web analytics

Buracos negros podem apagar o nosso passado

Buracos negros podem apagar o nosso passado

No que diz respeito à ciência convencional, nosso mundo é determinista. A leva a B que leva a C. Apesar dos melhores esforços de políticos revisionistas, o passado é imutável. Apenas entre você, eu e essa bela implementação do WordPress, Vitor Cardoso da Universidade de Lisboa e Peter Hintz da Universidade da Califórnia, em Berkeley, consideram que modelaram uma classe de buracos negros extra-especiais que podem apagar seu passado.

Para entender melhor o que Hintz está insinuando, você deve entender os buracos negros. Os buracos negros são os cadáveres de estrelas onde a massa inteira é empacotada em uma área infinitesimal. Nesse espaço, a gravidade aproxima-se do infinito, tornando-se tão forte que nem mesmo a luz pode escapar. Este é um horizonte de eventos, um ponto-de-não-retorno de um buraco negro. Tudo fora desta barreira, mesmo por um bigode, tem alguma esperança de escapar. À medida que um astronauta hipotético cai para o horizonte do evento, o tempo desacelera de acordo com a teoria da relatividade geral de Einstein. No início, os séculos passarão em minutos. Ao chegar mais perto, milênios passariam no lapso de um batimento cardíaco. Mais profundamente no buraco negro, os eons voarão ao piscar de olhos, até o momento, tal como conhecemos, chega a uma parada gritante. Nesse ponto, tudo fora do horizonte de eventos do buraco negro parece acontecer de uma só vez, se um explorador de buracos negros estiver olhando naquela direção.

A jornada não pára por aí, já que há outra barreira mais profunda chamada horizonte de Cauchy. Um horizonte de Cauchy é o ponto onde o determinismo se degrada. Um lugar onde o passado já não determina o futuro. Se alguém não conhece o estado inicial de uma estrela, ninguém pode conhecer o futuro desse objeto. Na esperança de sair da confusão do indeterminismo, Roger Penrose colocou a hipótese da ‘forte censura cósmica‘, onde a relatividade geral impede qualquer coisa de atravessar um horizonte de Cauchy. Em vez disso, cada fóton capturado, toda a energia absorvida de um buraco negro, e tudo oculto em âmbar cósmica é aniquilado, ou censurado, simultaneamente contra o horizonte de Cauchy.

Muito legal, exceto que a relatividade geral diz que nós existimos em um universo cada vez mais acelerado e em expansão.

Na verdade, a energia disponível para cair no buraco negro é somente a contida no horizonte observável: o volume do universo que o buraco negro pode esperar ver ao longo de sua existência. Para nós, por exemplo, o horizonte observável é maior do que os 13.8 bilhões de anos-luz que podemos ver no passado, porque inclui tudo o que veremos para sempre no futuro. A expansão acelerada do nosso universo nos impedirá de ver além de um horizonte de cerca de 46,5 bilhões de anos-luz.

Nesse cenário, a expansão do universo neutraliza a ampliação causada pela dilatação do tempo dentro do buraco negro, e para certas situações, cancela totalmente. Nesses casos – especificamente, nos buracos negros lisos e não rotativos com uma grande carga elétrica, os chamados buracos negros Reissner-Nordström-de Sitter – um observador poderia sobreviver, passando pelo horizonte de Cauchy e em um mundo não determinista.

Qualquer coisa passando por um horizonte de Cauchy já não tem passado. Todos aqueles momentos vergonhosos de sua vida serão perdidos no espaço-tempo como lágrimas na chuva. Minha pergunta é: o passado foi apagado ou você está em um universo paralelo? …

…A probabilidade de algo sobreviver a um buraco negro e passar por um horizonte de Cauchy parece ser boa no papel…

Uma ressalva diz que esses buracos negros Reissner-Nordström-de Sitter especiais acabarão perdendo sua carga. Sem carga, o horizonte de Cauchy é uma zona inoperante, intransponível para um explorador de buracos negros. Tudo não está perdido, pois Hintz aponta outra espécie chamada de buracos negros Kerr-Newman-de Sitter, que são lisos e rotativos, e também podem ter condições perfeitas para os horizontes de Cauchy, sem necessidade de carga elétrica. E Cardoso e Hintz têm uma ideia de como detectar esses objetos.

[Peter Hintz] descobriu esses tipos de buracos negros, juntando-se com Cardoso e seus colegas, que calcularam como um buraco negro soa quando atingido por ondas gravitacionais, e qual dos seus tons e toques durou mais tempo. Em alguns casos, mesmo a maior frequência de sobrevivência decaiu rapidamente o suficiente para impedir que a amplificação torne o horizonte de Cauchy em uma zona morta.

Com observatórios gravitacionais emergindo como cogumelos na esperança de detectar novas físicas, existe uma forte possibilidade de que a humanidade finalmente observará essas ondas gravitacionais moduladas. Se formos suficientemente inteligentes, poderíamos replicar o fenômeno aqui na Terra, e dar início a uma indústria em expansão para limpar históricos bagunçados, ou dar um novo fôlego à vida.

(Fonte)


Obviamente, são somente teses difíceis de serem comprovadas, pois ninguém jamais chegará perto de um buraco negro para prová-las. Mas para muitas pessoas, apagar seus passados seria algo que lhes viria a calhar.

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh