web analytics

Uma morte relacionada aos OVNIs que ainda é controversa

Uma morte relacionada aos OVNIs que ainda é controversa

Em 1955, um dos mais controversos de todos os muitos e variados livros sobre OVNIs publicados nos anos 50 foi lançado. Seu título era The Case for the UFO. O autor foi Morris Ketchum Jessup. Seu livro, em parte, foi um estudo detalhado das fontes teóricas de poder para os OVNIs: o que os fazia voar? Como eles poderiam realizar feitos aéreos incríveis, como chegar a uma parada completa nos céus, pairando em alturas incríveis? Jessup acreditava que as respostas estavam no domínio da gravidade. Ou, como ele achava: anti-gravidade. Jessup pôde estar na pista certa, já que não demorou muito para que o mundo do oficialismo se interessasse por ele – especificamente a Marinha dos EUA. E foi um escritório particularmente intrigante da Marinha que estava vigiando Jessup – uma divisão de ‘armas especiais’. Claramente, alguém da Marinha dos EUA ficou intrigado com as descobertas e teorias de Jessup.

Em meados dos anos cinquenta, Morris Jessup ficou profundamente preocupado – paranoico, mesmo – que ele estava sendo espionado. Em várias ocasiões, ele notou que certos itens em seu escritório haviam sido claramente movidos – sugerindo fortemente que, quando ele estava fora de casa, alguém estava lá olhando furtivamente.

A aposta foi aumentada quando Jessup teve uma entrevista cara a cara com representantes da Marinha, que queriam falar com ele sobre seu livro e as teorias e a tecnologia mencionadas em suas páginas. Isso não era tudo o que queriam discutir. Também queriam saber o que Jessup sabia sobre o chamado Experimento Filadélfia de 1943, no qual, supostamente, um navio da Marinha – o USS Eldridge – ficou invisível, algo que se diz ter levado à morte de alguns tripulantes. Eu devo enfatizar, porém, que a fonte original de Jessup para a história era um homem chamado Carlos Allende. Ele era um notório fraudador na saga polêmica do navio que desaparecia, o que não era um bom sinal.

USS Eldridge

Naturalmente, dado o fato de que Jessup já estava em um estado profundo de medo e paranóia, o encontro com a Marinha só aumentou suas ansiedades. Ele viu Homens de Preto à espreita fora de sua casa. Telefonemas desligados quando ele atendia, no meio da noite, tornaram-se ocorrências regulares. O correio chegava adulterado, aberto e lacrado. Claramente, alguém estava tentando atrapalhar Jessup e sua pesquisa.

No início da noite de 20 de abril de 1959, o corpo sem vida de Morris Jessup foi encontrado em seu carro, que estava estacionado no Matheson Hammock Park, em Miami, Flórida. O motor do carro ainda estava ligado e uma mangueira, afixada no escapamento, havia sido alimentada pela janela do lado do motorista. Jessup estava morto pelos efeitos do monóxido de carbono. O corpo de Jessup foi encontrado por um homem chamado John Goode, que trabalhava no parque. Ele rapidamente chamou a polícia, que chegou em pouco tempo.

Embora parecia que Jessup havia se matado, nem todo mundo estava tão certo de que as coisas eram tão preto e branco. A janela através da qual a mangueira passava estava selada com um par de toalhas, para evitar que o ar entrasse e que o monóxido de carbono saísse. Curiosamente, a Sra. Jessup – Rubeye – confirmou que as toalhas não eram delas. Por que, se Jessup tirou a própria vida, não pegou toalhas da casa da família? Qual teria sido o sentido de comprar toalhas novas? E, se ele comprasse essas toalhas, onde estava o recibo? Certamente não estava no carro ou em qualquer um dos bolsos de Jessup.

Naturalmente, ninguém pode dizer o que passa pela mente de alguém quando decide terminar a própria vida, mas, no mínimo, a questão das toalhas foi percebida como uma espécie de bandeira vermelha. Deve-se notar, no entanto, que a vida de Jessup não era exatamente estável neste período. E isso é o mínimo. Seu casamento estava em um estado carregado, um acidente de carro havia limitado suas atividades, e ele estava tendo problemas em publicar seus livros. Em outras palavras, definitivamente precisamos olhar para os dois lados da moeda – e com cuidado e de perto também.

Seguindo em frente, há o fato de que na mesma noite antes de sua morte, Jessup passou mais de uma hora conversando ao telefone com um tal de Valentine Manson, expressando seu entusiasmo pelo seu mais recente trabalho e planos para futuras investigações sobre o Experimento Filadélfia. Jessup até disse a Valentine que eles deveriam almoçar juntos no dia seguinte. Valentine nunca viu Jessup novamente.

(Fonte)


n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh