academia, o Pentágono desclassificou e lançou três vídeos de encontros de OVNIs feitos com câmeras infravermelhas de visão frontal, montadas em caças F-18. Embora haja muita empolgação com tais divulgações, lembro-me de uma citação do Coronel do Exército aposentado John Alexander: “A já revelação aconteceu. … Eu tenho pilhas de generais, inclusive generais soviéticos, que disseram que os OVNIs são reais. Meu ponto é, quantas vezes altos funcionários precisam se apresentar e dizer que isso é real?”

Há uma grande quantidade de evidências de que uma pequena porcentagem desses avistamentos de OVNIs são naves estruturadas não identificadas, as quais exibem capacidades de voo além de qualquer tecnologia humana conhecida. Embora não haja um único caso para o qual exista evidência que resista ao rigor científico, há casos com observações simultâneas por várias testemunhas confiáveis, junto com retornos de radar e evidências fotográficas que revelam padrões de atividade que são convincentes.

Informações desclassificadas como secretas de estudos ocultos são interessantes, mas não são cientificamente úteis. Este é um tópico digno de investigação científica aberta, até que haja um consenso científico baseado em evidências, e não em expectativas ou crenças anteriores. Se de fato houver naves extraterrestres visitando a Terra, seria muito benéfico para nós conhecê-las, sua natureza e sua intenção. Além disso, isso representaria uma grande oportunidade para a humanidade, prometendo expandir e avançar nosso conhecimento e tecnologia, bem como reformular nossa compreensão de nosso lugar no Universo.

(Fonte)


É realmente animador o fato do artigo acima ter sido escrito por um cientista “convencional”. Talvez algo esteja mudando na forma de pensar desses cientistas, pois as evidências da presença de OVNIs visitando a Terra são esmagadoras.

Quanto ao fato de somente poucos astrônomos dizerem ter visto OVNIs, posso dizer que, quase que certamente, o restante deles está ocultando o fato de terem visto. Digo isto com base que eu, há alguns anos, com poucas horas de atividade de astronomia amadora, já havia detectado pelo menos 3 atividades anômalas não explicáveis pela ciência, das quais um tipo pode ser visto no artigo abaixo. Imaginem então uma pessoa que despende boa parte de sua vida vigiando o céu noturno?

Um dos meus avistamentos de OVNIs / UFOs.

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh