web analytics

Novo estudo sugere que há uma boa chance de encontrarmos vida em Marte

chance de encontrarmos vida em Marte

Um novo estudo no deserto mais seco do mundo sugere que pode haver vida espreitando no solo de Marte.

Pesquisadores da Universidade Estadual de Washington (EUA) viram a vida reaparecer no deserto da Atacama da América do Sul, onde décadas passam sem chuva.

Acredita-se que este deserto tenha condições muito semelhantes à superfície marciana, indicando que a vida também pode se recuperar em Marte.

No estudo, os pesquisadores descobriram que bactérias especializadas poderiam viver no solo, ficando dormentes quando a água não estava presente e reagindo quando chovia.

O professor Dirk Schulze-Makuch, que liderou o estudo, disse:

Sempre me fascinou ir aos lugares onde as pessoas não pensam que nada poderia sobreviver, e descobrir que a vida de alguma forma encontrou uma maneira fez isto funcionar.

Deixando referências Parque Jurássico de lado, nossa pesquisa nos diz que, se a vida pode persistir no ambiente mais seco da Terra, há uma boa chance de que possa estar se aguentando lá em Marte de uma maneira similar.

Os pesquisadores foram pela primeira vez para o deserto de Atacama em 2015 e detectaram uma explosão de atividade biológica no solo após uma pancada de chuva rara.

Quando retornaram em 2016 e 2017, os pesquisadores descobriram que os mesmos micróbios estavam voltando para um estado dormente à medida que a umidade desaparecia.

O Professor Schulze-Makuch disse:

No passado, os pesquisadores encontraram organismos moribundos perto da superfície e restos de DNA, mas esta é realmente a primeira vez que alguém conseguiu identificar uma forma persistente de vida no solo do deserto de Atacama .

Acreditamos que essas comunidades microbianas podem ficar latentes por centenas ou mesmo milhares de anos em condições muito parecidas com o que você poderia encontrar em um planeta como Marte e depois voltar a viver quando chove.

Em termos de como isso se relaciona com Marte, o professor Schulze-Makuch acrescentou:

Sabemos que há água congelada no solo marciano e pesquisas recentes sugerem fortemente nevascas noturnas e outros eventos de umidade aumentados perto da superfície.

Se a vida já evoluiu em Marte, nossa pesquisa sugere que poderia ter encontrado um nicho subterrâneo abaixo da superfície severamente hiper-árida de hoje.

Os pesquisadores agora planejam estudar os micróbios no deserto de Atacama, além de buscar formas de vida na lagoa Don Juan da Antártica – um lago raso que é tão salgado que permanece líquido mesmo a temperaturas tão baixas quanto -50 graus Celsius.

O Professor Schulze-Makuch ainda acrescentou:

Há apenas alguns lugares na Terra para se buscar novas formas de vida que sobrevivem no tipo de ambientes que você encontraria em Marte.

Nosso objetivo é entender como elas são capazes de fazê-lo, para que possamos saber o que procurar na superfície marciana.

(Fonte)


Cada semana eles vêm com uma nova. E depois de alguns dias a NASA diz que não é possível.

Acho que vamos ter que esperar por Elon Musk para provar que ainda há vida em Marte, mesmo sendo microbiana.

NASA precisa reconhecer sinais de vida em Marte, diz cientista

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh