web analytics

Os ETs nórdicos andam entre nós? Alguns casos intrigantes

Os ETs nórdicos andam entre nós

Num site americano onde as pessoas podem dar testemunho de suas experiências com OVNIS/aliens, encontrei um relato interessante:

Depoimento da testemunha, que não quis se identificar

Eu nunca contei a ninguém sobre isso, mas já que vocês estão compartilhando suas histórias, tomei coragem para contar minha experiência.

Eu tinha cerca de 6 anos e meu pai e eu nos separamos, enquanto passávamos pelo museu Page, em Los Angeles. Entrei em um quarto dos fundos, onde três pessoas de cabelos loiros estavam sentadas em uma mesa, de frente para mim.

Eles eram muito altos e usavam roupas muito justas. Eles me perguntaram se eu queria voltar para o planeta deles ou ficar com minha família atual!!!!

Eu pensei sobre isso e decidi ficar na terra. Então saí da sala para procurar meu pai. Às vezes me pergunto o que teria acontecido se eu escolhesse deixar a terra…”.

(Fonte)

Investigador de OVNIs Timoty Goood relatou

Em fevereiro de 1967, eu tocava com a London Symphony Orchestra, em Nova Iorque, para uma série de concertos no Carnegie Hall com Mstislav Rostropovich, o grande violoncelista russo.

Eu tinha acabado de voltar do meu primeiro encontro com Madeleine Rodeffer, uma colaboradora próxima de Adamski. Em 26 de fevereiro de 1965, Adamski havia filmado uma nave em 8 mm, descrevendo uma série de manobras.

Madeleine contou-me que tivera vários encontros com alienígenas que viviam na área de Washington, DC, e sugeriu que, no meu retorno a Nova Iorque, eu tentasse iniciar um contato telepaticamente. Então, naquele final de tarde, entre um ensaio e um concerto, sentei-me no saguão do Park-Sheraton Hotel, na 56th Street, na Sétima Avenida, e transmiti um pedido telepático:

“Se algum de vocês, de outros mundos, estiver em Nova York ou próximo, por favor venha e sente-se bem ao meu lado e prove.”

Para minha surpresa, após cerca de meia hora, um homem entrou no saguão, cuja conduta me despertou curiosidade. Estava vestido com um terno cinza, camisa branca e gravata escura. Ele poderia ter se passado por um homem de negócios da Madison Avenue. Usava óculos de aros e parecia ter cerca de trinta e cinco anos de idade e um metro e oitenta e cinco de altura, com cabelos louros levemente encaracolados, pele morena e feições perfeitamente proporcionadas. Sentou-se ao meu lado, tirou uma cópia do The New York Times do bolso do terno e virou as páginas de maneira deliberada e superficial. Depois que ele redobrou o papel, eu perguntei a ele telepaticamente se ele realmente era de outro planeta, e se sim, “por favor confirme isso colocando seu dedo indicador direito no lado direito do nariz”. Me lembro de pedir a ele para manter o dedo no nariz por um tempo. Mal eu transmiti o pensamento, ele fez exatamente isso!!!

Tentei mais telepatia, mas nenhuma confirmação adicional estava por vir. Eventualmente ele se levantou, caminhou até algumas vitrines, e então me olhou diretamente, sério, antes de sair do hotel para a Sétima Avenida. Eu nunca mais o vi.

Muitas vezes me perguntam por que não tentei envolvê-lo em uma conversa. Mas presumo que se uma conversa tivesse ocorrido naquele dia, isso dependeria dele, pois ele parecia estar no controle da situação…

 

Relato de David Hughes-Narborough – artista londrino (retratista) que também teve uma experiência bem interessante, como relata

Fui inspirado por uma entrevista de Timothy Good, na qual ele descreve uma experiência de contato telepático que teve no final dos anos sessenta. Decidi fazer um experimento similar em 1991. Eu estava esperando por um trem na estação ferroviária de Charing Cross, em Londres, e pensei que era um bom momento para tentar entrar em contato com esses seres que dizem estar vivendo entre nós disfarçados.

Perguntei mentalmente então: “Se houver algum ser de outros lugares, nas proximidades da estação Charing Cross, poderia vir e provar isso?”

Depois de me concentrar por cerca de meia hora, embarquei em meu trem e não pensei mais nisso. Percebi que o vagão estava cheio pois era a hora do rush. Por isso achei estranho que ninguém estava interessado em sentar-se no assento disponível diretamente em frente a mim, na janela.

Pouco antes do trem partir, um homem entrou no trem e imediatamente sentou-se nesse banco vazio bem na minha frente. Eu notei que ele estava vestido com um terno colorido. Ele tinha cerca de seis pés (1,80 m), cabelos loiros curtos, os olhos azuis.

Embora eu não tivesse feito nenhuma conexão com o fato dele ser um desses seres extras nesse momento, notei que ele estava agindo estranhamente, observando as outras pessoas no trem. Ele, às vezes, se virava para olhar para as outras pessoas sentadas atrás. Ele então se inclinou para frente e começou a observar suas próprias mãos, o que eu também achei incomum. Foi neste ponto que ocorreu-me que ele poderia ser um desses “seres”.

Então eu mentalmente pedi a ele: “Se você é um ser de outro lugar, coloque seu dedo indicador direito no lado direito do nariz”.

Assim que perguntei telepaticamente, ele respondeu fazendo exatamente isso. Muito devagar e cuidadosamente colocando o dedo no nariz, segurando-o por algum tempo.

Perguntei se ele poderia fazer vários outros gestos para confirmar se ele era de outro mundo, mas ele não respondeu a isso. A única outra vez que ele respondeu exatamente da mesma maneira, tocando o dedo no nariz foi quando eu perguntei se ele se “era um dos seres responsáveis pelo fenômeno dos círculos nas plantações?”

À medida que a viagem se aproximava, pensei: “Não estou convencido de que você é de outro mundo, pois você poderia estar colocando o dedo no nariz por coincidência”.

Eu então fiz a pergunta novamente em minha mente, “Se você é de outro mundo, por favor toque em seu estojo (ou algo parecido que ele carregava) três vezes?”.

Com as duas mãos em seu estojo, ele balançou ligeiramente a cabeça, e então começou a bater com ambas as mãos firmemente, uma vez … duas vezes … três vezes. Ele parou por um momento, bateu novamente uma vez … duas vezes … três vezes. Então, mais uma vez, pausou, depois bateu uma vez … duas vezes … três vezes, finalmente. Três conjuntos de três no total. Ele então se virou e olhou diretamente para mim.

Até este ponto, eu não tinha estabelecido contato visual direto com ele. Ao fazê-lo, notei que seu rosto era simetricamente perfeito, seus olhos ligeiramente inclinados e azul pálido, com manchas de violeta nas íris. Os ossos da face estavam bem dispostos. Comecei a perceber a enormidade da experiência pela primeira vez, enquanto eu olhava para os olhos do homem.

Eu estava pensando em tentar falar verbalmente com ele, mas depois de cerca de vinte segundos meu trem chegou ao destino. Devido a ficar um pouco atordoado com a experiência, quebrei o olhar e sai do trem.

Uma vez que voltei para casa, decidi fazer um desenho detalhado do homem em retrato e perfil. Eu também anotei nessa folha de papel tantos detalhes quanto possível da experiência. Algum tempo depois, percebi que o papel que eu tinha feito os desenhos havia desaparecido. Procurei mas não encontrei nada, comecei a procurar por toda a casa. Até hoje não encontrei.

Alguns meses depois, no que acredito ser uma experiência relacionada, vi uma nave no céu. Uma noite eu precisava de uma ferramenta da minha garagem. Ao apanhar a caixa de ferramentas, notei pelo canto do meu olho algo que se movia no céu. Eu primeiro pensei que podia ter sido um morcego, então eu sai para fora da garagem, para ter uma visão melhor.

Baixo no céu, presenciei um grande objeto de forma oval, com uma centena de metros de diâmetro. O objeto tinha uma seção superior em azul e uma fileira de janelas circulares no meio. A metade inferior era de cor laranja, e eu podia ver claramente uma luz pulsante vermelha ligada à sua parte inferior. O objeto era translúcido, tinha um brilho e era semi-transparente.

Depois de alguns segundos, ele se moveu a uma velocidade incrível em todo o meu campo de visão esquerdo, eu diria que parecia estar a cerca de meia milha de distância (800 m).

De repente, parou de piscar, e então ficou mais claro em contraste. Tornou-se sólido, e então continuou a tornar-se mais brilhante até que houve um flash de luz e desapareceu. Ele basicamente pareceu mostrar características de uma nave interdimensional.

(Fonte)

Esse é um relato incrível, de alguém que não acreditava em OVNIS, ETs,  mas resolveu verificar se havia algo real por ai… e as experiências dele foram incríveis…

O mais interessante é que ele descreve o suposto nórdico como tendo olhos inclinados, puxados… E isso está de acordo perfeitamente com a casuística, pois é uma característica bastante comum em vários relatos de encontro com tipos nórdicos – embora muitos seja descritos como louros e olhos puxados, também há outros com cabelo preto e olhos puxados (dentre outros casos, o Karran do caso Hermínio e Bianca)… e há ainda os louros com cabelo quase branco e com olhos não inclinados, porém bem maiores do que os nossos.

PREDADOR

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh