web analytics

O exoplaneta mais próximo da Terra pode ser habitável

O exoplaneta mais próximo da Terra pode ser habitável

Representação artística de Proxima Centauri b.

Somente a um pulo cósmico, um planeta do tamanho da Terra orbita a estrela mais próxima do Sol, Proxima Centauri.

Desde a descoberta do exoplaneta – conhecido como Proxima Centauri b – em 2016, as pessoas se perguntam se ele pode ser capaz de sustentar a vida.

Agora, usando modelos similares aos usados ​​para estudar a mudança climática na Terra, os pesquisadores descobriram que, sob uma ampla gama de condições, o planeta Proxima Centauri b pode sustentar enormes áreas de água líquida em sua superfície, potencialmente aumentando suas perspectivas de organismos vivos.

“A principal mensagem de nossas simulações é que há uma boa chance de que o planeta seja habitável”, disse Anthony Del Genio, cientista planetário do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA, em Nova Iorque. Del Genio é também o autor principal de um artigo descrevendo a nova pesquisa, que foi publicado em 5 de setembro na revista Astrobiology.

Proxima Centauri é uma pequena estrela anã vermelha localizada a apenas 4,2 anos-luz do Sol. Apesar de sua proximidade, os cientistas ainda sabem muito pouco sobre o companheiro planetário de Proxima Centauri, além de que sua massa é pelo menos 1,3 vezes a da Terra e que gira em torno de sua estrela mãe a cada 11 dias. Portanto, Del Genio e seus colegas tiveram que fazer algumas suposições razoáveis ​​sobre o exoplaneta Proxima Centauri b – ou seja, que ele tinha uma atmosfera e um oceano em sua superfície – para que seu trabalho prosseguisse.

Proxima Centauri b orbita na zona habitável de sua estrela, o que significa que está a uma distância correta para receber luz estelar suficiente para manter sua superfície acima da temperatura de congelamento da água. Mas esta zona é extremamente próxima da estrela, informou Space.com, um site irmão da Live Science. Portanto, é provável que o planeta tenha se tornado travado, devido a forças gravitacionais. Isso significa que o mesmo lado de Proxima Centauri sempre esta apontado para sua estrela-mãe, da mesma forma como a Lua sempre mostra o mesmo lado para a Terra.

As simulações anteriores publicadas em um artigo de 2016 na revista Astronomy & Astrophysics modelavam uma atmosfera hipotética em Proxima Centauri b e sugeriam que o hemisfério do exoplaneta voltado para a estrela poderia ser queimado sob um brilho intenso, enquanto um oceano voltado para o espaço seria congelado. Portanto, apenas um círculo de mar quente pode existir em Proxima Centauri b – um cenário que a equipe de Del Genio chama de “eyeball Earth” (algo como globo ocular da Terra) .

Mas as novas simulações foram mais abrangentes que as anteriores; elas também incluíam um oceano dinâmico e circulante, que conseguia transferir calor de um lado do exoplaneta para o outro de forma muito eficaz. Nas descobertas dos pesquisadores, o movimento da atmosfera e do oceano se combinou de forma que “mesmo que o lado da noite nunca veja nenhuma luz estelar, há uma faixa de água líquida que se sustenta ao redor da região equatorial”, disse Del Genio à Live Science.

Ele comparou essa circulação de calor aos climas à beira-mar de nosso próprio planeta. A costa leste dos EUA é mais morna do que seria de outra forma, disse ele, porque a corrente do Golfo transporta água quente dos trópicos. Na Califórnia, por outro lado, as correntes oceânicas trazem água fria do norte, e a costa oeste é mais fria, acrescentou Del Genio.

A equipe executou 18 cenários de simulação separados no total, observando os efeitos de continentes gigantes, atmosferas rarefeitas, diferentes composições atmosféricas e até mesmo mudanças na quantidade de sal no oceano global. Em quase todos os modelos, Proxima Centauri b acabou tendo um oceano aberto que persistiu em pelo menos parte de sua superfície.

Del Genio disse:

Quanto maior a fração do planeta com água líquida, melhores as chances de que, se houver vida lá, possamos encontrar evidências dessa vida com futuros telescópios.

Ravi Kopparapu, um geocientista do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, que não esteve envolvido no estudo, concordou.

“Acho empolgante que alguns desses resultados climáticos possam ser observados”, disse Kopparapu à Live Science. Instalações de próxima geração, como o Extremely Large Telescope (Telescópio Extremamente Grande) atualmente em construção no Chile, poderão testemunhar o calor saindo de Proxima Centauri b, e diferenciar suas possíveis condições de superfície, acrescentou.

(Fonte)

Colaboração: Lênio


Este é somente um planeta de bilhões lá fora em nossa galáxia; isto sem contar que há bilhões, quiçá trilhões de galáxias em nosso Universo visível aqui da Terra.

E há quem acredita que só há vida na Terra.

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh