web analytics

Como reagirão os humanos se a vida extraterrestre for confirmada?

Este é um assunto já tratado algumas vezes aqui no OH, mas continua recorrente na mídia internacional, desta vez no site do Discover Magazine:

Como reagirão os humanos se a vida extraterrestre for confirmada

Durante mais de 1.500 anos, a humanidade aceitou que a Terra era o centro do sistema solar. Afinal, a Bíblia – que era a autoridade científica na época – dizia que era assim.

Então, veio Nicolaus Copernicus, que no século 16 ousou desafiar a igreja e descreveu matematicamente um sistema solar com o Sol no centro. Após sua morte, as observações de Galileu Galilei sobre os corpos celestes ainda apoiaram o modelo copernicano. A Igreja Católica, temendo que tal descoberta minasse a suprema autoridade da Bíblia, o acusou de heresia.
Galileu seria condenado à prisão perpétua, mas foi autorizado a cumprir sua sentença em casa devido à sua diminuição na saúde.

Muitas vezes, as instituições que exercem um poder incrível detestam grandes mudanças de paradigma que podem prejudicar sua autoridade e capacidade de monopolizar a verdade (E isso continua acontecendo ainda hoje, e de forma ainda mais incisiva – n3m3). Afinal, informar as massas de que tudo o que lhes foi dito está errado pode resultar em uma agitação social que divide a sociedade; pelo menos é o que se pensa.

Hoje, o mundo ainda está lutando com uma pergunta assombrosa: estamos sozinhos neste universo infinito, ou a vida é infinitamente diversificada em todo o universo? Até esta data, ainda estamos sozinhos, mas a descoberta da vida extraterrestre ataria um laço definitivo sobre essa questão existencial. Em outras palavras, seria uma grande mudança de paradigma.

Então, se finalmente determinarmos que na verdade não estamos sozinhos, o próprio tecido da sociedade se romperia?

Provavelmente não.

Na verdade, a humanidade pode aceitar a notícia com os braços abertos. Essa é a conclusão de Michael Varnum, professor de psicologia da Universidade Estadual do Arizona, que também faz parte da Iniciativa Interplanetária daquela universidade, um grupo de pesquisa voltado para a construção de um quadro social para uma futura sociedade extraterrestre. Varnum assumiu um dos projetos-piloto do grupo, elaborado para responder empiricamente a uma pergunta: como a humanidade reagirá à descoberta da vida fora da Terra?

É uma questão que poucos pesquisadores têm procurado estudar, mas Varnum foi responsável pela tarefa.

Ele disse:

Sou uma pessoa que tem se interessado na ciência e na ficção científica por algum tempo.

 

Alguns estudos de caso

O Painel Robertson, em 1953, advertiu sobre a histeria em massa se a vida alienígena fosse confirmada. Vinte e cinco por cento dos americanos em uma pesquisa recente esperavam que as pessoas entrassem em pânico quando for anunciada a vida alienígena. Orson Welles certamente não forneceu nenhuma evidência de que a humanidade fique tranquila (as notícias do pânico subsequente podem ter sido grosseiramente exageradas, no entanto). Mas o estudo de Varnum indica essa hipérbole. A realidade provavelmente seria muito mais mundana.

Primeiro, é muito mais provável que descobriremos micróbios ou vida alienígena ‘não inteligente’ antes de conhecermos seres cientes de outro mundo. Então, Varnum limitou o alcance do estudo às reações humanas às notícias que os cientistas confirmaram que a vida extraterrestre microbiana existe.

Eles começaram com uma análise contextual preliminar, medindo as reações às notícias de que a vida extraterrestre poderia existir. Eles incluíram cinco eventos principais de ‘descoberta’: a descoberta de 1967 dos pulsares, o sinal ‘Wow!’ de 1977, a descoberta de 1996 de micróbios fossilizados em Marte, a descoberta da estrela Tabby em 2015 e a descoberta de 2017 em exoplanetas habitáveis ​​na zona habitável de uma estrela.

Eles analisaram a cobertura de notícias, memorandos do governo e comunicados de imprensa dos eventos para determinarem a porcentagem de palavras em cada artigo que foram positivas, negativas, recompensas ou riscos. As palavras que descrevem o efeito positivo foram mais prevalentes que aquelas que descrevem o efeito negativo. Suas descobertas preliminares sugeriram que a reação geral da sociedade às notícias sobre a vida alienígena era positiva e mais orientada para a recompensa.

Eles então se voltaram para o Mechanical Turk da Amazon e pediram a 504 pessoas que respondessem a uma situação hipotética: os cientistas imaginários recém descobriram a vida microbiana fora da Terra. Foi-lhes dito que descrevessem suas reações, bem como as reações de outras pessoas. Mais uma vez, as pessoas tenderam a ser mais positivas.

Eles repetiram o experimento com um exemplo mais concreto: cobertura do New York Times a respeito do anúncio de Bill Clinton sobre a vida marciana em 1996, ou o anúncio de Craig Venter sobre a vida sintética de 2010. Mais uma vez, a vida alienígena foi vista de forma positiva.

Varnum, que publicou os resultados do estudo na semana passada no jornal Frontiers in Psychology, disse:

O viés de positividade foi mais forte sobre a vida microbiana extraterrestre do que a vida sintética. Parece haver algo especialmente positivo sobre a vida alienígena.

 

Ficaremos bem com a notícia de vida alienígena

Claro, a análise contextual de situações hipotéticas e eventos passados ​​não pode necessariamente prever o que realmente acontecerá se confirmarmos a vida fora do planeta. Mas Varnum disse que o anúncio de Clinton, há 22 anos, é tão bom quanto um caso de teste, e seu efeito final causou indiferença.

Ele disse:

Não causou uma mudança radical na forma como as pessoas viveram suas vidas. Não causou com que as pessoas abandonassem nada. Os seres humanos passaram por mudanças de paradigma bastante poderosas, desde não estarem no centro do universo até a evolução de Darwin. No passado, as pessoas teriam medo delas. Mas a noção de que uma descoberta como essa desestabilizará qualquer coisa, como se mostra, é meio boba.

Varnum pensa que a confirmação de que a vida existe em todo o universo pode ser vista positivamente, porque proporciona algum conforto para os terráqueos solitários.

Ele concluiu:

Pelo menos para mim, isso me faz sentir que, se confirmássemos a vida alienígena, eu sentiria que o universo é um lugar mais caloroso; que não estamos aqui fora sozinhos.

(Fonte)


Embora até mesmo algumas das religiões mais radicais acreditem na existência de vida extraterrestre e seus fiéis aceitariam esta realidade com muita tranquilidade, não podemos esquecer que muitos de nossos irmãos humanos usam qualquer tipo de desculpa para agirem como verdadeiras bestas, saqueando estabelecimentos comerciais, quebrando e ateando fogo no patrimônio público, depredando veículos de outras pessoas, e coisas do gênero. Será que o mesmo não aconteceria se o “grande anúncio ocorrer”?

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh