web analytics

Nova “Terra” é descoberta a 500 anos-luz de nós

Nova "Terra" é descoberta a 500 anos-luz de nós

Um novo estudo do Instituto de Tecnologia da Geórgia fornece novas pistas indicando que um exoplaneta a 500 anos-luz de distância é muito parecido com a Terra. O Kepler-186f é o primeiro planeta identificado do tamanho da Terra fora do sistema solar que orbita uma estrela na zona habitável. Isso significa que é a distância adequada da estrela hospedeira para a água líquida se acumular na superfície.

O estudo da Georgia Tech usou simulações para analisar e identificar a dinâmica do eixo de rotação do exoplaneta. Essas dinâmicas determinam o quanto um planeta se inclina em seu eixo e como esse ângulo de inclinação evolui com o tempo. A inclinação axial contribui para as estações do ano e o clima, porque afeta como a luz solar atinge a superfície do planeta.

Os pesquisadores sugerem que a inclinação axial do Kepler-186f é muito estável, muito parecida com a da Terra, tornando provável que tenha estações regulares e um clima estável. A equipe da Georgia Tech acha que o mesmo vale para o Kepler-62f, um planeta super-terrestre que orbita em torno de uma estrela a cerca de 1.200 anos-luz de distância de nós.

Quão importante é a inclinação axial para o clima? Uma grande variabilidade na inclinação axial poderia ser uma das principais razões pelas quais Marte se transformou de uma paisagem aquática há bilhões de anos no deserto árido de hoje.

O professor assistente da Georgia Tech, Gongjie Li, que liderou o estudo junto com o estudante Yutong Shan do Centro Harvard-Smithsoniano para Astrofísica, disse:

Marte está na zona habitável do nosso sistema solar, mas sua inclinação axial tem sido muito instável – variando de zero a 60 graus.

Essa instabilidade provavelmente contribuiu para a decadência da atmosfera marciana e a evaporação da água da superfície.

Como comparação, a inclinação axial da Terra oscila mais suavemente – entre 22,1 e 24,5 graus, indo de um extremo a outro a cada 10 mil anos…

…Marte e Terra interagem fortemente um com o outro, assim como com Mercúrio e Vênus. Como resultado, por si só, seus eixos de rotação precessem com a mesma taxa que a oscilação orbital, o que pode causar grandes variações em sua inclinação axial. Felizmente, a Lua mantém as variações da Terra sob controle. A Lua aumenta a taxa de precessão do eixo de rotação do nosso planeta e faz com que ela seja diferente da taxa de oscilação orbital.

Marte, por outro lado, não tem um satélite grande o suficiente para estabilizar sua inclinação axial.

Li, membro do corpo docente da Escola de Física, informou:

Parece que ambos os exoplanetas são muito diferentes de Marte e da Terra, porque eles têm uma conexão mais fraca com seus planetas irmãos.

Não sabemos se possuem luas, mas nossos cálculos mostram que mesmo sem satélites, os eixos de rotação de Kepler-186f e 62f permaneceriam constantes durante dezenas de milhões de anos.

Kepler-186f é menos de 10% maior em raio que a Terra, mas sua massa, composição e densidade permanecem um mistério. Ele orbita sua estrela hospedeira a cada 130 dias. De acordo com a NASA, o brilho daquela estrela ao meio-dia, enquanto brilha sobre 186f, pareceria tão brilhante quanto o Sol antes do pôr do sol aqui na Terra. O Kepler-186f está localizado na constelação do Cisne, como parte de um sistema estelar de cinco planetas.

Kepler-62f foi o exoplaneta mais parecido com a Terra até os cientistas notarem 186f em 2014. Ele é cerca de 40% maior do que o nosso planeta, e é provavelmente um mundo terrestre ou coberto por um oceano. Está na constelação de Lyra e é o planeta mais externo entre cinco exoplanetas que orbitam uma única estrela.

Isso não quer dizer que o exoplaneta tem água, muito menos a vida. Mas ambos são candidatos relativamente bons.

Li disse:

Nosso estudo é um dos primeiros a investigar a estabilidade climática dos exoplanetas e aumenta a crescente compreensão desses mundos próximos potencialmente habitáveis.

Shan acrescentou:

Eu não acho que entendemos o suficiente sobre a origem da vida para descartar a possibilidade de sua presença em planetas com estações irregulares.

Mesmo na Terra, a vida é extraordinariamente diversificada e tem mostrado incrível resiliência em ambientes extraordinariamente hostis. Mas um planeta climaticamente estável pode ser um lugar mais confortável para começar.

(Fonte)


E muitos mais virão… bilhões deles. O contrário disso é impossível quando consideramos o tamanho do Universo.

A não ser, é claro, que estejamos vivendo em uma realidade virtual, onde a Terra e todo o Universo não passam de simulações.

Vivemos numa realidade virtual – físico explica o porquê

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh