web analytics

Começa missão para procurar por vida alienígena em planetas distantes

Um foguete Falcon 9 decolou da Flórida nesta quarta-feira na primeira missão científica de alta prioridade da SpaceX para a NASA, um telescópio orbital-caça planetas projetado para detectar mundos além do nosso sistema solar que podem ser capazes de abrigar vida.

A Transit Exoplanet Survey Satellite, ou TESS, decolou no horário da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral às 18h51, horário da Flórida (em 18 de abril), após um adiamento de dois dias, forçado por uma falha técnica encontrada na segunda-feira no sistema de controle de orientação do foguete.

Dentro de minutos após o lançamento, o propulsor principal se separou da parte superior do foguete e voou de volta à Terra para um pouso bem sucedido em uma embarcação não tripulada flutuante no Atlântico.

Começa missão para procurar por vida alienígena em planetas distantes

O mais recente satélite astrofísico da NASA, enquanto isso, subiu em direção à órbita, iniciando seu trabalho de dois anos, na busca que custou US$ 337 milhões, para expandir o catálogo dos chamados exoplanetas, mundos circulando estrelas distantes.

O lançamento da quarta-feira foi um marco para a Space Exploration Technologies, ou SpaceX, o serviço de lançamento privado, propriedade do empresário bilionário Elon Musk.

A empresa, com sede na Califórnia, lançou missões de carga e outras cargas úteis para a NASA antes. Mas TESS marca o primeiro sob uma certificação especial que a SpaceX obteve para lançar um dos instrumentos científicos de maior prioridade da NASA.

O TESS é projetado para ampliar o trabalho de seu antecessor, o telescópio espacial Kepler, que descobriu a maior parte dos cerca de 3.700 exoplanetas documentados durante os últimos 20 anos e está ficando sem combustível.

A NASA espera identificar mais milhares de mundos anteriormente desconhecidos, talvez centenas deles do tamanho da Terra ou do tamanho de “super-Terras” – não maiores do que duas vezes o tamanho do nosso planeta.

Acredita-se que esses planetas sejam mais propensos a apresentar superfícies rochosas ou oceanos, e são, portanto, considerados os melhores candidatos para a evolução da vida. Os cientistas disseram esperar que o TESS acabará por ajudar a catalogar pelo menos 100 mais exoplanetas rochosos, para um estudo mais aprofundado no que se tornou um dos mais novos campos da astronomia de exploração.

“O TESS vai aumentar drasticamente o número de planetas que temos de estudar”, disse o investigador principal do TESS, George Ricker, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, a repórteres em uma coletiva de pré-lançamento, no domingo.

Mais ou menos do tamanho de uma geladeira com asas de painéis solares e quatro câmeras especiais, TESS levará cerca de 60 dias para chegar a uma órbita altamente elíptica entre a Terra e a Lua, para começar as suas observações.

Como Kepler, TESS usará um método de detecção chamado fotometria de trânsito, que procura por mergulhos repetitivos na luz visível de estrelas, causados por planetas que passam (em trânsito) na frente deles.

TESS irá focar em 200.000 estrelas pré-selecionados que estão relativamente próximas e entre as mais brilhantes, vistas da Terra, o que as torna mais bem adequadas para análise de sensibilidade de acompanhamento.

O telescópio vai se concentrar em estrelas chamadas anãs vermelhas, menores, mais frias e de vida mais longa do que o nosso Sol. As anãs vermelhas também têm uma alta propensão para planetas do tamanho da Terra, presumivelmente rochosos, tornando o terreno potencialmente fértil para uma análise mais aprofundada.

(Fonte)


Infelizmente para nós, esses planetas estão tão longe, que qualquer indício de vida alienígena por lá nas leituras dos dados será sempre recebido com frases como “pode ser”, “há uma possibilidade” e “tudo indica”.

Repito o que sempre defendi: o fenômeno dos OVNIs é real e está bem aqui no nosso planeta. Seria muito mais econômico e eficiente descobrir o que ele é, se é que já não descobriram e estão ocultando de nós.

n3m3

"

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh