web analytics

Dois pilotos viram um OVNI. Por que a Força Aérea dos EUA destruiu o relatório?

Dois pilotos viram um OVNI.

O que quer que tenha ocorrido às 2h45 da manhã de 24 de julho de 1948, nos céus do sudoeste do Alabama, não apenas chocou e frustrou as testemunhas. Isto também impulsionou o governo dos EUA a uma investigação secreta – cujos resultados acabaram sendo destruídos.

Os céus estavam claros e a Lua brilhava na madrugada, enquanto o piloto Clarence S. Chiles e o co-piloto John B. Whitted pilotavam o Eastern Air Lines DC-3, um avião a hélice bimotor, a 5.000 pés, de Houston para Atlanta. A aeronave tinha 20 passageiros a bordo, 19 deles estavam dormindo a essa hora. Era um voo doméstico rotineiro, um dos muitos nos céus daquela madrugada.

Até que de repente, algo extraordinário ocorreu. O que os dois pilotos e seu passageiro acordado viram nos céus a cerca de 32 quilômetros a sudoeste de Montgomery, no Alabama, fez mais do que assustá-los. Segundo consta, isto se tornaria o catalisador de um documento altamente secreto da Força Aérea, sugerindo que alguns objetos voadores não identificados eram naves espaciais de outros mundos – um ponto de inflexão na história dos OVNIs.

Chiles descreveu o que viu em um comunicado oficial cerca de uma semana depois:

Ficou claro que não havia asas presentes, que era alimentado por um jato ou outro tipo de energia, disparando chamas atrás a cerca de 15 metros. Havia duas fileiras de janelas, que indicavam um convés superior e inferior, e de dentro dessas janelas brilhava uma luz muito intensa.

Debaixo da nave havia um brilho luminoso azul.

Ele estimou ter visto a nave por cerca de 10 segundos antes que ela desaparecesse em algumas nuvens claras e fosse perdida de vista.

Whitted ofereceu uma descrição similar em sua declaração oficial:

O objeto tinha a forma de charuto e parecia ter cerca de trinta metros de comprimento. A fuselagem parecia ter cerca de três vezes a circunferência de uma fuselagem B-29. Tinha duas filas de janelas, uma superior e uma inferior. As janelas eram muito grandes e pareciam quadradas. Elas eram brancos com luzes que pareciam ser causados ​​por algum tipo de combustão… Eu perguntei ao Capitão Chiles o que tínhamos acabado de ver e ele disse que não sabia.

O passageiro que estava acordado na época, Clarence L. McKelvie de Columbus, Ohio, corroborou os relatos dos pilotos de que um objeto excepcionalmente brilhante tinha passado pela sua janela, mas ele não foi capaz de descrevê-lo além disso.

A interpretação de Chiles sobre o que ele viu na noite de 24 de julho de 1948. Arquivo do Projeto Blue Book

Ambos os pilotos também fizeram desenhos da nave que acreditavam ter visto e forneceram mais detalhes em entrevistas aos jornais e rádios, algumas horas após o avistamento. O jornal The Atlanta Constitution  lançou a manchete de 25 de julho, “Atlanta Pilots Report Wingless Sky Monster” (Pilotos de Atlanta Reportam Monstro Celeste Sem Asas). Nesse artigo, Chiles descreveu o que parecia ser um encontro desconfortavelmente imediato, já que o objeto parecia estar vindo em direção deles.

Viramos para a esquerda e ele virou para a esquerda e passou cerca de 700 pés (210 m) à nossa direita e cerca de 700 pés acima de nós. Então, como se o piloto tivesse nos visto e quisesse nos evitar, ele parou com uma tremenda explosão de chamas de sua parte traseira, e subiu para as nuvens.

Chiles e Whitted não foram os únicos que ficaram confusos com o que viram

Questionado sobre o comentário, William M. Allen, presidente da Boeing Aircraft, disse à ‘United Press‘ que “tinha certeza” de que “não era um de nossos aviões”, acrescentando que não sabia de nada construído nos EUA que correspondesse à descrição. O general George C. Kenney, chefe do Comando Aéreo Estratégico, responsável pela maior parte das forças nucleares norte-americanas durante a Guerra Fria, disse à Associated Press:

O Exército não tem nada disso.

Eu gostaria que tivéssemos.

O que quer que Chiles e Whitted tenham testemunhado, o que presenciaram estava longe de ser um incidente isolado. Houve dezenas de avistamentos de OVNIs relatados nos anos anteriores. Mas os investigadores da Força Aérea levaram este avistamento mais a sério do que a maioria. Por um lado, os dois homens eram pilotos altamente considerados que haviam servido como oficiais da Força Aérea durante a Segunda Guerra Mundial. (McKelvie também era um cidadão sólido e um veterano da Força Aérea.) Além disso, os pilotos tinham conseguido o que parecia ser um olhar incomumente próximo do estranho objeto que descreviam.

Por todas essas razões, o encontro de Chiles-Whitted, como veio a ser conhecido, supostamente fez com que o Centro de Inteligência Técnica Aérea redigisse um documento ultrassecreto com o título enganosamente suave “Estimate of the Situation. (Estimativa da Situação). Edward J. Ruppelt, um oficial da Força Aérea e o primeiro chefe de seu famoso Project Blue Bookstudy of UFO phenomena, afirmou ter visto uma cópia.

Ele escreveu:

“A ‘situação’ era os OVNIs; a ‘estimativa’ era que eles eram interplanetários!

De acordo com Ruppelt, o relatório percorreu a cadeia de comando da Força Aérea até o general Hoyt S. Vandenberg, chefe de gabinete.

Ruppelt escreveu:

O general não estava convencido de que eram veículos interplanetários. Um grupo da ATIC foi ao Pentágono para reforçar sua posição, mas não teve sorte, o Chefe de Gabinete não pôde ser convencido.

Ruppelt continuou:

A estimativa morreu rapidamente. Alguns meses mais tarde, foi totalmente desclassificado e relegado ao incinerador. ”

Interpretação de Whitted do que viu na noite de 24 de julho de 1948. Arquivo do Projeto Blue Book

Uma razão para o ceticismo de Vandenberg, aparentemente, foi que outra facção dentro da Força Aérea tinha uma teoria concorrente: os OVNIs não eram interplanetários, mas a obra do inimigo da Guerra Fria, a União Soviética. Em outro relatório ultra-secreto datado de dezembro de 1948, a Força Aérea sugeriu várias razões pelas quais os soviéticos poderiam estar por detrás de tal esquema, inclusive o reconhecimento fotográfico, testando as defesas aéreas dos EUA e minando a confiança dos EUA e da Europa na bomba atômica. Os soviéticos não conseguiram sua própria bomba atômica até o final de agosto de 1949.

A supressão da “Estimativa da Situação” e a rejeição de qualquer explicação extraterrestre foi o começo de “um longo período de infelizes relações públicas amadoras” sobre a parte da Força Aérea, afirmou o astrônomo J. Allen Hynek em seu livro de 1972, The UFO Experience. Hynek, que trabalhou no Smithsonian Astrophysical Observatory rastreando satélites espaciais e mais tarde se tornou professor na Northwestern University, foi o consultor astronômico oficial do Projeto Blue Book, bem como o homem que desenvolveu o sistema de classificação de avistamentos de OVNIs que originou a frase “Encontros Imediatos do Terceiro Grau.”

Hynek escreveu:

A insistência no sigilo oficial e frequente ‘classificação’ de documentos dificilmente era necessária desde que o Pentágono declarasse que o problema realmente não existia.

Ruppelt sustentou que o desajeitamento burocrático, em vez da fraude deliberada, era o principal problema da Força Aérea. “Mas se a Força Aérea tentava lançar uma tela de confusão, eles não poderiam ter feito um trabalho melhor”, acrescentou ele. Em parte por causa dessa falta de transparência, o incidente de Chiles-Whitted continua sendo um dos mais controversos avistamentos de OVNIs – e um dos favoritos dos teóricos da conspiração até agora.

Então, o que Chiles e Whitted realmente viram? Alguns sugeriram um balão meteorológico, outros uma miragem. Hynek acreditava que era uma bola de fogo, ou um meteoro muito brilhante, uma opinião que acabou se tornando o veredicto oficial da Força Aérea. Quanto às janelas iluminadas que ambos os pilotos afirmam ter visto, alguns especialistas sugerem que poderia ter sido um fenômeno chamado de ‘efeito de dirigível’, onde os observadores que vêem um grupo de luzes não relacionadas no céu são enganados e pensam que são parte do mesmo objeto.

Mas Chiles e Whitted aderiram à sua história. James E. McDonald, físico da Universidade do Arizona e especialista em OVNIs, disse que os entrevistou em 1968, cerca de 20 anos após o evento. Os dois agora eram pilotos de jatos da Eastern Air Lines, e continuaram acreditando que o que tinham visto era algum tipo de veículo aerotransportado, informou McDonald.

Além disso, Whitted adicionou um detalhe novo e intrigante à história. Embora os relatos na época dissessem que o objeto havia desaparecido nas nuvens ou simplesmente fora de sua visão, ele supostamente disse ao McDonald que não foi o que realmente aconteceu. Em vez disso, o objeto desapareceu instantaneamente, bem diante de seus olhos.

Não admira que o caso Chiles-Whitted continue a confundir e intrigar, mesmo 70 anos depois.

(Fonte)

Colaboração: SENAM


Interessante como os céticos inventam as razões mais absurdas possíveis, mesmo quando pessoas fidedignas relatam ter visto um OVNI. Fácil  para eles falarem asneiras, pois não estavam lá.

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh