web analytics

A importância de manter os OVNIs em segredo

Praticamente todos os leitores que têm acompanhado as notícias aqui no OH – por pelo menos alguns meses – já sabem que o fenômeno dos OVNIs é indiscutivelmente real e até mesmo já foi comprovado por representantes do governo dos Estados Unidos. E, defato, aquele governo ainda possui projetos que continuam a estudar este fenômeno. Mas, o que muitas pessoas não compreendem é porque os governos tentam ocultar este fenômeno. 

Bem, há várias razões para tal, que vão desde o impacto que isto poderia causar nas religiões mundias e na ordem pública, até a possibilidade da revelação dessas tecnologias impactar diretamente e destruir todas as estruturas tradicionais e ultrapassadas de geração de energia em nosso planeta, como a indústria petrolífera, sendo que estas são de “posse” dos “donos do mundo”, os quais poderiam ter perdas financeiras enormes. Certamente eles não iriam gostar disso e provavelmente estão fazendo de tudo para manter estas tecnologias afastadas da população em geral.

Mas há também uma outra possível razão, a qual é explicada no artigo abaixo:

A importância de manter os OVNIs em segredo

O Projeto Manhattan foi um empreendimento de pesquisa e desenvolvimento durante a Segunda Guerra Mundial, que produziu as primeiras armas nucleares. Ele foi liderado pelos Estados Unidos com o apoio do Reino Unido e do Canadá. O projeto foi altamente classificado e por um bom motivo.

O mundo descobriu suas capacidades destrutivas quando as primeiras bombas atômicas foram lançadas no Japão em 1945. Até então, o mundo estava completamente no escuro, exatamente como o governo dos Estados Unidos pretendia.

O segredo por detrás desse projeto era necessário para que ele fosse eficaz contra seus inimigos.

A alegação de muitos céticos é a de que os governos não podem guardar segredos. No entanto, o Projeto Manhattan é somente um exemplo que mostra que há patriotas que sabem quando ficar calados sobre material confidencial e sigiloso. Particularmente as pessoas encarregadas de soltar as bombas.

O Esquadrão de Bombardeios 509 traça sua história para o 509th Composite Group (509 CG) da Segunda Guerra Mundial, que conduziu os bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, em agosto de 1945.

O grupo era um dos dez grupos originais de bombardeio do Comando Aéreo Estratégico. A unidade foi ironicamente também a organização anfitriã no Roswell Army Airfield, Novo México, em julho de 1947, do incidente de OVNI de Roswell. Eles não haviam sido informados sobre OVNIs e, naquele momento, podemos estimar que isso ainda não era algo secreto.

Duas supostas espaçonaves desceram nas áreas de Roswell e Corona em julho de 1947. Os destroços desses incidentes foram exibidos na mídia como sendo um balão meteorológico padrão que o esquadrão de bombas 509 aparentemente não conseguiu distinguir.

Então, em 1994, após pressão do presidente Clinton, um relatório do caso da força aérea afirmou que não era um balão meteorológico padrão, mas um balão feito de ‘Mylar‘, usado para detectar explosões nucleares na atmosfera da Rússia.

Os corpos ‘alienígenas’ foram declarados no relatório como sendo bonecos de teste de colisão em incidentes, mal interpretados, em incidentes separados das reivindicações originais do balão. Confuso, para dizer o mínimo.

No entanto, apesar das declarações estranhas por aquela força militar, você pode entender a necessidade de sigilo num momento em que o mundo estava entrando na era nuclear. A Guerra Fria estava surgindo entre os Estados Unidos e a Rússia.

Qualquer compreensão de novas tecnologias avançadas era classificada como sendo altamente secreta.

A mesma importância relativa ao sigilo e classificação foi estendida ao que conhecemos como ‘OVNIs’.

Os objetos voadores não identificados frequentemente são associados pela cultura pop às naves espaciais extraterrestres, devido ao seus desempenhos avançados.

Para resolver a questão, o governo dos Estados Unidos criou três programas distintos para investigar oficial e abertamente os fenômenos.

Projeto Sign: 1947-1948

O Projeto Sign foi um estudo oficial do governo dos EUA sobre objetos voadores não identificados (OVNIs), realizado pela Força Aérea dos Estados Unidos e ativo na maior parte de 1948.

O relatório final do Projeto Sign, publicado no início de 1949, afirmava que, embora alguns OVNIs parecessem representar aeronaves reais, não havia dados suficientes para determinar sua origem.

Projeto Grudge: 1948-1951

O Projeto Grudge foi um projeto de curta duração da Força Aérea dos EUA para investigar objetos voadores não identificados (OVNIs). Grudge sucedeu o Projeto Sign em fevereiro de 1949, e foi seguido pelo Projeto Blue Book.

O projeto terminou formalmente em dezembro de 1949, mas continuou em capacidade mínima até o final de 1951.

Projeto Blue Book: 1952-1969

O Projeto Blue Book foi parte de uma série de estudos sistemáticos de objetos voadores não identificados (OVNIs) conduzidos pela Força Aérea dos Estados Unidos. Tudo começou em 1952, e foi o terceiro estudo do tipo (os dois primeiros foram os projetos Sign (1947) e Grudge (1949)).

Uma ordem de rescisão foi dada para o estudo em dezembro de 1969, e todas as atividades sob seus auspícios cessaram em janeiro de 1970.

O Projeto Blue Book tinha dois objetivos:

1. Determinar se os OVNIs eram uma ameaça à segurança nacional, e

2. Analisar cientificamente os dados relacionados aos OVNIs.

Milhares de relatórios de OVNIs foram coletados, analisados ​​e arquivados.

Como resultado do Relatório Condon (1968), que concluiu que não havia nada anômalo sobre OVNIs, o Projeto Blue Book foi encerrado em dezembro de 1969.

Oficialmente, com o alegado fechamento do Projeto Blue Book, em 1969, os Estados Unidos não mais estudavam ‘OVNIs’.

No entanto, com os artigos do New York Times de 16 de dezembro de 2017, aprendemos que os projetos que estudam os fenômenos continuaram no nível de classificação.

O líder da maioria no senado dos EUA, Harry Reid, autorizou o financiamento de um programa especializado para investigar oficialmente os fenômenos a partir de 2007.

Advanced Aerospace Weapons System Application Program – AAWSAP (Programa Avançado de Aplicação de Sistema de Armas Aeroespaciais e o Advanced Aerospace Threat Identification Program – AATIP (Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais) investigaram oficialmente fenômenos aéreos não identificados (FANIs) que são comumente conhecidos como ‘OVNIs’.

O detalhes ainda são retidas pelo Departamento de Defesa (DOD) devido aos dados classificados como secretos dentro desses projetos.

Então, por que o DOD oficialmente manteve esses projetos em segredo?

Luis Elizondo, que foi o diretor do AATIP, afirmou que existe muito segredo para evitar que informações estratégicas caiam em mãos inimigas.

A tecnologia avançada obtida com esses tipos de estudos (como no Projeto Manhattan) deve ser mantida em segredo. O Departamento de Defesa tem estado livre para pesquisar os fenômenos sem medo de adversários estrangeiros ganharem vantagem.

Todos nós podemos compreender o sigilo por trás de um fenômeno sensível, como a questão dos OVNIs, desde que haja um plano para inserir os benefícios de tal pesquisa na ajuda do desenvolvimento e a compreensão humana.

(Fonte)


n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh