web analytics

Anomalia encontrada abaixo da África poderá causar a inversão dos polos

Anomalia encontrada abaixo da África

Segundo os cientistas, essa anomalia misteriosa poderia ser um precursor da inversão dos pólos da Terra.

Novos estudos científicos encontraram algo bastante alarmante.

O campo magnético da Terra está dramaticamente enfraquecendo. Conforme observado por uma nova pesquisa, a ruptura do campo magnético da Terra faz parte de um padrão que existe nos últimos 1.000 anos.

E, embora os especialistas sabiam que o campo magnético da Terra tem enfraquecido ao longo das décadas, de todos os lugares do planeta, uma região da África sofre uma anomalia mais perigosa do que o resto.

Nosso planeta está envolvido em um campo magnético dipolar que se origina no núcleo do planeta.

Este campo se move à medida que o núcleo flui e, após longos períodos geológicos, os pólos da Terra podem mudar de posição, enquanto o norte magnético se move para o sul (e vice-versa).

Este é um processo que pode durar até milhares de anos, e a última vez que aconteceu foi cerca de 780.000 anos atrás.

Alguns pesquisadores dizem que devemos estar preocupados.

Mas por que exatamente?

Bem, se os pólos da Terra realmente mudam, o principal problema é que, durante o processo, a intensidade do campo magnético que protege nosso planeta da radiação solar variará mais do que o normal. Os cientistas temem que, durante esta ocorrência, o campo magnético do planeta possa permitir que a radiação mais perigosa do espaço penetre na camada protetora, causando problemas na superfície do planeta.

A partir de agora, não temos ideia de quando a inversão poderá ocorrer, especialmente devido à falta de dados.

No entanto, os pesquisadores passaram anos estudando uma série de pistas que podem ajudar a prever essa inversão hipotética, tanto quanto possível.

Este estudo apontou especialistas para uma parte na Terra que é preocupante. Referida como a Anomalia do Atlântico Sul: uma área maciça que se estende desde o Chile até o Zimbábue.

Cientistas dizem que o campo é tão fraco dentro da anomalia que é perigoso para os satélites entrarem em contato com ela, uma vez que a radiação adicional que ele deixa passar pode interromper dispositivos eletrônicos.

“Sabemos há bastante tempo que o campo magnético vem mudando, mas realmente não sabíamos se isso era incomum para esta região em uma escala de tempo mais longa, ou se era normal”, diz o físico Vincent Hare da Universidade de Rochester, em Nova York.

No entanto, a evidência do enfraquecimento do campo magnético da Terra e a possível inversão dos pólos é escassa, principalmente devido à falta de dados arqueomagnéticos: evidência física do magnetismo no passado da Terra, preservada nas relíquias arqueológicas dos tempos antigos.

De acordo com um estudo recente, há cerca de 1000 anos, os povos bantus realizaram rituais em tempos de dificuldades ambientais.

Durante períodos de seca, eles queimavam suas cabanas de argila e grãos, em um ritual de limpeza sagrada para fazer com que as chuvas retornassem, sem saberem que realizaram um tipo de trabalho de campo científico para pesquisadores séculos mais tarde.

‘Quando você queima argila em temperaturas muito altas, você realmente estabiliza os minerais magnéticos, e quando esfriam a partir dessas temperaturas muito altas, eles bloqueiam um registro do campo magnético terrestre’, uma equipe,

O geofísico John Tarduno explica:

Estávamos procurando por comportamento recorrente das anomalias, porque pensamos que é o que está acontecendo hoje e causando a Anomalia do Atlântico Sul.

Encontramos evidências de que essas anomalias ocorreram no passado, e isso nos ajuda a contextualizar as mudanças atuais no campo magnético.

O fato de que os antigos queimavam suas cabanas de argila e grãos permitiu que os especialistas descobrissem que o enfraquecimento da chamada Anomalia do Atlântico Sul não é um fenômeno autônomo na história, pois flutuações semelhantes foram ‘registradas’ em 400-450 D.C., 700-750 D.C. e 1225-1550 D.C.

Além disso, como observado pelo Science Alert, o fato de que há um padrão, nos diz que a posição da Anomalia do Atlântico Sul não é um acaso geográfico.

“Estamos obtendo evidências mais fortes de que há algo incomum sobre o limite do núcleo-manto sob a África, que poderia ter um impacto importante no campo magnético global”, diz Tarduno.

(Fonte)

Colaboração: Osnir Stremel Júnior


Já há anos os cientistas vêm falando sobre uma possível inversão dos polos e, se isso ocorrer, ninguém sabe realmente o que poderá acontecer com os equipamentos eletrônicos que grande parte da raça humana depende nos dias de hoje.

Quem sabe, logo saberemos.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh