web analytics

Seria a humanidade incomum no Universo?

Adam Frank, astrofísico Professor da Universidade de Rochester, escreveu o seguinte artigo para a seção de ciência do site da National Public Radio, nos EUA:

Seria a humanidade incomum no Universo?

Estamos entrando em território desconhecido.

Por mais de 2.000 anos, nós humanos temos discutido sobre a vida e, em particular, a vida inteligente no universo. Mas discutir era praticamente onde sempre tudo terminava.

Durante todo esse tempo, nunca tivemos [oficialmente] nenhuma evidência ou qualquer dado que pudesse levantar a discussão acima de duas pessoas com opiniões diferentes gritando umas com as outras.

Mas esta época pode estar chegando ao fim.

A revolução sobre ‘exoplanetas’ dos últimos 20 anos nos mostrou que o universo está inundado de mundos alienígenas. Mais empolgante ainda é que agora temos métodos em que as atmosferas desses mundos podem fornecer evidências indiretas – chamadas ‘bio-assinaturas’ – para a existência da vida.

Nas próximas décadas, podemos finalmente ter dados relevantes para a questão da outra vida no universo.

Mas e se quisermos perguntar sobre inteligência? E sobre civilizações alienígenas – ou, como gosto de chamá-las, as ‘exo-civilizações’? Isso é algo em que tenho pensado muito nos últimos anos (é o assunto do meu novo livro). Ao realizar meus próprios estudos, muitas vezes me senti atraído pelo trabalho do astrofísico de Harvard, Avi Loeb.

Loeb trabalha em uma variedade de assuntos, inclusive buracos negros e a história cósmica inicial.
Mas junto com o colaborador Manasvi Lingam, Loeb realizou trabalhos simultaneamente profundos e amplos sobre o tema da astrobiologia e de exo-civilizações.

Quando pensamos em alienígenas e ciência, normalmente pensamos na Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI). Isso muitas vezes significa que os radiotelescópios estão sendo usados ​​para procurar mensagens propositalmente transmitidas a nós de uma exo-civilização. Mas, ao contrário desses tipos de sinais intencionais, uma ‘assinatura technológica’ é um marcador não intencional da existência da civilização. Com a descoberta de muitos ex-planetas, os astrônomos passarão muito tempo observando esses outros mundos em diferentes comprimentos de onda de luz (não apenas de rádio). É assim que eles esperam encontrar bio-assinaturas.

Mas e as assinaturas tecnológicas?

Loeb e Lingam exploraram várias maneiras diferentes de encontrarmos marcadores de outra civilização. Quais seriam, por exemplo, as consequências de uma civilização que cobre grandes porções de seu planeta com células solares para gerar energia? Lingam e Loeb mostraram que a luz refletida de tal planeta carregaria um ‘sinal’ de todo aquele silício na superfície do planeta, tornando-se um exemplo intrigante de uma assinatura technológica.

Nas últimas duas semanas, tive a chance de fazer algumas perguntas a Loeb sobre o que deveríamos pensar quando consideramos exo-civilizações. Com relação às assinaturas tecnológicas, Loeb foi rápido em apontar que uma civilização não precisa estar viva agora para encontrarmos suas assinaturas tecnológicas.

“Existe, é claro, o paradoxo de Fermi, que pergunta onde estão todos”, disse Loeb. Uma possível resposta ao Paradoxo de Fermi é que as civilizações não duram muito tempo. Mas algumas assinaturas tecnológicas podem permanecer mesmo depois que uma civilização termina.
“É possível que, quando pesquisamos planetas, possamos encontrar artefatos de civilizações mortas que não estão mais por perto”, acrescentou Loeb.

Painéis solares que abrangem todo o planeta oferecem um exemplo de tais artefatos possíveis, já que eles ainda poderiam existir na superfície do planeta, muito tempo depois que a civilização que os construíram entrou em colapso.

Uma das ideias mais intrigantes levantadas por Loeb foi que os tipos mais comuns de assinaturas tecnológicas podem não ser coisas que temos a sensibilidade de encontrar ainda. Apontando para o que está acontecendo com Elon Musk e Jeff Bezos e seus esforços espaciais, Loeb disse: “Finalmente, podemos ter a capacidade de lançar muitas coisas no espaço”.

Uma vez que a civilização se torne verdadeiramente interplanetária, haverá muitos artefatos existentes no espaço, e não em planetas. Loeb chama essas mensagens de objetos físicos em uma garrafa, porque se tivéssemos sensibilidade suficiente, poderíamos vê-las.

“Essas coisas seriam muito difíceis de serem detectadas porque estariam eliminando energia muito baixa”, disse Loeb.

Loeb apontou para a recente descoberta do Oumuamua, um “asteroide” [dizem os cientistas] de outro sistema estelar, que foi capturado vagando pelo nosso. Nossa capacidade de encontrar o Oumuamua dependia dos avanços na tecnologia dos telescópios. Quando se trata de assinaturas tecnológicas, Loeb se pergunta se, talvez, também possa haver naves espaciais de outras civilizações.

“O meio interestelar pode estar cheio dessas coisas, mas como as encontraríamos?”
Loeb perguntou.

Em seus comentários para mim, Loeb apontou para a detecção de ondas gravitacionais, as ondulações no espaço e no tempo previstas pela teoria da relatividade de Einstein. Demorou muitas décadas para os cientistas desenvolverem instrumentos sensíveis o suficiente para detectarem esses sinais que vêm de coisas como a colisão de buracos negros. O exemplo da onda gravitacional mostra como a detecção de qualquer coisa depende dos avanços tecnológicos.

Assim, quando se trata de assinaturas tecnológicas, à medida que nossas tecnologias melhoram, podemos de repente encontrar muitos sinais da atividade das civilizações tecnológicas.

Loeb é essencialmente otimista sobre a pesquisa.

“Nós, humanos, provavelmente não somos especiais”, disse ele, explicando que, com tantos planetas no universo, a ascensão das civilizações pode não ser tão incomum.

Mas a crença de Loeb de que “não somos especiais” ocupa um lugar secundário em sua dedicação científica aos dados.

“Eu dou a palavra final aos fatos”, disse ele. Então, para Loeb, o esforço agora deve ser o desenvolvimento de tecnologias e estratégias de busca para que possamos simplesmente sair e olhar.

E isso é o que torna o nosso momento na história tão único. Estamos prontos para começar a encarar os exoplanetas e seus ambientes de todas as maneiras.

O que você acha que vamos encontrar?

(Fonte)


Irrelevante do que os cientistas encontrarem, ou do que provavelmente já encontraram (como foi o caso do Oumuamua, dentre tantos outros), nenhum cientista irá declarar definitivamente ter descoberto sinais de vida alienígena, pois será imediatamente zombado pelos seus pares, como tem sido feito há décadas dentro da ciência de tendência predominante.

Uma lástima.

Objeto com tecnologia alienígena realmente visitou nosso sistema solar, alguns cientistas estão convencidos

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh