web analytics

Nova câmera irá impulsionar a procura por vida extraterrestre

Nova câmera irá impulsionar a procura por vida extraterrestre

Em algum lugar na vastidão do universo, outro planeta habitável existe. E pode não estar tão longe – astronomicamente falando – do nosso próprio sistema solar. A câmera anunciada como a ‘mais avançada do mundo’ poderá dar aos astrônomos uma ferramenta poderosa para identificar esses mundos alienígenas em torno de outras estrelas. O dispositivo é conhecido como ‘Darkness‘ (Escuridão) e foi criado por uma equipe internacional de físicos.

Distinguir a luz de um planeta da sua estrela, no entanto, pode ser problemático. Mas uma equipe internacional liderada pelo físico da Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, Benjamin Mazin, desenvolveu um novo instrumento para detectar planetas em torno das estrelas mais próximas. É a maior e mais avançada câmera supercondutora do mundo.

O grupo, que inclui Dimitri Mawet do Instituto de Tecnologia da Califórnia e Eugene Serabyn do Jet Propulsion Laboratory, em Pasadena, Califórnia, criou um dispositivo chamado DARKNESS (DARK-speckle Near-infrared Energy-resolved Superconducting Spectrophotometer), o primeiro espectrógrafo de campo integral de 10.000 pixels projetado para superar as limitações dos detectores semicondutores tradicionais. Ela emprega detectores de indutância cinética de microondas que, em conjunto com um grande telescópio e um sistema óptico adaptável, permite a geração direta de imagens de planetas em torno de estrelas próximas.

Mazin, que detém a Presidência Worster em Física Experimental na UCSB., disse:

Tirar uma fotografia de um exoplaneta é extremamente desafiador porque a estrela é muito mais brilhante do que o planeta, e o planeta está muito perto da estrela.

Financiado pela National Science Foundation, DARKNESS é uma tentativa de superar algumas das barreiras técnicas para a detecção de planetas. Ele pode capturar o equivalente a milhares de quadros por segundo sem qualquer ruído de leitura ou corrente escura, que estão entre as principais fontes de erro em outros instrumentos. Ele também tem a capacidade de determinar o comprimento de onda e o tempo de chegada de cada fóton. Esta informação no domínio do tempo é importante para distinguir um planeta da  luz dispersa ou refratada, chamada de manchas.

Mazin explicou:

Essa tecnologia diminuirá o piso de contraste para que possamos detectar planetas mais fracos. Esperamos abordar o limite de ruído de fótons, o que nos dará razões de contraste próximas a 10-8, permitindo-nos ver planetas 100 milhões de vezes mais fracos que a estrela. Nesses níveis de contraste, podemos ver alguns planetas em luz refletida, que abre um novo domínio de planetas para explorar. O mais interessante é que este é um caminho tecnológico para a próxima geração de telescópios.

Projetado para o telescópio Hale de 200 polegadas (5 metros) no Observatório Palomar, perto de San Diego, Califórnia, o DARKNESS atua tanto como câmera de ciência quanto sensor de frente de onda de plano focal, medindo rapidamente a luz e enviando um sinal de volta para uma espelho flexível, que pode modificar sua forma 2.000 vezes por segundo. Este processo limpa a distorção atmosférica que faz com que as estrelas brilhem, suprimindo a luz das estrelas e permitindo maiores taxas de contraste entre a estrela e o planeta.

Durante o último ano e meio, a equipe empregou DARKNESS em quatro testes no Palomar para solucionar problemas. Os pesquisadores retornarão agora para obter mais dados sobre determinados planetas e para demonstrar seu progresso na melhoria da taxa de contraste.

Mazin ainda disse:

Nossa esperança é que um dia possamos construir um instrumento para o Telescópio de Trinta Metros, planejado para Mauna Kea na ilha do Havaí ou La Palma. Com isso, poderemos tirar fotos de planetas nas zonas habitáveis ​​de estrelas próximas de baixa massa e procurar vida em suas atmosferas. Esse é o objetivo de longo prazo e este é um passo importante em direção a isso.

(Fonte)


Parece ser um belo avanço na forma com que tentam visualizar planetas distantes. Sem dúvida irão melhorar cada vez mais na detecção de mundos alienígenas.

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh