web analytics

A procura por alienígenas começou agora – na Antártica

A procura por alienígenas começou agora

(Georgia Tech) Britney Schmidt, pesquisadora da Georgia Tech testou os limites de robôs subaquáticos que nadavam nas placas de gelo da Antártica, um treinamento para a busca da vida no espaço exterior, e as coisas não estão fáceis.

 

“Sempre que você pega o trabalho do seu programa inteiro e o pendura em um cabo de fibra óptica através de metros de gelo … é um pouco desconcertante”, Britney Schmidt conta à Popular Mechanics, num e-mail da estação de pesquisa antártica, na ponta sul da Ilha Ross.

Esta semana, Schmidt e sua equipe de pesquisadores estão saindo da Antártica depois de três meses ocupados na extremidade da Terra. Eles estão testando o Icefin, um drone construído para explorar os ecossistemas extremos que espreitam sob o gelo grosso. As águas sob a camada de gelo do nosso planeta são fascinantes, contendo espécies que poucas pessoas já observaram. Mas elas não são o alvo final dessa pesquisa.

 

Mares alienígenas

Icefin está destinado a procurar por vida alienígena – uma ‘caça ao inseto’, como alguns cientistas o chamam. Ele está destinado para as águas geladas da lua de Júpiter, Europa, possivelmente em 2030.

Britney Schmidt disse:

O novo equipamento inclui novos sensores … para ver se a lua Europa poderia abrigar a vida.

O Icefin poderá ser lançado através de pequenos furos no gelo, semelhante ao que um dia será necessário para explorar a Europa. Enquanto isso, este projeto procura entender como as interações gelo-oceano operam na Antártica, e como esses processos podem se acoplar a comunidades biológicas.

Como muitos drones submarinos, o Icefin de 3 metros de comprimento tem forma de torpedo. Ele foi manchete em 2014 como um dos protótipos de drones que foram usados na Antartica como parte de um programa da NASA para testar a tecnologia. Agora, um novo programa chamado Ross Ice Shelf e Europa Underwater Probe (RISE UP), a NASA está financiando três expedições para colocar um Icefin atualizado sob o gelo. Este foi seu primeiro teste.

O novo equipamento inclui sensores para monitorar produtos orgânicos e medir fatores ambientais como a presença de oxigênio dissolvido e níveis de acidez, para ver se Europa poderia apoiar a vida em seus mares subterrâneos.

A pesquisadora disse:

Conseguimos fazem com que o Icefin ‘voasse’ muito bem, exercitamos todos os nossos instrumentos e obtivemos excelentes dados de três sites-alvo diferentes, inclusive atravessar mais de dois quilômetros para fora da plataforma de gelo McMurdo, atingindo o fundo do mar abaixo da prateleira em duas áreas e profundidades [530 metros e cerca de 800 metros]…

 

 

Lugares longínquos

A Antártica é um sonho para muitos cientistas, mas na realidade é um trabalho árduo em condições extremas…

…Embora a Antártica ofereça uma cópia aproximada das águas frígidas da Europa, as condições extremas trazem algumas desvantagens. Uma das aspirações finais e maiores de Schmidt foi se tornar a primeira equipe a operar um veículo para explorar a área sob a plataforma de gelo de Ross, submergindo o Icefin através de um furo perfurado no campo remoto HWD2. Sua equipe teve seu equipamento embalado e pronto para ir, mas o clima não estava cooperando.

Ela lamentou:

O tempo, sim, o tempo. Este ano, um banco de nevoeiro de 800 quilômetros estacionou sobre o nosso acampamento avançado, e toda vez que o nevoeiro abria era durante um tempo em que os aviões não voam, então nunca conseguimos chegar lá. Isso foi absolutamente doloroso.

Apesar da decepção, Schmidt chama esta temporada de pesquisa um enorme sucesso para o Icefin. Examinando os resultados, a equipe está descobrindo que os mergulhos da plataforma de gelo produziram resmas de dados que ‘pintam uma imagem bonita de como as coisas mudam, espacialmente sob o gelo’. Mas, como essa missão é centrada na busca da vida, Schmidt encontrou outros tipos de vida alienígena, animais que poucas pessoas na Terra já viram.

Quando o Icefin mergulhou no fundo do mar, eles encontraram criaturas estranhas e feias esperando por eles.

Ela disse, referindo-se aos habitantes estranhos e plumosos que chamam a Antártica de casa:

Meus momentos favoritos no fundo do mar foram nossas visitas por crinóides … foi incrível de se ver.

Quem sabe o que outras coisas incríveis Icefin poderá ver sob o gelo na sexta rocha de Júpiter.

(Fonte)


Embora o artigo fale que a sonda Icefin está destinada a “procurar pela vida”, a pesquisadora disse que “o novo equipamento inclui novos sensores … para ver se a lua Europa poderia abrigar a vida“. Provavelmente, isto significa que a sonda não irá procurar por vida diretamente, o que é uma “enrolação sem tamanho”, destinada a postergar ao máximo o anúncio daquilo que já é óbvio. 

Até 2030, espero que esta sonda não seja mais necessária, por já termos uma oficialização da vida extraterrestre de outra forma muito mais econômica.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh