web analytics

Como poderíamos possivelmente falar com os alienígenas?

falar com os alienígenas

Desde que nós, como espécie, tomamos consciência de outras estrelas e planetas além do nosso, soltamos a nossa imaginação sobre o que poderia estar lá, ou se realmente estamos sozinhos no universo nesta rocha que chamamos de Terra. Existem outras criaturas ou seres que habitam outras estrelas e, em caso afirmativo, os veremos ou até mesmo conversamos com eles? Estes são os sonhos da nossa raça, as questões que ainda se destacam em toda a paisagem da nossa psique. Há alguém lá fora? Além disso, se houvesse alguma outra raça lá fora, e realmente conseguíssemos entrar em contato com ela em todo o mar das estrelas, como seriam? Poderíamos conversar com esses visitantes alienígenas e, talvez o mais importante, o que diríamos a eles?

O enigma de como nos comunicaríamos com os extraterrestres nos últimos anos foi seriamente considerado, e apesar de todas as pessoas muito inteligentes que trabalham nisso, na maioria das vezes somos deixados no escuro e despreparados para o que a conversa com um alienígena poderia realmente ser.

Se os alienígenas tivessem que descer e cumprimentar-nos, digamos, amanhã, provavelmente seríamos confrontados com inúmeros desafios até mesmo além da linguagem, como a cultura, os costumes, os modos de pensar e até possivelmente um conceito diferente e a percepção da própria realidade. Poderíamos nem reconhecê-los como qualquer tipo de vida, tal como a conhecemos.
Mas, se presumíssemos que poderíamos começar a conversar, haveria vários obstáculos potenciais logo no inicio, e não menos importante é que nossos corpos provavelmente seriam completamente diferentes, e isso poderia ter muitas repercussões possíveis.

Por um lado, uma vez que o idioma é uma representação de nossos pensamentos, que são amplamente baseados em como percebemos e interagimos com o mundo, as línguas humanas refletem os conceitos de nossos sentidos de visão, cheiro, toque e outras pistas de nosso mundo, através de nossa forma física, nossa evolução compartilhada, e ações e reações físicas, como risadas ou choros.

O que acontece então se uma raça alienígena não tiver olhos ou ouvidos ou boca, ou experimente o mundo de uma maneira totalmente diferente? E se eles não tiverem o mesmo relacionamento físico com o mundo que nós temos com o nosso? E se eles não rirem ou chorarem, ou se emocionarem como nós fazemos, ou não tiverem os mesmos sentidos? Eles podem não ter entendimento de tudo sobre o que nossos conceitos de percepção são, bem como uma maneira totalmente diferente de experimentar e pensar sobre tempo e realidade, e isso reverberá ao longo de todo o seu modo de pensar e comunicação, e de fato, seu próprio ser.

Tudo isso foi bastante bem explorado no filme A Chegada, no qual uma equipe de linguistas é encarregada de decifrar o misterioso idioma de uma espécie decididamente não humanoide, com uma linguagem e visão muito diferentes do tempo e do espaço.

Mesmo dentro das linguagens humanas aqui na Terra, podemos ver até certo ponto como os efeitos de nossas habilidades sensoriais, nossa educação e nossas percepções sobre o mundo que nos rodeia podem mudar métodos e meios de comunicação. Por exemplo, pessoas surdas usam linguagem gestual como meio de comunicação, quando o sentimento de audição é roubado delas. No entanto, embora as linguagens humanas emitam todos os sons de forma única e até mesmo estranhas às vezes, e existem linguagens de sinais e outras, as quais ainda são baseadas em nossa percepção compartilhada do universo, através da mesma biologia, morfologia, anatomia e fisiologia comuns e, portanto, seguem as regras que todos podemos entender e que nos da pelo menos uma chance de reproduzi-las.

Outro obstáculo importante com diferenças na forma física seria como produzimos e detectamos sons e, portanto, a linguagem. Para os seres humanos, usamos um trato vocal e nossos ouvidos, e há uma gama de frequências muito finita e definida através da qual podemos detectar os sons que pronunciamos. Com alienígenas, eles estariam trabalhando com um conjunto diferente de órgãos, frequências e fisiologia para a fala, isto é, se eles ‘falarem’ da forma que conhecemos. Suas declarações poderiam ser feitas através de órgãos estranhos para os quais não temos uma aproximação ou mesmo uma compreensão; provavelmente seriam feitas em frequências, vibrações ou cadências que não seríamos capazes de detectar ou reconhecer como linguagem, e seriam feitas através de
uma atmosfera diferente para tornar tudo ainda pior.

Estes seriam sons completamente de outro mundo, sons não-humanos; talvez não possamos discernir fisicamente as distinções que eles criam, e considerando que muitos animais em nosso próprio planeta podem falar em linguagem e, no entanto, estamos completamente na escuro quanto ao que eles estão dizendo, isso provavelmente seria ainda mais pronunciado com algo além das estrelas. Talvez, incrivelmente, de forma indecifrável.
Simplificando, se não podemos detectar fisicamente seus sons e não podemos reproduzi-los, a comunicação vocal é virtualmente impossível.

Vamos supor que podemos ultrapassar esses obstáculos, e que podemos ouvir e ser ouvidos um ao outro de forma significativa. Os problemas ainda não terminariam. As próprias regras da nossa língua e a forma como elas são apresentadas estão intrinsecamente ligadas à nossa biologia e mentalidade também. Uma linguagem alienígena pode não ter nenhuma parte da linguagem que damos por certa, como verbos, adjetivos e substantivos. Ela possivelmente não poderia ver coisas como causa e efeito, ou a passagem do tempo da mesma forma que nós, e potencialmente siga certas regras , lógica e estruturas tão diferentes das nossas que não conseguiríamos compreendê-las mutuamente. Nós, como seres humanos, compartilhamos a cognição e estruturas linguísticas comuns, psicologias básicas e características, mas não podemos contar que os alienígenas possam fazê-lo.

Jessica Coon, professora de linguística da Universidade McGill em Montreal, que foi consultada a respeito da comunicação extraterrestre para o filme A Chegada, disse:

O que os linguistas descobriram sobre as línguas humanas é que, embora possam parecer muito diferentes uma da outra, e suas gramáticas mostram muita variação … as línguas tendem a se enquadrar em certos padrões. A maioria das línguas do mundo se enquadra em um ou outro desses padrões. A variação não é completamente irrestrita. Os seres humanos parecem ser programados para essa capacidade de aprender linguagem. Como faz parte da nossa genética e parte de ser humano, é muito improvável que outras criaturas tenham os mesmos tipos de restrições ou demonstrem os mesmos tipos de semelhanças que as línguas humanas. Teríamos que somente esperar que ainda possamos reconhecer padrões, e combiná-lo com o que estamos vendo.

O notável linguista americano e cientista cognitivo Noam Chomsky também ofereceu seus pensamentos sobre a herança de problemas linguísticos com a tentativa de conversar com seres extraterrestres, com os quais não temos conhecimento cognitivo compartilhado de como a linguagem funciona.

Ele disse:

Se um marciano pousasse aqui do espaço e falasse uma linguagem que violava a gramática universal, simplesmente não poderíamos aprender essa linguagem como aprendemos uma linguagem humana como inglês ou o swahili. Somos projetados por natureza para o inglês, chinês e todas as outras línguas humanas possíveis. Mas não fomos concebidos para aprender idiomas perfeitamente utilizáveis ​​que violem a gramática universal.

O formidável desafio que isso apresentaria já pode ser visto até mesmo entre as línguas humanas aqui em nosso próprio planeta, onde às vezes existem coisas em outras línguas que não temos palavra, ou a falta de palavra para algo que damos por certo. Um povo tropical pode não ter palavra para ‘neve’, por exemplo, ou qualquer conceito do que poderia ser. Algumas línguas remotas e isoladas são tão estranhas aos outros que nem sequer têm palavras, conceitos ou frases para as coisas que a maioria das pessoas de outras línguas provavelmente aceitaria. Por exemplo, o povo Pirahã da Amazônia brasileira não tem palavras para contar as coisas. É ‘um’ ou ‘mais de um’, e pronto. Eles também não têm palavras claras para determinadas direções, como ‘esquerda’ ou ‘direita’, e compreende-los é um grande desafio, mesmo que eles sejam humanos. Imagine uma entidade completamente não humana, com regras ainda mais estranhas de linguagem e idiossincrasias gramaticais, e você pode ver como um intercâmbio significativo pode ser um problema.

Jesse Snedeker, uma psicóloga de Harvard que estuda o desenvolvimento da linguagem em crianças, disse sobre isso:

Sabemos que cada criança pode aprender todas as linguagens humanas possíveis. Toda criança tem que ter algum tipo de capacidade interna que lhes permita aprender linguagem. Temos que nos perguntar: ‘Teríamos a capacidade de aprender línguas alienígenas, e eles teriam a capacidade de aprender a nossa?’ E pessoas diferentes lhes dariam respostas muito diferentes a essa pergunta.

Por outro lado, há o argumento de que qualquer espécie que atinja um alto nível de tecnologia compreenderia necessariamente certos conceitos, de modo que deveria fornecer uma base para pelo menos um grau limitado de comunicação.

É aí que começamos a ver que toda a esperança não está necessariamente perdida, e uma coisa vista como a chave para realmente podermos começar a comunicação com alienígenas é encontrarmos um ponto comum para usar como ponto de partida. Uma boa maneira de fazer isso seria ter algum tipo de chave, algo como a pedra de Rosetta, que nos ajudou a decifrar os hieróglifos egípcios antigos. Esta foi uma ideia lançada em ficção científica anteriormente, como o uso dos tons nos Contatos Imediatos do Terceiro Grau, de Spielberg, ou o uso de números primos no livro Contato de Carl Sagan.

Se pudéssemos ter algum quadro comum de referência e algum lugar para começar, então existe a chance de podermos trabalhar para uma comunicação significativa.

Uma das melhores maneiras de fazer isso foi vista nos últimos anos como sendo usar a matemática ou informações científicas, como a física, como uma espécie de ‘linguagem universal’ e ponto de partida. Afinal, como as leis da física e da realidade são as mesmas em todo o universo, é óbvio que qualquer sociedade avançada teria uma compreensão dessas coisas da mesma forma, independentemente de como finalmente pensamos nelas ou as expressamos na linguagem. Não importa quais sejam as nossas diferenças ou desvios fisiológicos para ver o mundo e o universo, a física é a mesma em todos os lugares, e assim seria uma semelhança que poderíamos usar.

Carl DeVito, um membro do corpo docente emérito no departamento de matemática da Universidade do Arizona, em Tucson, acredita que, embora essa troca de informações científicas seja talvez a chave para a comunicação com alienígenas, ainda assim enfrentaríamos alguns desafios. O primeiro é a ideia de que isto ainda depende da compreensão dos sistemas de medição dos alienígenas, bem como da dependência de que eles podem contar e fazer a aritmética como nós, que eles reconhecem os mesmos elementos da tabela periódica, que eles têm estudado adequadamente os diferentes estados da matéria e que eles conhecem a química suficiente, como a conhecemos, para realizar cálculos químicos da mesma forma que fazemos. Ele também aponta que, embora a física seja a mesma, esses extraterrestres podem calcular suas regras de movimento e mecânica com base em sua própria geometria única.

DeVito disse sobre isso:

A matemática do movimento é cálculo diferencial. Podemos presumir que uma raça alienígena compartilhe isso conosco? O cálculo diferencial e integral é tão fundamental em tantas áreas da ciência, que é difícil imaginar uma ciência sem eles. Mas este é, talvez, um viés humano.

Nós, é claro, não podemos saber, mas devemos estar conscientes de que a física de uma raça alienígena, mesmo em uma área fundamental como a mecânica, pode diferir em maneiras sutis, mas importantes, da nossa.

O uso de matemática e física ainda é visto como uma maneira potencial de romper nossa barreira de comunicação, ao ponto em que é usado por organizações que buscam alcançar e fazer contato, como o SETI. No entanto, mesmo que possamos expressar mensagens simples entre si com a matemática, ainda existem as complexidades da cultura e do pensamento, as quais moldarão a forma com que as mensagens e idéias são expressas e interpretadas.

Doug Vakoch, presidente da Messaging Extraterrestrial Intelligence, METI e respeitado pesquisador de xenolinguística, falou sobre esse enigma:

Se eles podem construir uma nave espacial para vir à Terra, eles têm que ter uma compreensão de boa engenharia, física, ciência, matemática. Mas fazer o trabalho detalhado de ir e voltar, e adivinhar o que um alienígena diz, tentando interpretar os redemoinhos e determinar uma frase ou conceito? É difícil. Transmitir os assuntos. Você precisa de flexibilidade de linguagem com suas combinações infinitas. Nossa arte e cultura – isso tudo vem a partir do idioma; não são apenas números brutos.

Além da promessa de usar matemática, há também o fato esperançoso de que, afinal, é possível que as psiques e a fisicalidade dos alienígenas não sejam tão diferentes das nossas, como pensamos. Por exemplo, em nosso próprio planeta, podemos ver organismos muito diferentes que, no entanto, desenvolveram formas surpreendentemente semelhantes de lidar com o meio ambiente e o mundo ao seu redor, como a evolução de olhos, orelhas, pernas, asas e órgãos similares que evoluem separadamente entre as espécies de forma independente, ou às vezes as mesmas estruturas várias vezes, tudo no processo chamado ‘evolução convergente’.

Talvez em outras áreas do universo, os extraterrestres evoluíram de forma semelhante a nós mesmos, especialmente uma espécie inteligente que use ferramentas, que teria desenvolvido a comunicação e a tecnologia em primeiro lugar, ou que evoluíram em condições semelhantes às nossas, para as quais nossas arquiteturas mentais e línguas não sejam necessariamente incompatíveis ou ininteligíveis. Esta teoria postula que existem, possivelmente, elementos universais suficientes para como pensamos e evoluímos para certos desafios ambientais, que isso seria um fundamento suficiente para aprofundar um quadro básico, a partir do qual seria possível uma maior comunicação. Ainda mais promissor é que, com todas as transmissões que lançamos nas estrelas, os alienígenas teriam potencialmente uma amostragem bastante boa de nossas línguas e comunicações para facilitar a conversação entre nós com facilidade, ainda sem ter nos encontrado. Para esta possibilidade Coon disse:

Se você tem informações contexto e história suficientes, acho que há esperança de que, mesmo sem muita interação, você possa fazer progressos, pelo menos significativos, na compreensão da gramática de um idioma – novamente, dependendo da probabilidade de que possamos ser capazes de entender a vida alienígena. Eu não ficaria surpreso se as criaturas que pudessem fazer naves espaciais gigantes, que simplesmente aparecessem na Terra, pudessem facilmente descobrir nossas línguas a partir das muitas transmissões que colocamos no espaço exterior, e que possamos fazer o mesmo com suficiente recursos e informações.

Uma coisa que vale a pena considerar é que, mesmo que superemos todos esses desafios consideráveis ​​e possamos nos comunicar, olhemos para nós aqui na Terra. Com nossas diferentes culturas, formas de pensar, valores e nuances linguísticas, a comunicação entre humanos pode ser confusa e difícil, com mal-entendidos e gafes comuns. Como podemos esperar resolver essas questões com uma civilização alienígena de outra estrela? No final, simplesmente não sabemos. Como nunca tivemos contato com alienígenas, pelo menos até onde sabemos, não há precedentes para isso, e não podemos saber o que esperar quando esse dia acontecer. É impossível saber o que a forma esses seres terão, como eles vão pensar ou como eles se comunicarão. Será fácil ou permanecerá para sempre fechado atrás da portas mútuas da incompreensibilidade? As respostas permanecem complexas, tudo é deixado inteiramente para a especulação e a imaginação, e só saberemos quando finalmente fizermos esse primeiro contato que sempre sonhamos.

(Fonte)


E, é claro, os cientistas não consideram nem de perto a possibilidade de que os humanos da Terra foram implantados aqui por “alienígenas” dos confins da galáxia, e compartilham da mesma forma de pensar e estruturar suas linguagens. Isto facilitaria muito a comunicação, não é mesmo?

Logicamente, devido ao fato do Universo ser tão vasto, poderemos encontrar de tudo lá fora, não só raças similares a nós.

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh