web analytics

As crianças podem ser a chave da comunicação com extraterrestres

crianças podem ser a chave da comunicação com extraterrestres

Num hipotético primeiro contato, as criancinhas podem ser nossa melhor esperança

Como você ensina uma língua que ninguém fala ou jamais ouviu? Essa é a primeira pergunta que Sheri Wells-Jensen, professora de linguística da Universidade Estadual de Bowling Green (EUA), teve que responder enquanto projetava o currículo de seu curso de xenolinguística – o estudo das línguas alienígenas.

Ela informou:

O problema de não ter uma língua alienígena existente não é realmente um problema. Se recebermos uma [mensagem], seria bom se algumas pessoas tivessem pensado nisso antes do tempo. Você precisa se preparar. Nós poderíamos fazer o primeiro contato amanhã. Nós não sabemos.

Se nós fizermos o primeiro contato amanhã, diz Sheri Wells-Jensen, o primeiro instinto da humanidade provavelmente seria encontrar os linguistas mais prestigiados e bem-educados ao redor e “levá-los à nossa base secreta”, à la Dra. Louise Banks, personagem de Amy Adams no filme A Chegada, de 2016. No filme, quando 12 OVNIs aparecem em locais ao redor do globo, Banks é chamada pelo Exército dos EUA para ir para a espaçonave que está no estado de Montana, a fim de decifrar a língua dos alienígenas e descobrir o que eles querem. É Hollywood, claro, então é preciso apenas uma montagem ou duas antes que ela fique fluente.

Se o mundo realmente recebesse visitantes alienígenas, provavelmente começaríamos a tentar nos comunicar de maneira semelhante às formas com que eles fazem no filme – usando imagens e muitos apontamentos e gestos, para estabelecer um vocabulário básico de palavras simples e descritores. Mas, ao contrário das representações no filme A Chegada, nossa melhor esperança de aprender a se comunicar de maneira rápida e eficaz pode não ser o caso dos linguistas estudados do mundo. Em vez disso, podemos apostar nos melhores alunos do nosso planeta: as criancinhas.

Mas primeiro, de volta para os especialistas adultos. Como você ensina algo verdadeiramente alienígena? É impossível, diz Wells-Jensen, mas podemos começar com o básico.

Para estudar o hipotético, a classe universitária de Wells-Jensen em xenolinguística discute a relação entre linguagem e pensamento e os tipos de construção de mensagens comuns nas línguas da Terra. Eles também analisam o que as linguagens da Terra não fazem, mas também o que provavelmente poderíamos lidar. Os seres humanos exibem uma habilidade extraordinária de se comunicar, e quando se trata de se comunicar com alienígenas, Wells-Jensen diz que há muito potencial – desde que seu estilo seja pelo menos um pouco “popular”.

Por exemplo, muitos dos nossos métodos de comunicação são ditados pelos nossos corpos e pela forma como manipulamos o mundo físico à nossa volta. Se os alienígenas tivessem algo parecido com as mãos – e, de preferência, um rosto que pudesse direcionar a atenção para um objeto – poderíamos ter uma chance de nos entendermos.

Ela disse:

Poderíamos aprender uma linguagem humana e poderíamos aprender uma linguagem em forma de coelho, mas provavelmente não poderíamos aprender a linguagem de bolhas de açúcar hiperinteligentes.

Há também uma boa possibilidade de que o veículo transmissor de um idioma alienígena não seja bom. No filma A Chegada, os alienígenas fictícios se comunicam através de recursos visuais, “falando” em emissões gasosas circulares que representam frases completas. Se a mídia em um cenário de primeiro contato for algo que não conseguimos reproduzir, Wells-Jensen reconhece que isso representaria um problema bastante sério. E se a linguagem deles fosse flutuações químicas ou magnéticas? E se fosse muito alta ou baixa para ouvirmos? Há muitos “se’s”, ela diz.

Na realidade, provavelmente não teremos nenhuma ideia de como os seres extraterrestres se parecem ou soam quando ouvirmos deles pela primeira vez, diz Wells-Jensen, que trabalhou com especialistas do instituto de astrociência Messaging Extraterrestrial Intelligence, ou METI, (formado por um ex-diretor da Busca por Inteligência Extraterrestre, ou SETI, que se separou para se concentrar mais em falar com os extraterrestres, não apenas em ouvir). Com toda a probabilidade, o primeiro contato será uma mensagem transmitida a anos-luz de distância, recolhida por alguém de uma organização como o METI.

Sheri Wells-Jensen, disse:

Receberemos um sinal de rádio, as pessoas ficarão realmente empolgadas e, então, tudo acabará. Vamos descobrir como enviar uma resposta de volta, e então teremos que esperar 50 anos para ver se funcionou.

Mas, como todos os astrolinguistas, Wells-Jensen navega em hipóteses, então ela está feliz em entreter idéias sobre o que aconteceria se a vida imitasse a arte e isso acontecesse como Hollywood imagina. Então, e se os alienígenas viessem à Terra? E eles tivesse uma linguagem que pudéssemos compreender e reproduzir, e corpos que lhes permitissem manipular nosso ambiente? E estivéssemos razoavelmente certos de que eles não nos comeriam, ou de outra forma nos destruiriam?

Presumindo que todas essas hipóteses estejam satisfeitas, isso nos traz de volta aos bebês. A melhor coisa que os terráqueos poderiam fazer para aprender uma língua alienígena nesse cenário seria enviar crianças que estão aprendendo a falar. Como essa era abrange o momento do pico da neuroplasticidade nos seres humanos – um período no qual um dos principais focos do cérebro é descobrir como dar e receber informações – essas crianças são candidatas perfeitas para escolher padrões que até adultos experientes podem perder.

Os bebês começam a reconhecer a fala como uma forma de comunicação quando atingem cerca de 4 meses de idade e começam a aprender a língua rápida e furiosamente. Nesse ponto, eles são capazes de ouvir e reproduzir cada som individual – chamado fonema – usado em todos os 6.500 idiomas da Terra. Porque perdemos essa capacidade na adolescência ou antes, as crianças pequenas são capazes de aprender a pronunciar os fonemas de uma segunda língua sem nenhum sotaque, algo que a maioria dos adultos não consegue fazer.

Catharine Echols, professora da Universidade do Texas, que estuda a aquisição da linguagem, diz que crianças muito pequenas não só são capazes de se tornar fluentes em uma língua a um grau impossível para adultos, mas também são muito mais flexíveis em termos de que sons elas classificarão como linguagem. Essa flexibilidade pode realmente ser útil quando encontramos sons que podem não existir na Terra.

Echols aponta para estudos que mostram que crianças de 13 meses de idade que estão aprendendo palavras estão mais dispostas a associar sons não linguísticos – como um sinal sonoro, sinal ou tom – com a descrição de um objeto, enquanto crianças mais velhas favorecem cada vez mais a fala. Mas a janela é pequena e esse tipo de maleabilidade do cérebro não dura.

Echols informou:

Aos 20 meses, as crianças não aceitam um apito ou um som de gaita como rótulo para um objeto. Elas só aceitam palavras.

Se pudéssemos ter humanos de 15 meses em uma sala com alienígenas, seus cérebros analíticos, teoricamente, lhes dariam uma vantagem ao decifrarem uma linguagem desconhecida em suas partes básicas e estruturas gramaticais. Muitos linguistas tradicionais acreditam que o aprendizado de idiomas diz respeito principalmente ao reconhecimento de padrões e regularidades na fala, e isso é algo que as crianças jovens estão preparadas para fazer muito bem.

Echols ainda disse:

Devemos ser capazes de aprender qualquer tipo de comunicação que tenha algum tipo de estrutura para isso. Para reconhecer um sistema, você precisa dividi-lo em suas partes componentes e, em parte porque suas memórias não são tão boas, as crianças podem ser ainda melhores em se concentrar nesses pequenos pedaços.

Se depender de humanos que nem sequer podem ainda usar um banheiro de forma confiável para descobrir como se comunicar com uma espécie extraterrestre soa ridículo, bem, isso é porque é. Mas todo o estudo da vida alienígena – assim como os impactos culturais, teológicos e econômicos do primeiro contato – depende de teorias totalmente desatualizadas na realidade como a conhecemos. E entender o desconhecido, diz Wells-Jensen, requer pensar fora do quadrado.

Se nos deparamos com a solução de um problema que sabemos ser realmente difícil e que afeta toda a raça humana, não podemos tentar apenas uma coisa, disse ela. Temos que tentar coisas que consideramos estúpidas – aceitar o brilho, a criatividade e a sabedoria de onde quer que elas surjam.

Ela diz:

Fazer algo tão difícil e tão importante exigirá nossos melhores e mais graciosos “eus“, então é melhor começarmos a nos preparar. É perigoso, bonito e impossível, e pode acontecer a qualquer momento.

(Fonte)

Colaboração: Maurício Lima


Ainda aposto que mesmo se recebermos um sinal inteligente vindo de fora, o fato não será divulgado para nós “meros mortais”.

De qualquer forma, há muita gente que diz que ‘eles’ já estão aqui e se comunicando com poucos escolhidos.

A verdade um dia virá à tona… esperemos que seja em breve.

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh