web analytics

Estranhos fenômenos ocorrem nos céus do nosso planeta

Os cientistas estudam arco-íris há centenas de anos, desde o século XVII, quando Isaac Newton explicou pela primeira vez esses arcos coloridos.

No entanto, depois de todos esses anos, há um arco-íris que os cientistas não entendem completamente: o “arco geminado”. Jan Curtis fotografou este espécime em 21 de junho em Cheyenne,  no estado americano do Wyoming:

Estranhos fenômenos ocorrem nos céus do nosso planeta

Raro arco-íris de geminado. Foto por Jan Curtis em 21 de junho de 2018 – Cheyenne, Wyoming

Este raro ‘arco-íris gêmeo’ ocorreu logo após uma tempestade extremamente severa.

Vários arcos gêmeos foram capturados em imagens, principalmente durante chuvas pesadas, mas atualmente não há nenhuma explicação concordada para eles.

Eles podem formar a partir de uma mistura de gotas d’água e esferas de gelo.

Outra explicação é que os pingos de chuva não esféricos produzem um ou ambos os arcos.

As forças de tensão superficial mantêm pequenas gotas de chuva extremamente esféricas, mas à medida que caem, grandes gotas são achatadas pela resistência do ar ou podem até mesmo oscilar entre esferoides achatados e alongados.

Raro arco-íris geminado. Foto por Jan Curtis em 21 de junho de 2018 – Cheyenne, Wyoming

Outro aspecto marcante da imagem de Curtis é a estrutura geral do arco-íris – um arco-íris por dentro, outro por fora. Esses arco-íris duplos são frequentemente vistos e bem compreendidos, mas a divisão do arco interno em gêmeos acrescentou uma pitada de mistério a essa ocorrência comum.

Espetacular tornado incandescente sobre a Irlanda do Norte

Nas noites recentes, nuvens noctilucentes (sigla em inglês, NLCs) se espalharam pela Europa, da Escandinávia ao sul da França. “Temos observado NLCs todas as noites aqui na Irlanda do Norte”, relata Martin McKenna, da Maghera, em Co. Derry.

“O brilho e a complexidade delas estão se tornando mais avançados desde o solstício, com redemoinhos e nós brilhantes em azul elétrico acima do horizonte do sol da meia-noite.” Ele observou esse “tornado noctilucente” em 25 de junho:

Foto: Martin McKenna em 25 de Junho de 2018 @Maghera, Co. Derry, Irlanda do Norte via Nightskyhunter.com

Essa área então se transformou em uma sucessão de formas dinâmicas – uma cunha, um funil, asas de anjo, um anel de fumaça eletrificada, depois um longo tornado que alcançava o horizonte.

O que cria essas formas? A resposta é ‘ondas gravitacionais’.

Ondas gravitacionais são, essencialmente, ondas de pressão e temperatura geradas por poderosos sistemas de tempestades. A gravidade não varia dentro das ondas; elas recebem seu nome pelo fato de que a gravidade atua como uma força restauradora que tenta restaurar o equilíbrio do ar em movimento ascendente e descendente. As ondas gravitacionais podem se propagar desde a superfície da Terra até a mesosfera, onde se imprimem nas formas das nuvens noctilucentes.

Quando um número suficiente de ondas gravitacionais se encontram, elas podem interferir na produção de todas as estruturas que McKenna viu – além de muitas outras.

Arco-iris da meia-noite

Um arco-íris à meia-noite? Acredite. Em 25 de junho, raios vermelhos do sol da meia-noite em Nome, no Alasca (EUA), se transformaram em um banco de nuvens de chuva, produzindo esse estranho arco vermelho:

Raro arco-íris da meia-noite VERMELHO. Foto por John Dean em 26 de junho de 2018 – Nome, Alasca.

O arco-íris se desenvolveu, depois desapareceu e reapareceu, crescendo lentamente em um arco completo por volta de uma e meia da manhã no Alasca.

Na época, o sol estava se abraçando no horizonte, quase meio grau alto. Isso explica porque o arco-íris estava vermelho. Arco-íris normais são vermelho, amarelo, verde e azul. Neste caso, no entanto, o vermelho era a única cor disponível. Todas as outras cores haviam sido espalhadas por moléculas de ar e partículas de poeira na frente do sol.

Os arco-íris vermelhos são mais comuns do que você imagina. Eles aparecem com frequência ao nascer ou pôr do sol, em todo o mundo.

Nuvens noctilucentes vs. auroras

A cabine de voo de um avião pode ser um bom lugar para ver o clima espacial em ação. No dia 20 de junho, uma rara coincidência de duas aparições do clima espacial foi testemunhada pelo piloto Ulrich C. Beinert viajando de Los Angeles para Munique, passando pelo Canadá, quando uma faixa ondulante de nuvens noctilucentes (NLCs) apareceu. Logo as nuvens foram unidas pela Luzes do Norte (auroras):

Nuvens noctilucentes com auroras sobre o Canadá. Foto: Ulrich C. Beinert em 20 de junho de 2018 – Nordeste do Canadá

A foto de Beinert captura uma reunião incomum de auroras verdes e NLCs azuis. As auroras foram causadas pelo vento solar batendo suavemente no campo magnético da Terra, provocando um brilho verdejante de 100 a 200 km acima da superfície da Terra. As nuvens noctilucentes são completamente diferentes. Eles são formados quando os fios de vapor de água sobem para o topo da atmosfera e se cristalizam em volta de partículas de fumaça de meteoro. NLCs flutuam cerca de 80 km de altura, logo abaixo da zona da aurora.

Nuvens noctilucentes com auroras sobre o Canadá. Foto: Ulrich C. Beinert em 20 de junho de 2018 – Nordeste do Canadá

Quando nuvens noctilucentes apareceram pela primeira vez no século XIX, você tinha que viajar para o Ártico para vê-las. Nos últimos anos, no entanto, as NLCs se intensificaram e se espalharam, com os avistamentos até mesmo nos estados de Utah e Colorado. Dicas para observá-las: olhe para o oeste de 30 a 60 minutos após o pôr do sol quando o sol tiver mergulhado bem abaixo do horizonte. Se você observar luminosos tentáculos azul-esbranquiçados se espalhando pelo céu, você pode ter visto uma nuvem noctilucente.

Na verdade, são fenômenos celestes realmente estranhos e surpreendentes.

(Fonte)


Embora todos esses fenômenos ocorram desde sempre, eles têm se intensificado nos últimos anos, e, principalmente no caso das nuvens noctilucentes, agora ocorrem em áreas que antes não ocorriam. E há ainda outros fenômenos celestes que têm ocorrido com mais frequência ultimamente pelo mundo afora, mas os cientistas não conseguem explicar o porquê da alta incidência.

Há quem dia que isso se dá devido a ação do que é chamado de chemtrails (uma pulverização atmosférica efetuada principalmente pelo governo dos EUA, cujo real propósito ainda é desconhecido).

Abaixo, um outro exemplo de fenômeno atmosférico interessante filmado por mim mesmo na cidade de Londrina, em 14 de abril passado:

Fenômeno atmosférico ocorre em Londrina, PR -Brasil – O que está acontecendo com a atmosfera terrestre?

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

"

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh