web analytics

Os “outros” são muito mais avançados do que nós

mais avançados do que nós

Dos muitos e vários documentos e trabalhos sobre OVNIs/extraterrestres que surgiram sob os termos da Lei de Liberdade de Informação dos EUA (sigla FOIA, em inglês), um dos mais interessantes é o intitulado  Communication with Extraterrestrial Intelligence (Comunicação com Inteligência Extraterrestre). O documento foi escrito na década de 1960 (especificamente em 1965) por um homem chamado Lambros D. Callimahos. Ele era um criptologista da Agência de Segurança Nacional (sigal NSA, em inglês). Em 23 de setembro de 1965, Callimahos participou de um debate no estilo de painel a respeito do assunto de seu artigo em uma conferência sobre eletrônica militar em Washington, DC.

Também presente para o debate estava o Dr. John C. Lilly, talvez mais conhecido por seu trabalho com golfinhos e nos campos de psicodélicos e estados alterados. O evento também contou com um astrônomo, Francis S.J. Heyden.

A nota da American Astronomical Society sobre Heyden dizia:

A primeira pesquisa de Heyden foi realizada nos campos da estrutura galáctica e das estrelas variáveis. Ele colaborou. com o Pe. L.C. McHugh S.J. em fotografar campos de estrelas no sul da Via Láctea. Essas imagens foram combinadas em um Atlas, que se tornou numa ferramenta de referência básica para estudantes de estrutura galáctica.

E havia um linguista notável também, o Dr. Paul Garvin. O evento foi moderado pelo Dr. Harold Wooster, na época Diretor de Serviços de Informação do Gabinete de Pesquisa Científica da Força Aérea dos EUA.

As palavras de Callimahos constituem uma leitura intrigante:

Não estamos sozinhos no Universo. Há alguns anos, essa noção parecia forçada; hoje, a existência de inteligência extraterrestre é tomada como garantida pela maioria dos cientistas. Sir Bernard Lovell, um dos principais radioastrônomos do mundo, calculou que, mesmo admitindo uma margem de erro de 5000%, deve haver em nossa própria galáxia cerca de 100 milhões de estrelas que possuem planetas com a química, dimensões e temperatura para suportar a evolução orgânica.

Se considerarmos que nossa própria galáxia, a Via Láctea, é apenas uma dentre pelo menos um bilhão de outras galáxias semelhantes à nossa no Universo observável, o número de estrelas que poderiam apoiar alguma forma de vida é, para chegar a uma palavra, astronômica. Quanto às formas de vida avançadas (pelos padrões miseráveis ​​da Terra), o Dr. Frank D. Drake, do Observatório Nacional de Radioastronomia de Green Bank, Virgínia Ocidental, declarou que, reunindo todo o nosso conhecimento, o número de civilizações que poderiam ter surgido agora é cerca de um bilhão. A próxima pergunta é: “Onde está todo mundo?

A vizinha mais próxima do nosso sistema solar é a Alpha Centauri, a apenas 4,3 anos-luz de distância; mas, de acordo com o Dr. Su-Shu Huang da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço, seu sistema planetário é provavelmente jovem demais para o surgimento da vida. Dois outros amigos celestiais, Epsilon Eridani e Tau Ceti, a cerca de 11 anos-luz de distância, são candidatos mais fortes para abrigar a vida.

Ele expandiu, de uma maneira um tanto especulativa, mas de modo inegavelmente fascinante também:

No entanto, se as civilizações superiores são abundantes, a mais próxima provavelmente estaria a pelo menos 100 anos-luz de distância; portanto, demoraria 200 anos para que uma resposta fosse recebida, uma pequena questão de sete gerações. Isso deve, no entanto, fazer pouca diferença para nós, em vista do enorme ganho potencial de nosso contato com uma civilização superior.

A menos que sejamos terrivelmente convencidos (um comportamento pouco científico), devemos presumir que os ‘outros’ são muito mais avançados do que nós. Até mesmo uma lacuna de 50 anos seria tremenda; uma lacuna de 500 anos abala a imaginação, e quanto a uma lacuna de 5000 anos … (A propósito, se eles estão tanto quanto 50 anos atrás de nós, esqueça!) É bem possível que os ‘outros’ tenham sondas de satélite no espaço , retransmitindo para eles qualquer coisa que soe não aleatória para a sonda. Mas eles provavelmente nos chamaram há milhares de anos e estão esperando por uma resposta; ou pior ainda, eles desistiram; ou, mais provavelmente, eles alcançaram avanços tecnológicos tão impressionantes que se destruíram.

Callimahos voltou suas atenções para o tipo de trabalho que estava ocorrendo para tentar encontrar evidências de vida alienígena:

Epsilon Eridani e Tau Ceti foram os alvos em que o Dr. [Frank] Drake do SETI, a Busca por A Inteligência Extraterrestre, concentrou sua atenção na primavera de 1960 no Projeto Ozma, uma tentativa de detectar possíveis sinais inteligentes do espaço exterior. A frequência selecionada para ouvir foi a de 1420.405752 megaciclos por segundo, ou um comprimento de onda de 21 cm.

Essa freqüência em particular, postulada independentemente por dois professores da Universidade de Cornell, Giuseppe Cocconi e Philip Morrison, é a frequência de radiação do hidrogênio atômico ou livre, que permeia o espaço em grandes nuvens. Além disso, essa frequência está dentro do alcance das frequências de rádio capazes de passar pela atmosfera da Terra. Presumivelmente, o significado dessa frequência seria conhecido por outros seres inteligentes no Universo, que entendem a teoria do rádio. Ainda estamos falando de ondas de rádio como o meio de comunicação; outras mídias possíveis podem ser masers, lasers ou ‘rasers‘ ainda não descobertos e não identificados. Uma tecnologia superior à nossa pode até ter aprendido como modular um feixe de neutrinos (partículas sem carga e sem peso que os físicos na Terra acham difícil de detectar). Se assim for, ‘eles’ podem ter que esperar um século ou dois antes de aprendermos a construir um receptor de neutrinos.

Encerramos com estas palavras instigantes de Callimahos:

… depois de resolvermos as nossas questões científicas urgentes, pode ser apropriado fazer investigações discretas sobre como poderíamos viver em harmonia e paz com os nossos semelhantes – isto é, se nós não formos comidos ou ingeridos pela civilização superior que teve a sorte de nos contatar. Mas no que diz respeito ao criptologista, ele (e gerações de seus descendentes que podem passar pela emoção suprema de suas vidas quando ouvirmos algo ‘deles’) devem manter uma cabeça nivelada, não se entusiasmar e estar preparados para lidar com problemas do tipo que nunca viram – de fora deste mundo, por assim dizer.

(Fonte)


Considerando que naquela época os planetas fora do nosso sistema solar não eram conhecidos, é interessante o fato de que os cientistas já tinham certeza de que não estamos sós no Universo, 

Mesmo assim, sempre fico abismado – e até mesmo um tanto irritado – como a maioria dos cientistas tem uma postura de “tudo ou nada”. Aqui, novamente, como tantas outras pessoas da ciência, Callimahos declara, “ou, mais provavelmente, eles alcançaram avanços tecnológicos tão impressionantes que se destruíram, como se dentro das bilhões de possíveis civilizações existentes no Universo todas estivessem fadadas a esse fatídico final.

Mas até sei porque pensam assim: tomam com base as burrices humanas, achando que todo o ser inteligente do universo é tão obtuso quanto nós.

É muita falta de imaginação.

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh