web analytics

NASA testa novo reator de fissão nuclear para longas viagens espaciais


A agência espacial americana completou com sucesso os testes de um novo reator de fissão nuclear. Segundo a agência, o novo modelo deverá substituir os atuais reatores de plutônio empregados em missões de longa duração.

NASA testa novo reator de fissão nuclear
Pesquisadores testam o protótipo do novo reator nuclear da Nasa. O protótipo foi batizado de Krusty.

O novo reator, batizado de Kilopower, utiliza o calor gerado pela fissão dos átomos de urânio e segundo seus projetistas poderá gerar até 40 kilowatts de potência quando totalmente finalizado.

No coração do reator existe um núcleo de urânio enriquecido, encapsulado dentro de um refletor feito de óxido de berilo. A reação nuclear inicia quando uma vareta de carboneto de boro é introduzida dentro do conjunto, produzindo a fissão controlada do urânio. Esse processo gera muito calor, o qual é transportado através de dutos até o gerador termoelétrico.


Veja como funciona um conversor Stirling
Este tipo de reator é parecido com o modelo empregado nas usinas nucleares aqui na Terra, com a diferença que o calor não movimenta uma turbina, mas um conversor do tipo Stirling, de conversão térmica.

Segundo a Nasa, este tipo de reator poderá fornecer energia elétrica constante por centenas de anos, o que é fundamental para missões espaciais interplanetária ou de espaço profundo, que podem durar dezenas de anos.

Prototipo do reator Kilopower
Detalhe do protótipo Krusty, que dará origem ao reator Kilopower.

Atualmente, os reatores usados nas missões de longa duração são conhecidos como RTG (radioisotope thermonuclear generators) que produzem calor a partir do decaimento do plutônio 238. Embora funcionais, esses reatores raramente conseguem fornecer mais de 1 kW de potência.

Outra vantagem do Kilopower em relação aos RTGs é que esses últimos, a partir do momento que são acionados não podem mais ser desligados, enquanto o Kilopower pode ser ligado e desligado diversas vezes. Isso é crucial para as missões de longa duração, pois na maior parte da missão os equipamentos operam em modo de hibernação, praticamente sem consumir energia.

Apolo11.com – Todos os direitos reservados

Colaboração: Osnir Stremel Jr.

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh