web analytics

Decodificando a inteligência alienígena: Procurando por vida que não conhecemos

inteligência alienígena

No início de 2018, astrônomos, neurocientistas, antropólogos, pesquisadores de Inteligência Artificial (IA), historiadores e outros se reuniram para uma oficina de ‘Decodificação de Inteligência Alienígena’ no Instituto SETI, no Vale do Silício. A astrobióloga Nathalie Cabrol organizou o workshop em torno do seu trabalho de 2016 intitulado Alien Mindscapes, onde ela pede um novo roteiro SETI e uma visão de longo prazo para ‘a busca pela vida que não conhecemos’.
Em seu artigo, Cabrol, diretora do Instituto Carl Sagan, pergunta como o SETI pode evoluir de ‘procurar por outras versões de nós mesmos’ e pensar ‘fora de nossos próprios cérebros’ para imaginar inteligência extraterrestre verdadeiramente diferente.

Na busca por inteligência extraterrestre (SETI), muitas vezes procuramos sinais de inteligência, tecnologia e comunicação semelhantes às nossas.

Os cientistas estão agora sugerindo que ‘procuremos outras versões de nós mesmos’ e pensem ‘fora de nossos próprios cérebros’ para imaginar uma inteligência extraterrestre verdadeiramente diferente.

Mas, como aponta a pioneira  astrônoma do SETI, Jill Tarter, essa abordagem significa procurar por identificações tecnológicas detectáveis, como transmissões de rádio, e não buscar por inteligência.
Agora os cientistas estão considerando se a inteligência artificial (IA) poderia nos ajudar a procurar por inteligência alienígena de maneiras que ainda nem imaginamos.

Quando pensamos em inteligência extraterrestre, é útil lembrar que os humanos não são a única vida inteligente na Terra. Os chimpanzés têm cultura e usam ferramentas, as aranhas processam informações com teias, os cetáceos têm dialetos, os corvos entendem as analogias e os castores são grandes engenheiros.  Inteligência, linguagem, cultura e tecnologia não humanas estão ao nosso redor.

A inteligência alienígena poderia se parecer com um polvo, uma formiga, um golfinho ou uma máquina – ou ser radicalmente diferente de qualquer coisa na Terra. Muitas vezes imaginamos a vida extraterrestre em relação às nossas ideias sobre a diferença, mas essas ideias não são nem mesmo universais na Terra, e é improvável que sejam universais em todo o espaço interestelar.

Se alguns de nós apenas recentemente reconhecemos a inteligência não humana na Terra, o que poderíamos estar perdendo quando imaginamos a vida extraterrestre?

O Vale do Silício é famoso por valorizar o pensamento ‘disruptivo’ e essa cultura se cruza com a pesquisa do SETI. Desde que o governo dos EUA parou de financiar o SETI em meados da década de 1990, as ideias, a tecnologia e o financiamento do Vale do Silício foram cada vez mais importantes.

Por exemplo, o Allen Telescope Array do Instituto SETI recebeu o nome do co-fundador da Microsoft, Paul Allen, que contribuiu com mais de US $ 25 milhões para o projeto. E, em 2015, o investidor em tecnologia Yuri Milner anunciou o Breakthrough Listen, uma iniciativa SETI de US $ 100 milhões em 10 anos.

Agora, o Instituto SETI, a NASA, a Intel, a IBM e outros parceiros estão tentando solucionar com problemas da ciência espacial por meio de um programa de pesquisa e desenvolvimento de IA chamado Frontier Development Lab. Lucianne Walkowicz, presidente de Astrobiologia da Biblioteca do Congresso, descreveu um método baseado em IA como ‘busca agnóstica de sinais’ no Breakthrough Discuss em 2017.

Walkowicz explicou que isso significa usar métodos de aprendizado de máquina para examinar qualquer conjunto de dados sem categorias predeterminadas e, em vez disso, deixar que os dados se agrupem em suas ‘categorias naturais’. O software então nos permite saber o que se destaca.
Esses sinais poderiam então ser alvo de investigações adicionais.

Acontece que os pesquisadores do SETI acham que a IA pode ser útil em seu trabalho, porque acreditam que o aprendizado de máquina é bom em detectar diferenças. Mas seu sucesso depende de como nós – e a IA que criamos – conceitualizamos a ideia de diferença.

Pensar fora do nosso cérebro também significa pensar fora dos nossos sistemas científicos, sociais e culturais. Mas como podemos fazer isso? A inteligência artificial tem sido usada para procurar simulações do que os pesquisadores imaginam como os sinais de rádio alienígenas possam parecer, mas agora os pesquisadores do SETI esperam encontrar coisas que ainda não estamos procurando.

Graham Mackintosh, um consultor de IA no workshop do Instituto SETI, disse que os extraterrestres podem estar fazendo coisas que nem podemos imaginar, usando tecnologias tão diferentes que nem pensamos em procurá-las. A IA, ele propôs, pode ser capaz de fazer esse pensamento avançado para nós.

Podemos não ser capazes de nos tornar mais inteligentes, mas talvez, sugeriu Mackintosh, possamos fabricar máquinas que sejam mais inteligentes para nós.

Em uma palestra na conferência Breakthrough Discuss deste ano, o astrofísico Martin Rees compartilhou uma esperança semelhante, que a IA poderia levar à ‘inteligência que ultrapassa os humanos tanto, quanto nós intelectualmente ultrapassamos o fungo’.

Se nós nos encontrarmos com limo extraterrestre, o que poderíamos supor sobre sua inteligência?
Um desafio do SETI é que não sabemos os limites da vida ou da inteligência, por isso precisamos estar abertos a todas as formas possíveis de diferença.

Podemos encontrar inteligência nas formas que a ciência euro-americana historicamente desconsiderou: comunidades microbianas, insetos ou outros sistemas complexos, como as relações simbióticas planta-fungo nas redes micorrízicas que aprendem com a experiência.

A inteligência pode aparecer em atmosferas ou geologia em escala planetária, ou como fenômenos astrofísicos. O que parece ser um processo de fundo no universo, ou apenas parte do que pensamos como natureza, pode vir a ser inteligência.

Considere que a maior coisa viva na Terra pode ser um fungo Armillaria ostoyae nas Montanhas Azuis de Oregon Oriental, que se estende por 10 quilômetros quadrados e tem entre 2.000 e 9.000 anos de idade. Embora esse fungo possa não ser o que a maioria das pessoas considere como inteligência, ele nos lembra de pensar no inesperado ao buscar vida e inteligência, e do que poderíamos estar perdendo sob nossos pés.

Pensar diferentemente sobre inteligência significa entender que qualquer coisa que encontrarmos pode ser o primeiro contato com a vida inteligente. Isso pode incluir nosso primeiro encontro com a inteligência geral artificial (sigla em inglês, AGI), também chamada Strong AI, algo mais próximo do computador sensível HAL 9000 de “2001: Uma Odisseia no Espaço” ou o androide Data de “Star Trek: A Próxima Geração“.

À medida que trabalhamos com o aprendizado de máquina para expandir a pesquisa do SETI, também precisamos das ciências sociais para entender como nossas ideias moldam o futuro da IA ​​- e como a IA moldará o futuro de nossas ideias.

Para evitar um ponto de vista centrado no ser humano no SETI, precisamos considerar como codificamos as ideias sobre a diferença na IA e como isso molda os resultados. Isso é vital para encontrar e reconhecer inteligência, pois ainda não a conhecemos. Alguns dos métodos usados ​​na antropologia podem nos ajudar a identificar ideias sobre diferenças que naturalizamos – conceitos tão familiares que parecem invisíveis, como as divisões que muitos ainda vêem entre a natureza e a cultura, ou na biologia e na tecnologia, por exemplo.

Pesquisa recente sobre algoritmos revela como nossas ideias naturalizadas moldam a tecnologia que criamos e como a usamos. E o infame bot de bate papo da Microsoft, Tay, nos lembra que a IA que criamos pode facilmente refletir a pior dessas ideias.

Talvez nunca paremos de desenvolver preconceitos nos mecanismos de pesquisa e estratégias de pesquisa para o SETI, ou de codificá-los na IA. Mas através de colaborações entre cientistas e cientistas sociais, podemos pensar criticamente sobre como conceituamos a diferença.

Uma abordagem crítica e interdisciplinar nos ajudará a entender como nossas ideias sobre a diferença impactam vidas, pesquisas e possibilidades para o futuro, tanto aqui na Terra quanto fora dela.

(Fonte)


Um belo começo para mudança de pensamento de como encontrar a vida alienígena, mas a possibilidade da Inteligência Artificial se virar contra nós é assustadora.

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh