web analytics

O caso do piloto mexicano que foi hipnotizado por ETs

piloto mexicano que foi hipnotizado por ETs

O caso a seguir pode ser classificado como o segundo mais importante que ocorreu nos anais da ovnilogia mexicana sobre o tema dos OVNIs e pilotos.

A pesquisa a seguir é de autoria de Fernando J. Téllez, e transcrita com a permissão de seu autor.

Na manhã de 21 de Junho de 1976, Rafael Pacheco, um estudante na Escola de Aviação do México, devia realizar um voo local para Chimalhuacán (em Texcoco), em cujas pistas de pouso de terra todos os alunos nas sete escolas de aeronáutica da capital praticam.

Às 08h15 daquele dia, Rafael embarcou no avião Cessna 150 com a matrícula XB ZOX, decolou às 08h25, e seguiu para o leste em direção a Chimalhuacán. O tempo estava nublado.

Um voo dessa natureza requer de 60 a 90 minutos, efetuando cerca de oito pousos e decolagens. No entanto, duas horas se passaram sem notícias do ZOX.

Foi então que o diretor da escola, o capitão Miguel Batanero, ordenou que vários pequenos aviões saíssem para localizar Rafael, pois temia-se que ele tivesse sofrido um acidente.

Por volta de 11h15, estando em plena busca, o capitão Fuller recebeu uma chamada de longa distância do Capitão Ortiz Lara, piloto-chefe da escola, que estava no aeroporto Acapulco instruindo um estudante, e que lhe avisou que o avião XB ZOX não teria que estar lá, havia sido reportada e estava prestes a pousar.

Hipnotizado pelos extraterrestres

Capitão Ortiz também informou o seu superior que algo aconteceu com Rafael, pois ele havia entregue uma mensagem de 40 minutos, dirigida à humanidade, e falou  que havia sido hipnotizado por seres extraterrestres. Muito contrariado, o capitão Betanero ordenou que ao pousar o avião fosse feito um exame médico na presença das autoridades aeronáuticas de Acapulco.

Rafael aterrou às 11h22 e foi imediatamente levado ao comando do aeroporto, onde o Dr. Ernesto Velez constou o seguinte:

O abaixo assinado …. estende-se a apresentar um atestado médico ao Sr. Rafael Pacheco, que depois tê-lo examinado, ele estava clinicamente saudável.

Imediatamente depois, um ato informativo oficial foi feito para dar fé ao ocorrido.

O controlador Villagrán declarou:

Era cerca de 10h30 quando o avião com registro XB-ZOX fez contato com a torre de Acapulco em sua própria frequência de 118,5 megahertz, solicitando que lhe fosse liberada outra frequência para dar uma mensagem. Eu disse a ele para continuar, para o qual o ZOX insistia em atribuir uma frequência diferente, porque a mensagem era muito longa. Ele foi designado à 123.45. Posteriormente, tendo feito contato com a nova frequência, o ZOX informou que o piloto da aeronave estava sob efeito hipnótico e que estava sendo utilizado como meio de passar a mensagem. Dizia: “a pessoa que vos fala é de outro planeta. Eu venho em paz, não quero prejudicar o piloto ou qualquer outra pessoa.” Posteriormente, ele continuou transmitindo uma série de fantasias por um tempo de aproximadamente 45 minutos …

Conversação com seres estranhos

Aparece em seguida na ata a declaração do controlador Krestchy, que disse:

Tendo ouvido a conversa entre o colega Villagrán e seres estranhos famosos, concordei em tomar a comunicação com a frequência 123.45, onde a pessoa seguido por uma série de asserções contra o ser humano. Ele nos fez ver que éramos uma civilização inferior e que não estávamos sozinhos no Universo, que havia muitas outras civilizações fisicamente semelhantes a nós, mas mentalmente muito mais desenvolvidas. Ele disse que estávamos próximos de uma catástrofe global, pois somos os únicos seres no universo com uma mente auto-destrutiva e que, ao contrário, eles eram positivos e criadores. Que eles têm poderes para aniquilar em um instante todos os nossos dispositivos modernos e armas atômicas. Ele fez a observação de que tinha o poder de mudar a cor da aeronave para que ela não pudesse ser vista pelos terráqueos, que em um ponto poderia ser azul como o céu, ou branca como as nuvens.

Como é que falam o espanhol?

Foram feitas uma série de perguntas a esta voz, tais como: Se eles são tão perfeitos, como é que falam espanhol? Para isso, a voz respondeu que eles poderiam entender qualquer idioma em questão de segundos. Ele recebeu várias perguntas em alemão e respondeu, tendo também entendido perfeitamente o que lhe foi dito em inglês regular.

Ele explicou que a mensagem deveria terminar para que o piloto pudesse pousar sem problemas com combustível. Foi-lhe perguntado se alguma vez veríamos aquela espaçonave, e a resposta foi que ela nunca seria vista porque somos tão destrutivos e agressivos que certamente a atacaríamos.

Esta voz foi ouvida sem hesitação; muito eloquente, mas devagar. Em nenhum momento ele concordou em mudar a frequência e, alguns instantes depois, a mesma voz foi ouvida novamente, dizendo: ‘Tenho 82 anos, com quem falo e onde estou?’ Foi solicitado à essa pessoa que se identificasse, e notei que ele estava completamente confuso.

Um aluno modelo

O Capitão Batanero se referiu a Rafael como aluno modelo com boas notas.:

Ele é muito sério e não o conhecemos como um mentiroso. Não quero dizer que isso seja verdadeiro ou falso.

Eu sou totalmente cético, mas sendo um rapaz assim, e também levando em conta a conversa em alemão e inglês, tudo me deixa a pensar.

Rafael Pacheco Pérez é um jovem de 23 anos, e até a manhã de 21 de junho, ele tinha 53 horas de voo, ou seja, ele só conhecia as regras básicas da aeronáutica. Ele não foi encontrado naquele dia sob a influência de álcool ou qualquer droga, como foi provado. Ele não fala alemão e, quanto ao inglês, só conhece o vocabulário técnico relacionado aos seus estudos. Pudemos verificar isso fazendo com que ele respondesse a um questionário em inglês sobre sua experiência, do qual ele entendia apenas palavras isoladas.

O relato de Rafael Pacheco

Às 8h35 da manhã, quando vi que havia me desviado da rota, tentei virar à esquerda, mas os controles não responderam; eles se trancaram em uma posição de subida. Os relógios começaram a oscilar ao mesmo tempo. A bússola girava rápido, todos os instrumentos ficaram loucos. Entrei em uma nuvem muito densa e continuei subindo, não tinha visibilidade, estava entre as montanhas. Eu estava tentando localizar o vulcão Popocatépetl. Liguei para a Torre México por dois minutos, com sua frequência de 118.1 megahertz, e eles não me responderam. Mudei a frequência para 121,5 e até fiz ligações de Mayday e Pan (emergência), mas ninguém me respondeu. Quando notei a bússola e os instrumentos, busquei instintivamente pelas laterais do avião e acima, e eu não vi nada.
Tentei encontrar a causa: eletricidade estática, campo magnético, qualquer coisa à qual pudesse atribuir ao dano.

Estando fora da nuvem e continuando a chamar sem resultados, notei que o altímetro era o único instrumento que parecia funcionar bem. A última leitura foi de 10.000 pés, e a partir de então não me lembro de nada, só que me senti com sono e estava prestes a adormecer.

Quando recuperei a consciência, estava em mar aberto. Tinha 7.000 pés de altura, como marcado pelo altímetro, e quando vi o mar, me surpreendi muito; pensei que estava sonhando. Peguei o microfone e liguei: “Aluno 82 para qualquer estação que me escuta”. Imediatamente recebi uma resposta da Torre Acapulco e eles ordenaram que eu mudasse para a frequência de 121.5 megahertz, que é de emergência. Eu não sei qual frequência eu estava transmitindo antes. Então eles perguntaram minha posição e respondi que não sabia, mas que estava voando sobre o mar. Eles me pediram para localizar  a costa e eu encontrei uma faixa muito pequena. Relatei dessa forma e eles me disseram para ir até lá. O combustível no tanque esquerdo havia acabado e o tanque direito estava quase vazio. Eu não sabia quanto combustível tinha e por isso informei a Torre Acapulco. Eles me disseram para pousar na pista 24, e que em caso de emergência eu usaria qualquer disponível.

Aterrissei, fui para a plataforma e vi um Cessna 310 da escola. Era o XV LON, onde o capitão Ortiz ouvira a mensagem inteira com Fernando Acosta, um aluno que recebia instruções sobre motores gêmeos. O capitão Ortiz veio me encontrar e perguntei: “Capitão, o que estou fazendo aqui?” E ele me disse: “Se você veio no avião e você não sabe, nem eu”.

Depois os controladores e o próprio capitão Ortiz começaram a me contar o que eu havia dito. Não me lembro de nada. Se eles não tivessem me contado sobre aqueles seres que me trouxeram tantos problemas, eu teria pensado que adormeci e nada mais.

Como pôde ele chegar até Acapulco?

A aeronave de Rafael era um modelo Cessna 150, com espaço para 2 pessoas. Não possui sistemas auxiliares como V.O.R ou A.D.F. Está destinado a voos locais de prática, é uma aeronave vulnerável. Além disso, o jovem piloto, não carregou naquele dia a carta de navegação, plano de vôo, plotadora ou computador. Rafael só fizera um voo pela rota – com instrutor – para León, Guanajuato. Ele nunca tinha voado para Acapulco.

Em suma, o rapaz não estava capacitado para voar sozinho até Acapulco, embora trouxesse consigo o material necessário para se orientar.

Quando Rafael voou para o sudeste da Cidade do México e se dirigiu para o Lago Tequesquitengo, o radar não detectou seu avião porque ele deve ter voado na cadeia de montanhas de 12.000 pés; as ondas de radar nunca alcançaram o XB ZOX, e sua posição não era conhecida até estabelecer contato com a Torre Acapulco.

Rafael perdeu a consciência às 8h45, e se comunicou com a Torre Acapulco às 10h30, quando voou sobre Mojoneras. Então, fez um tempo de 1 hora e 45 minutos, o que adicionado ao vôo de 18 minutos entre Mojoneras e Acapulco nos dá 2 horas e 3 minutos, um tempo recorde, especialmente considerando o desvio Chimalhuacán.

Silêncio inexplicável

Inicialmente, ao começar a investigar o caso, acreditávamos que tudo era foi história inventada pelo piloto, mas à medida que fomos mais profundamente aos fatos, nenhuma evidência foi encontrada sugerindo piada ou desculpa do aluno.

Na noite de 24 de junho, várias pessoas ligaram para o aeroporto, para informar que estavam vendo OVNIs que se moviam lentamente. Mario Alcántara, de Sol do México, tentou entrevistar o diretor da RAMSA (Rádio Aeronáutica Mexicana), Enrique Méndez, mas não pôde recebê-lo porque estava em uma reunião ‘importante’. E a televisão, que a princípio deu grande difusão ao caso, manteve um silêncio inexplicável depois …

(Fonte)

Colaboração: Predador


Este é mais um caso intrigante de um piloto de pequena aeronave que possivelmente se encontrou com seres alienígenas. 

Um dos casos mais famosos do mundo de encontro entre piloto e OVNI é o do australiano, Frederick Valentich, que infelizmente terminou com seu desaparecimento:

O “Desaparecimento de Frederick Valentich”: Teria ele sido levado por um OVNI?

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh