web analytics

Alienígenas devem estar gerando sinais eletromagnéticos, diz cientista

Alienígenas devem estar gerando sinais eletromagnéticos

Poderia haver outro planeta no universo com uma sociedade no mesmo estágio de avanço tecnológico que o nosso?

Claudio Grimaldi, da Ecole Polytechnique Federale de Lausanne – EPFL, inicialmente não se importava com isto; ele estava mais interessado na física da matéria condensada. Trabalhando no Laboratório de Física de Matéria Complexa da EPFL, sua pesquisa envolveu o cálculo das probabilidades de nanotubos de carbono trocando elétrons.
Mas então ele se perguntou: se os nanotubos eram estrelas e os elétrons eram sinais gerados por sociedades extraterrestres, poderíamos calcular a probabilidade de detectar esses sinais com mais precisão?

Para descobrir, Grimaldi, trabalhando em associação com a Universidade da Califórnia, Berkeley, desenvolveu um modelo estatístico que oferece aos pesquisadores uma nova ferramenta na busca do tipo de sinais que uma sociedade extraterrestre pode emitir.
Seu método, descrito em um artigo publicado na PNAS, também poderia tornar a busca mais barata e eficiente.

Esta não é uma pesquisa empírica – os cientistas estudam essa possibilidade há quase 60 anos. Vários projetos de pesquisa sobre a busca por inteligência extraterrestre (SETI) foram lançados desde o final da década de 1950, principalmente nos Estados Unidos.
A ideia é que uma civilização avançada em outro planeta poderia estar gerando sinais eletromagnéticos, e os cientistas da Terra poderiam ser capazes de captar esses sinais usando os últimos radiotelescópios de alto desempenho.

Apesar dos consideráveis ​​avanços na radioastronomia e do aumento do poder computacional desde então, nenhum desses projetos levou a algo concreto.
Alguns sinais sem origem identificável foram registrados, como o sinal “Uau!” em 1977, mas nenhum deles foi repetido ou parece credível o suficiente para ser atribuído à vida alienígena.

Mas isso não significa que os cientistas desistiram. Pelo contrário, o SETI viu um interesse renovado após a descoberta dos muitos exoplanetas que orbitam os bilhões de sóis em nossa galáxia. Pesquisadores projetaram instrumentos novos e sofisticados – como o Square Kilometer Array, um gigantesco radiotelescópio em construção na África do Sul e na Austrália, com uma área total de coleta de um quilômetro quadrado – que poderia abrir caminho para avanços promissores. E o empresário russo Yuri Milner anunciou recentemente um ambicioso programa chamado Breakthrough Listen, que visa cobrir 10 vezes mais o céu do que as buscas anteriores, e escanear uma faixa de frequências muito maior. Milner pretende financiar sua iniciativa com US $ 100 milhões em 10 anos.

Grimaldi diz:

Na realidade, expandir a busca para essas magnitudes aumenta muito pouco nossas chances de encontrar algo.

E se nós ainda não detectarmos nenhum sinal, não podemos necessariamente concluir com muito mais certeza que não há vida lá fora.

A vantagem do modelo estatístico de Grimaldi é que ele permite que os cientistas interpretem tanto o sucesso quanto a falha em detectar sinais a diferentes distâncias ​​da Terra. Seu modelo emprega o teorema de Bayes para calcular a probabilidade remanescente de detectar um sinal dentro de um determinado raio em torno de nosso planeta.

Por exemplo, mesmo que nenhum sinal seja detectado dentro de um raio de 1.000 anos-luz, ainda há uma chance de mais de 10% de que a Terra esteja dentro do alcance de centenas de sinais similares de outras partes da galáxia, mas que nossos radiotelescópios atualmente não são poderosos o suficiente para detectá-los. No entanto, essa probabilidade aumenta para quase 100% se apenas um sinal for detectado dentro do raio de 1.000 anos-luz. Nesse caso, podemos ter quase certeza de que nossa galáxia está cheia de vida alienígena.

Depois de fatorar outros parâmetros, como o tamanho da galáxia e quão compactas são suas estrelas, Grimaldi estima que a probabilidade de detectar um sinal se torna muito pequena apenas em um raio de 40.000 anos-luz. Em outras palavras, se nenhum sinal for detectado a essa distância da Terra, podemos razoavelmente concluir que nenhuma outra civilização no mesmo nível de desenvolvimento tecnológico como a nossa é detectável na galáxia. Mas até agora, os cientistas foram capazes de procurar por sinais em um raio de apenas 40 anos-luz.

Então ainda há um caminho a percorrer, especialmente porque esses métodos de busca não conseguem detectar civilizações alienígenas que podem estar em estágios primordiais ou altamente avançadas, mas não seguiram a mesma trajetória tecnológica que a nossa.

A imagem no topo da página mostra o Observatório Gemini, localizado em dois locais separados no Havaí (Gemini Norte) e no Chile (Gêmeos Sul). Os telescópios gêmeos fornecem cobertura quase completa do céu e estão entre os telescópios óticos / infravermelhos mais avançados do mundo Os cientistas como parte do Nexus para Exoplanet System Science (NExSS) utilizaram o Observatório Gemini para muitos estudos relevantes para a compreensão da habitabilidade em sistemas solares distantes. sistemas.

(Fonte)


Senhores cientistas, insisto: Deixem seu orgulho de lado e investiguem o que já ocorre em nosso planeta. As evidências estão na nossa cara, ma nos negamos em aceitá-las.

n3m3

"

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh