web analytics

As 3 possibilidades da humanidade encontrar alienígenas, de acordo com a ciência

possibilidades da humanidade encontrar alienígenas

Desde que os seres humanos olharam a primeira vez para o céu, para os planetas, estrelas e galáxias além do nosso mundo natal, a possibilidade de vida alienígena encheu nossa imaginação. Porém, quando nos aproximamos da questão de forma científica, ainda aguardamos a primeira confirmação conclusiva da vida além da Terra. As formas de vida complexas e diferenciadas que vemos aqui na Terra são o resultado de mais de quatro bilhões de anos de evolução, mas cosmicamente, os ingredientes para a vida estão em toda parte.

Começamos a descobrir moléculas orgânicas em outras partes do nosso Sistema Solar, no espaço interestelar e até mesmo em torno de outras estrelas. Quanto tempo levará até que tenhamos os primeiros sinais de vida além do nosso mundo?

Há quatro maneiras pelas quais estamos atualmente procurando, e qual delas produzirá frutos primeiro é uma incógnita.

Estruturas no meteorito ALH84001, que tem uma origem marciana.  Alguns argumentam que as estruturas mostradas aqui podem ser antiga vida marciana.

Para criar vida, precisamos dos ingredientes fundamentais que os processos da vida parecem exigir: os elementos brutos da tabela periódica. São necessárias apenas algumas gerações de estrelas que vivem e morrem queimando seu combustível nuclear para que isso aconteça. Encontramos estrelas com planetas rochosos ao redor delas, que são sete bilhões de anos mais antigos que a Terra, todos com os elementos pesados ​​necessários para a vida. Encontramos mundos do tamanho da Terra nas zonas potencialmente habitáveis ​​ao redor de suas estrelas-mãe por toda a galáxia.

E encontramos moléculas orgânicas, de açúcares a aminoácidos a formato de etila – a molécula que dá às framboesas seu aroma – em locais de asteroides a estrelas jovens, discos protoplanetários a nuvens de gás molecular.

Ao todo, estimamos que há mais de um trilhão (1012) de planetas – e, portanto, chances de vida – apenas na Via Láctea. Mas há uma diferença muito grande entre planetas com os ingredientes para a vida neles e a vida alienígena verdadeira e genuína. Ainda não sabemos se existem outras instâncias da vida no Universo além do que encontramos aqui na Terra. Embora os cientistas suspeitem fortemente que com ingredientes similares e leis idênticas da natureza um Universo onde a vida é única na Terra parece altamente improvável, não tiramos conclusões até que tenhamos as evidências.

Além disso, ainda não temos uma resposta para uma das questões científicas mais críticas de todas: como passamos da não-vida para a vida?

Moléculas orgânicas são encontradas em regiões de formação estelar, remanescentes estelares e gás interestelar, por toda a Via Láctea.
Em princípio, os ingredientes para os planetas rochosos e a vida neles poderiam ter surgido rapidamente em nosso Universo, muito antes da existência da Terra. NASA / ESA e R. Humphreys (Universidade de Minnesota)

Nossa existência aqui é prova suficiente de que isso pode acontecer.
Podemos imaginar que, se a vida vier a existir em qualquer outro lugar do Universo, existem três níveis diferentes que ela poderia alcançar:

  1. A vida começa em um mundo, mas não dura, prospera ou continua perpetuamente.
  2. A vida prospera, sustenta e dura bilhões de anos, onde causa mudanças substanciais nas propriedades da superfície do mundo onde ela existe.
  3. A vida se torna inteligente, tecnologicamente avançada e comunicativa, espacial ou ambas.

Claramente, as possibilidades mais avançadas são mais excitantes, mas também provavelmente mais raras. No entanto, às vezes, as coisas raras são as mais fáceis de encontrar, porque se destacam de forma tão espetacular contra tudo o mais que existe.

Aqui estão os diferentes métodos que usaremos para procurar essas formas muito diferentes de vida, dando à humanidade nossas três esperanças muito diferentes de encontrar vida além da Terra no Universo.

Uma das idéias mais intrigantes – e com menos recursos intensivos – para procurar por vida no oceano de Encélado é pilotar uma sonda através da erupção semelhante a gêiseres, coletando amostras e analisando-as em busca de produtos orgânicos. Missão NASA / Cassini-Huygens / Subsistema de Ciência de Imagens

1) Olhando no sistema solar. Embora a vida tenha prosperado aqui na Terra por bilhões de anos, os outros mundos não parecem ter se saído bem. Se há vida em qualquer lugar, provavelmente não avançou além do que consideramos um estado muito primitivo. Marte e Vênus podem ter sido úmidos e temperados no passado, como a Terra, mas Marte é frio e estéril hoje, enquanto Vênus é um inferno venenoso e coberto de nuvens. Os meteoritos que caem na Terra contêm não apenas os aminoácidos encontrados nos processos da vida, mas muitos outros que não estão envolvidos nos processos biológicos da Terra.

Nas profundezas do mar, em torno das fontes hidrotermais, onde não há luz solar, a vida ainda prospera na Terra. Como criar vida a partir da não-vida é uma das grandes questões abertas na ciência hoje, mas se a vida pode existir aqui, talvez submersa em Europa ou Encelado, também exista vida. NOAA/PMEL

Europa e Encélado (luas de Júpiter e Saturno, respectivamente) têm oceanos inteiros para investigar sob uma superfície de gelo; haveria micróbios ou algo ainda melhor em suas águas? Há até mesmo argumentos de que as diatomáceas, um exemplo de formas de vida primitivas, encontradas em fragmentos de meteoritos, podem ter uma origem extraterrestre, em vez de vir da Terra. Essa é a forma menos avançada de vida que podemos imaginar, mas temos a vantagem de ter muitos mundos que podemos acessar fisicamente, visitar e medir.

Se a vida simples e primitiva for onipresente, investigar nosso Sistema Solar minuciosamente o suficiente irá descobri-la.

Tanto a luz solar em um planeta e a luz solar absorvida e filtrada através de uma atmosfera são duas técnicas que a humanidade está desenvolvendo atualmente para medir o conteúdo atmosférico e as propriedades de superfície de mundos distantes. No futuro, isso pode incluir a busca por assinaturas orgânicas também. Melmak/pixabay

2) Olhando para exoplanetas em torno de outras estrelas próximas. Nos últimos 25 anos, o campo da ciência exoplaneta explodiu desde a sua infância até um ‘baú de tesouros”, onde foi descoberta a existência de milhares de planetas em torno das estrelas além do Sol. Muitos desses mundos são pequenos, rochosos e a uma distância certa de suas estrelas, supondo-se que tenham atmosferas do tamanho da Terra, para ter água líquida em suas superfícies. Não seremos capazes de detectar micróbios ou fósseis individuais neles, como faríamos se houvesse vida no Sistema Solar, mas há um método indireto que poderíamos usar se a vida durasse e prosperasse: olhando para as mudanças que a vida faz para uma atmosfera do planeta alienígena.

Quando um planeta transita na frente de sua estrela-mãe, parte da luz não é somente bloqueada, mas se uma atmosfera estiver presente, é filtrada através dela, criando linhas de absorção ou emissão que um observatório sofisticado o bastante poderia detectar. Se houver moléculas orgânicas ou grandes quantidades de oxigênio molecular, poderemos encontrar isso também. ESA / David Sing

A Terra é o único planeta que conhecemos com tanto oxigênio molecular: 21% da nossa atmosfera é O2. A razão disso? A vida, ao longo de bilhões de anos, adicionou este produto biológico à nossa atmosfera. Pensamos no oxigênio como essencial para a vida, mas é apenas porque os animais evoluíram para utilizar esse ingrediente para desenvolver a respiração aeróbica e fazer bom uso dessa molécula abundante. À medida que nossa tecnologia continua melhorando, esperamos poder medir assinaturas moleculares em atmosferas exoplanetárias e, potencialmente, até mesmo obter imagens diretamente de exoplanetas para procurar por nuvens, oceanos, estações do ano e ecologização continental.

Temos todos os motivos para acreditar que a vida sustentada em outro mundo, se por acaso estivermos olhando para ele da maneira correta, deve ser revelada a nós durante este século.

Um transmissor maciço poderia enviar um sinal de rádio perceptível de um posto avançado alienígena, mas na imaginação de alguns, um sinal óptico poderia estar presente em seu lugar. Steve Jurvetson do Menlo Park, EUA

3) Procurando por sinais de alienígenas inteligentes. Aqui na Terra, tivemos a vida unicelular por bilhões de anos antes do primeiro organismo multicelular evoluir. Demorou mais de 500 milhões de anos a partir da explosão cambriana, onde a vida complexa, multicelular e bem diferenciada surgiu, até que uma civilização inteligente e tecnologicamente avançada alcançasse proeminência. No entanto, a humanidade já começou a transmitir sinais para as estrelas e chegou ao ponto em que poderíamos detectar assinaturas de alienígenas inteligentes se fossem transmitidas com energia suficiente.

A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) e sua contraparte ativa, METI (Mensagens para Inteligência Extraterrestre), representam a busca de maior risco e maior recompensa de todas para alienígenas .

Há tempos se teoriza que a primeira detecção da inteligência extraterrestre virá das ondas de rádio. Mas rajadas rápidas de rádio provavelmente não são esse sinal;
ainda estamos tentando descobrir uma assinatura extraterrestre, se existir. Danielle Futselaar

Na década de 1960, presumimos que os alienígenas tentariam se comunicar usando ondas de rádio. Cinquenta anos depois, não temos tanta certeza. Quais tipos de sinais alienígenas existiriam? Como poderíamos decodificá-los? Como eles transmitiriam ou receberiam sinais interestelares? Seriam elas, potencialmente, civilizações espaciais, capazes de literalmente atravessar as grandes distâncias interestelares? Idéias como o projeto Breakthrough Starshot transformaram essa última possibilidade da ficção científica em uma possibilidade da vida real.

Se um sinal – ou, melhor ainda, uma espaçonave – chegasse aqui na Terra, isso representaria a maior mudança em nossa compreensão do Universo e nosso lugar nele desde que voltamos nossos olhos para o céu.

Embora seja apenas uma conjectura neste momento, os cientistas especulam que a vida no Universo é provavelmente comum, com os ingredientes e oportunidades para que ela apareça aparecendo praticamente em todos os lugares. A vida que prospera e se sustenta em um mundo, a ponto de mudar suas propriedades atmosféricas e/ou da superfície, pode precisar ter sorte, e provavelmente é mais incomum. Evoluir para se tornar criaturas complexas, diferenciadas e multicelulares é provavelmente ainda mais raro. E quanto a se tornar o que nós consideraríamos uma civilização inteligente e tecnologicamente avançada, poderia ser tão extraordinariamente notável que em todo o Universo, poderia ser apenas nós. No entanto, apesar de quão diferentes sejam esses resultados, estamos ativamente buscando os três tipos de vida de maneiras muito diferentes. Quando o primeiro sinal de vida alienígena for finalmente descoberto, qual deles sairá vitorioso?

Não importa qual método pagará dividendos primeiro, será um dos melhores dias da história da vida na Terra.

(Fonte)


Como pôde ser notado, para quem conseguiu ler todo o artigo, ele mostra única e exclusivamente o ponto de vista da “ciência corporativa predominante”; sou seja, mostrando ideias limitadas pelos dogmas impostos por um grupo de cientistas que dependem de financiamento daqueles que dominam a humanidade. Assim, o artigo nem sequer tocou na possibilidade de que os OVNIs, que já estão mais do que comprovados de serem reais, estão e têm nos visitado por milênios, podendo ser uma manifestação de inteligências de outros planetas, ou quiçá algo ainda mais misterioso.

Desafortunadamente, a possibilidade da ciência predominante comprovar a existência de vida extraterrestre é ínfima, já que qualquer descoberta desse tipo sempre será contestada por pares, levando todas as vezes a uma condição de incerteza, como eles têm feito repetidamente até hoje. 

Há um medo tremendo por parte dessa gente de mudar o status quo, cuja validade já expirou há muitas décadas. Se tivessem investigado o fenômeno dos OVNIs com o mesmo rigor científico que eles têm investigado os fenômenos naturais, já teríamos muitas das respostas que estamos procurando há séculos.

n3m3

 

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh