web analytics

Os ETs são reais, mas os humanos provavelmente irão matá-los, diz cientista

Você está pronto(a) para mais uma teoria científica ridícula sobre o porquê da ciência não ter encontrado alienígenas ainda?

Os ETs são reais, mas os humanos provavelmente irão matá-los

Se você já olhou para o céu noturno incomensurável e se perguntou, ‘Estamos sozinhos?’, então você não está sozinho.

Cerca de 70 anos atrás, o físico Enrico Fermi olhou para o céu e fez uma pergunta semelhante: “Onde está todo mundo?”

Há centenas de bilhões de estrelas só na galáxia da Via Láctea, contou Fermi, e muitas delas são bilhões de anos mais velhas que o nosso Sol. Mesmo que uma pequena fração dessas estrelas tenha planetas ao seu redor que se mostraram habitáveis ​​por toda a vida (os cientistas agora pensam que até 60 bilhões de exoplanetas poderiam se encaixar), isso deixaria bilhões de mundos possíveis onde civilizações avançadas já poderiam ter crescido e desenvolvido, e finalmente começado a explorar as estrelas.

Então, por que os terráqueos não ouviram um pio desses mundos? Onde está todo mundo? Hoje, essa questão é mais conhecida como o Paradoxo de Fermi. Os pesquisadores levantaram muitas respostas possíveis ao longo dos anos, desde “os alienígenas estão todos escondidos debaixo d’água”, até “todos morreram”, até “na verdade, somos os alienígenas e pegamos carona num cometa até a Terra alguns bilhões de anos atrás”.

Agora, Alexander Berezin, um físico teórico da Universidade Nacional de Pesquisa de Tecnologia Eletrônica na Rússia, propôs uma nova resposta ao Paradoxo de Fermi – mas ele não acha que você vai gostar. Porque, se a hipótese de Berezin estiver correta, isso poderia significar um futuro para a humanidade que é “ainda pior que a extinção”.

“E se”, escreveu Berezin em um novo artigo publicado em 27 de março na revista arxiv.org, “a primeira vida que atinge a capacidade de viagem interestelar necessariamente erradica toda a competição para alimentar sua própria expansão?”

Em outras palavras, poderia a busca da humanidade para descobrir a vida inteligente ser diretamente responsável por obliterar essa vida imediatamente? E se nós, inconscientemente, somos os bandidos do universo?

Primeiro a entrar, último a sair (fist in, last out)

No artigo, Berezin chamou essa resposta ao Paradoxo de Fermi de a solução “first in, last out“. Entender isso requer, em primeiro lugar, estreitar os parâmetros do que faz a “vida inteligente”, escreveu Berezin.

Para começar, não importa como se parece a vida alienígena; poderia ser um organismo biológico como os humanos, uma IA (Inteligência Artificial) superinteligente ou até mesmo algum tipo de mente colmeia do tamanho de um planeta, ele disse.

Mas não importa como esta vida se comporta, escreveu Berezin. Para ser considerado relevante para o Paradoxo de Fermi, a vida extraterrestre que procuramos tem que ser capaz de crescer, reproduzir e de alguma forma ser detectável pelos seres humanos. Isso significa que nossos alienígenas teóricos têm que ser capazes de fazer viagem interestelar, ou pelo menos de transmitir mensagens através do espaço interestelar. (Isso está presumindo que os humanos não alcancem o planeta alienígena primeiro.)

Aqui está a pegadinha: para uma civilização chegar a um ponto em que poderia se comunicar efetivamente através de sistemas solares, ela teria que estar em um caminho de crescimento e expansão irrestritos, escreveu Berezin. E para percorrer este caminho, você teria que pisar em muitas formas de vida menores.

Berezin escreveu:

Não estou sugerindo que uma civilização altamente desenvolvida eliminaria conscientemente outras formas de vida. Muito provavelmente, eles simplesmente não notarão, da mesma forma que uma equipe de construção destrói um formigueiro para construir propriedades, por não ter incentivo para protegê-lo.

Por exemplo, o impulso irrestrito de uma IA agressiva para o crescimento poderia levá-la a povoar toda a galáxia com clones de si mesma, ‘transformando cada sistema solar em um supercomputador’, disse Berezin. Procurar por um motivo na invasão hostil da IA ​​é inútil, disse Berezin – “tudo o que importa é que ela pode [fazer]”.

Um destino pior do que a extinção

A má notícia para os seres humanos não é que tenhamos que enfrentar uma raça enlouquecida pelo poder de seres inteligentes. A má notícia é que podemos ser essa raça.

Berezin especulou:

Somos os primeiros a chegar ao estágio [interestelar] e, muito provavelmente, seremos os últimos a sair.

Impedir que os humanos destruam acidentalmente todas as formas de vida rivais exigiria uma mudança de cultura total, estimulada por “forças muito mais fortes do que o livre arbítrio dos indivíduos”, escreveu Berezin. No entanto, dado o impressionante talento de expansão da nossa espécie, essas forças poderiam ser difíceis de reunir.

Então, novamente, tudo isso é apenas uma teoria. O artigo ainda não foi revisado por colegas cientistas, e até mesmo Berezin está torcendo contra suas próprias conclusões.

Ele escreveu:

Eu certamente espero estar errado. A única maneira de descobrir é continuar explorando o universo e procurando por vida alienígena.

(Fonte)


Num Universo com possibilidades infinitas, acreditar que a teoria de Berezin faça qualquer sentido é a mesma coisa que dizer que todos os grãos de areia, de todas as praias do mundo, são idênticos.

E, a propósito, uma resposta plausível para responder o Paradoxo de Fermi, é que os alienígenas lá fora simplesmente não querem aparecer abertamente para nós. Ou ainda, talvez sejamos mesmo como um zoológico isolado do resto do cosmos.

A Terra pode ser um grande zoológico e nós somos os animais em exposição

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh