web analytics

Veja porque os alienígenas provavelmente virão em paz

O artigo abaixo foi escrito por S.C. Stuart, para a revista PC Magazine, onde ele entrevistou Bill Diamon, Presidente e CEO do Instituto SETI, que procura por sinais de vida inteligente vindos de fora do nosso planeta (se você não tiver tempo para ler a entrevista toda, pule para os últimos parágrafos para saber porque os alienígenas virão em paz):

Veja porque os alienígenas provavelmente virão em paz

Os humanos têm olhado para as estrelas por milênios, imaginando se somos os únicos seres inteligentes no universo. Estatisticamente, é altamente ilógico (como Spock diria) estarmos sozinhos. Além deste planeta de 7 bilhões de pessoas, há 46 bilhões de anos-luz entre nós e a borda do universo conhecido. Deve haver alguém ou alguma coisa lá fora.

Às vezes é melhor não pensar nisso, a menos que você goste de ter uma crise existencial.

Deixe isso para o Instituto SETI e aqueles como o Dr. Frank Drake, que em 1961 desenvolveu a Equação de Drake, que busca calcular o número de civilizações detectáveis ​​na Via Láctea.

Durante uma recente visita a Mountain View, parei no Instituto para falar com o Presidente e CEO Bill Diamond, antes da  World Space Week, para saber mais sobre sua pesquisa atual e o que ele acha (ou espera) que poderia acontecer durante sua vida.

Apenas para esclarecer alguns equívocos. O Instituto SETI é uma instalação de pesquisa sem fins lucrativos, contratada por várias agências espaciais e científicas, incluindo a NASA, NSF e USGS. Não é afiliado com os protocolos que você pode ter baixado para executar em seu navegador durante o tempo ocioso (que é [email protected], com sede em Berkeley). Seu QG também não fica dentro do Allen Telescope Array de 42 antenas parabólicas (em Hat Creek, Califórnia) varrendo o céu em busca de sinais.
Mas esse é um radiotelescópio que pertence e é operado pelo Instituto, e é um dos locais que os cientistas do Instituto usam para projetos de pesquisa em andamento.

Aqui estão trechos editados e condensados ​​da nossa conversa:

Bill, você pode descrever a missão do SETI?

A missão do Instituto SETI é explorar, compreender e explicar a origem e a natureza da vida no universo e a evolução da inteligência. Somos uma empresa-chave de pesquisa para a NASA e a National Science Foundation, e colaboramos com parceiros do setor em todo o Vale do Silício e além. Fundado em 1984, o Instituto SETI emprega mais de 130 cientistas, educadores e pessoal administrativo.

O trabalho no Instituto SETI é ancorado por três centros: o Centro Carl Sagan para o Estudo da Vida no Universo (pesquisa), o Centro de Educação e o Centro de Divulgação.

O que fez você decidir entrar a bordo e liderar a organização?

Como muitas pessoas da minha geração, cresci com os programas espaciais Gemini e Mercury; esses esforços da NASA foram muito emocionantes e atraentes para mim. Também devorei muita ficção científica, o que me inspirou, e passei a estudar física no nível universitário, onde a astronomia e a astrofísica faziam parte desse currículo.

Então eu sempre tive um profundo fascínio pelo assunto.

Eu quero ter certeza de que a próxima geração esteja igualmente entusiasmada com o assunto. Assim, através de uma série de programas de educação e divulgação, incluindo a Big Picture Science, o nosso programa de rádio e podcast semanal, pretendemos levar a nossa pesquisa científica ao público com histórias animadas e inteligentes. Também temos uma série mensal de palestras públicas e um canal no YouTube chamado SETI Talks.

É verdade que o Dr. Frank Drake ainda vem trabalhar no SETI várias vezes por semana aos 88 anos?

Sim é verdade. E ele dirige até aqui sozinho, através das montanhas de Santa Cruz, depois que o tráfego da Bay Area diminui, e sai antes que fique ruim novamente.

Isso é inspirador. Vamos falar sobre sua equação de Drake.

A equação de Drake identifica os cerca de 40 bilhões de planetas em nossa galáxia que pelo menos têm o potencial de desenvolver civilizações tecnológicas. Isso é feito tentando entender as taxas de nascimento das estrelas; a porcentagem de estrelas com planetas, o número de planetas na zona habitável e a posição orbital certa para a água líquida ser mantida. Em seguida, examina que fração desses planetas pode desenvolver a vida, então, que fração deles pode desenvolver organismos complexos e inteligência e, finalmente, que fração deles pode ter desenvolvido civilizações tecnológicas.

Em 1961, que nível de complexidade tecnológica o Dr. Drake estava esperando?

Frank definiu uma ‘civilização tecnológica’ como aquela que desenvolveu a tecnologia de rádio e a capacidade de manipular o espectro eletromagnético.

Depois calculou por quanto tempo essas civilizações tecnológicas poderiam durar, um pensamento sóbrio.

De fato. Esta é a última variável na equação de Drake – a variável ‘L’. É o meu elemento favorito e mais provocativo da equação, na minha opinião. Os seres humanos estão há cerca de cem anos no estágio tecnológico da evolução, por isso estamos muito no início do horizonte de tempo da variável L, que Frank sugeriu que poderia ser de 10.000 anos.

Considerando os desafios que a humanidade enfrentará nos próximos 100 anos – sem falar nos próximos 10 mil -, a previsão de Frank pode ser otimista!

Até que algo catastrófico aconteça com essa espécie e seu habitat?

Sim, coisas como superpopulação, um grande impacto de asteroide (lembre-se dos dinossauros), guerra nuclear, uma pandemia ou outro evento semelhante, podem impactar o ‘valor L’ da humanidade. Mas Frank estava mais amplamente focado no tempo durante o qual uma civilização tecnológica poderia permanecer detectável – ou seja, até que eles não estivessem mais emitindo informações no espectro eletromagnético, ou poderiam ter evoluído a um ponto em que a tecnologia, como a conhecemos, não seria mais necessária para sua existência sustentada.
Essencialmente, onde eles “se apagam”. Curiosamente, estamos muito apagados agora.

Como estamos ficando apagados?

Na verdade, estamos escurecendo na medida em que agora ouvimos música, assistimos à televisão e até mesmo ouvimos o rádio através de uma rede fechada de fibra ótica, essencialmente na internet. Isso significa que estamos fazendo muito menos transmissões no espaço. Ainda emitimos ondas de rádio para radares de aeroportos, por exemplo, e no momento esses são os sinais mais poderosos que transmitimos. No entanto, são precisamente esses tipos de sinais que procuramos, por aí.

Na verdade, a pesquisa do SETI trata de ouvir e procurar as chamadas ‘assinaturas de tecnologia’, como pulsos de laser, ondas de rádio e outros fenômenos que talvez ainda não tenhamos imaginado.

Bom ponto. Leve-nos de volta, quais foram os primeiros experimentos do Instituto SETI?

A Dra. Jill Tarter, co-fundadora do Instituto e pioneira do SETI, realizou os primeiros experimentos no radiotelescópio de Arecibo [em Porto Rico]. Ela foi uma participante chave no Projeto Phoenix do Instituto [de 1995 a 2004] e, em seguida, liderou o esforço para construir o Allen Telescope Array [encomendado em 2007 e operado pelo Instituto SETI como o único radiotelescópio SETI dedicado e específico do mundo].

Jill ainda está conosco, como fiduciária, e fortemente envolvida até hoje – 34 anos depois. Frank Drake é, naturalmente, outro pioneiro do SETI, tendo conduzido os primeiros experimentos do SETI no Observatório Nacional de Rádio Astronômico em Green Bank, Virginia Ocidental, nos anos 60. Foi em preparação para a primeira reunião de astrônomos e astrofísicos – pedida pela NASA para explorar os méritos dos programas SETI, que incluíam pessoas importante como Carl Sagan – que Frank derivou a agora famosa Equação de Drake.

Seu histórico em óptica provou ser instrumental com o projeto Laser SETI. Você pode falar sobre isso?

Sim, estamos adicionando tecnologias ópticas para a detecção de pulsos de laser e o projeto Laser SETI tem como objetivo implantar câmeras especializadas em todo o mundo para um observatório que cobre todo o céu, a fim de procurar por flashes a laser no espaço profundo.

Os pulsos de laser podem ser usados ​​para comunicações e / ou sistemas avançados de propulsão, e suas características seriam facilmente diferenciadas da luz estelar ou de outros fenômenos naturais.

Como você colabora com a NASA?

O Instituto SETI tem uma longa história com a NASA, a partir dos primeiros Experimentos do SETI, quando a NASA estava financiando esses esforços. O Instituto e seus fundadores estiveram envolvidos em todas as missões de Marte, desde a Viking, contribuindo para a ciência de missões como Voyager, Galileo, Cassini, OSIRIS-REx e New Horizons.

Nathalie Cabrol, Janice Bishop, Pascal Lee e Ross Beyer ajudaram a identificar locais de pouso para as missões de Marte; Philippe Sarrazin desenvolveu o sistema de difração XRD / SRF CheMin X-ray no jipe-sonda Curiosity; e Pablo Sabron está desenvolvendo um revolucionário espectrômetro Raman para as missões da NASA para Enceladus e Europa. Mark Showalter está descobrindo novos planetas e luas ao redor dos gigantes gasosos e Plutão, e Franck Marchis os está detectando em torno de asteroides.

A equipe Kepler / TESS do Instituto SETI está desenvolvendo novos algoritmos para encontrar novos exoplanetas, a partir dos conjuntos de dados da missão Kepler e Tess. Também estamos colaborando com a NASA no Frontier Development Lab, que é um acelerador de pesquisa de IA para a Space Science da NASA.

Isso está trazendo especialistas em IA ao Instituto SETI, muitos pela primeira vez?

Sim, vindo da indústria, da academia e de outros centros de pesquisa, o programa FDL é um acelerador de pesquisa para doutorados em início de carreira em IA e aprendizado de máquina, e seus correspondentes em domínios científicos profundos, como a ciência planetária.

Reunimos equipes interdisciplinares, onde fazemos parcerias com cientistas da computação com cientistas pesquisadores para enfrentar grandes desafios de pesquisa em que as técnicas avançadas de IA / ML podem ser efetivamente implantadas para acelerar a descoberta e o entendimento…

O que você acha das tentativas de Hollywood de retratar as descobertas do tipo SETI?

Filmes espaciais de Hollywood, pelo menos, geram interesse e entusiasmo sobre a exploração espacial. 2001, Uma Odisseia no Espaço é um dos grandes filmes de todos os tempos! Eu também achei que o filme A Chegada foi particularmente convincente porque – pela primeira vez, eu acredito – em um filme de Hollywood, a experiência extraterrestre foi explorada em uma luz positiva.

Finalmente, tenho que perguntar isso. Se uma nave do espaço sideral descer e uma porta se abrir, você ficaria tão curioso que você entraria a bordo?

Sim eu entraria.

Eu também.

A razão pela qual eu entraria, é que eu acho que teríamos alguma compreensão da intenção muito antes de vir a oportunidade de entrarmos a bordo da nave. Qualquer civilização que tenha a tecnologia para viajar através do espaço interestelar, com a biologia a bordo – pois é difícil para os seres biológicos sobreviverem ao viajarem essas distâncias – por padrão, é muito mais avançada do que nós. Assim, a probabilidade deles viajarem pelo espaço interestelar apenas virem à Terra para ‘nos jantar’ é uma noção um tanto quanto absurda. Então, sim, eu ficaria curioso em conhecê-los.

(Fonte)

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh