web analytics

O campo magnético da Terra está mudando e as consequências vão afetar sua vida

O campo magnético da Terra está mudando

Um dia, em 1905, o geofísico francês Bernard Brunhes trouxe de volta para seu laboratório algumas rochas que tinha desenterrado de uma estrada recém-aberta perto da aldeia de Pont Farin.

Quando ele analisou suas propriedades magnéticas, ele estava espantado com o que elas mostraram: Milhões de anos atrás, os pólos magnéticos da Terra estava em lados opostos do planeta. O Norte era o Sul e o Sul era o Norte.

A descoberta indicava uma anarquia planetária. Os cientistas não tinham como explicar isso.

Quando os pólos mudarem de lugar novamente, as consequências para as infra-estruturas elétricas e eletrônicas da nossa civilização serão terríveis. A questão é quando isso vai acontecer.

Hoje, sabemos que os pólos mudaram de lugar centenas de vezes, mais recentemente 780.000 anos atrás.

(Às vezes, os pólos tentar reverter posições, mas, em seguida, pulam de volta no lugar, no que é chamado uma excursão. A última vez foi cerca de 40.000 anos atrás.)

Na últimas décadas, geofísicos têm tentado responder a essa pergunta através de imagens de satélite e de matemática.

Eles descobriram como olhar nas profundezas da Terra, até a borda do núcleo derretido, metálico, onde o campo magnético está continuamente sendo gerado. Acontece que o dipolo – o campo magnético de dois pólos para o qual nossas bússolas reagem – está sob ataque vindo de dentro.

Os últimos dados de satélite, a partir do trio Swarm da Agência Espacial Europeia, que começaram a enviar dados em 2014, mostram que uma batalha está sendo travada na borda do núcleo. Como facções planejando um golpe, aglomerados de ferro fundido e de níquel estão ganhando força e drenando a energia do dipolo.

O pólo norte magnético está na corrida, um sinal de turbulência reforçada e imprevisibilidade. O grupo no Hemisfério Sul já ganhou vantagem sobre cerca de um quinto da superfície da Terra. Uma revolução está se moldando.

Se esses blocos magnéticos ganharem força suficiente e enfraquecerem o dipolo ainda mais, eles vão forçar os pólos norte e sul de trocarem de lugar.

Os cientistas não podem dizer com certeza se está acontecendo agora – o dipolo poderia combater os intrusos. Mas eles podem dizer que o fenômeno está se intensificando e que não se pode descartar a possibilidade de que uma reversão está começando.

É hora de acordar para os perigos e começar a preparação.

Esta animação mostra o movimento do pólo norte magnético em intervalos de 10 anos de 1970 a 2020. As linhas vermelhas e azuis indicam “declinação”, a diferença entre o norte magnético e o norte verdadeiro, dependendo de onde se está de pé; na linha verde, uma bússola apontaria para o norte verdadeiro. – NOAA National Centers for Environmental Information

O campo magnético da Terra protege o nosso planeta dos raios solares e cósmicos perigosos, como um escudo gigante. Quando os pólos trocam de lugar (ou tentam), esse escudo é enfraquecido; os cientistas estimam que ele poderia perder no mínimo um décimo de sua força habitual.

O escudo pode ficar comprometida por séculos, enquanto os pólos se movem, permitindo que a radiação maléfica chegue mais perto da superfície do planeta durante aquele período.

Mudanças dentro da Terra já enfraqueceram o campo sobre o Atlântico Sul, tanto que satélites expostos à radiação resultante tiveram falhas de memória.

Essa radiação não está atingindo a superfície ainda. Mas em algum ponto, quando o campo magnético diminuiu o suficiente, poderá ser uma história diferente.

Daniel Baker, diretor do Laboratório para Física Atmosférica e Espacial da Universidade do Colorado, em Boulder, um dos maiores especialistas do mundo sobre como a radiação cósmica afeta a Terra, teme que partes do planeta vão se tornar inabitáveis durante uma reversão.

Os perigos: fluxos devastadores de partículas do Sol, raios cósmicos galácticos, e os raios ultravioleta B aprimorados a partir de uma camada de ozônio danificada por radiação, para citar apenas algumas das forças invisíveis que poderiam ferir ou matar seres vivos.

O quão ruim poderia ser? Os cientistas nunca estabeleceram uma ligação entre as reversões de pólo anteriores e catástrofes como extinções em massa. Mas o mundo de hoje não é o mundo de 780.000 anos atrás, quando os pólos inverteram pela última vez, ou até 40.000 anos atrás, quando eles tentaram.

Hoje, existem cerca de 7,6 bilhões de pessoas na Terra, o dobro do que em 1970. Nós mudamos drasticamente a química da atmosfera e do oceano com nossas atividades, prejudicando o sistema de suporte de vida do planeta.

Os seres humanos têm construído cidades enormes, indústrias e redes de estradas, cortando o acesso aos espaços mais seguros para muitas outras criaturas. Temos empurrado, talvez, um terço de todas as espécies conhecidas em direção à extinção e colocamos em perigo os habitats de muitas mais. Adicione a radiação cósmica e ultravioleta a esta mistura, e as consequências para a vida na Terra podem ser calamitosas.

E os perigos não são apenas biológicos. A grande casulo cyber-elétrico que tornou-se o sistema de processamento central da civilização moderna está em grave perigo. Partículas energéticas solares podem romper através dos minúsculos componentes eletrônicos sensíveis do crescente número de satélites que circundam a Terra, danificando-os.

Os sistemas de cronometragem por satélite que governam  as redes elétricas estariam susceptíveis à falha. Transformadores da rede podem ser incendiados em massa. Porque as redes são tão fortemente acoplados uns com os outros, a falha poderia ocorrer por todo o globo, causando um efeito dominó com uma série de apagões que podem durar décadas.

Nesta animação, as linhas azuis indicam um campo magnético mais fraco, as linhas vermelhas um mais forte, e a linha verde a fronteira entre eles, em intervalos de 10 anos de 1910 a 2020. O campo está enfraquecendo na América do Sul, e  a área vermelha sobre a América do Norte está perdendo força. – NOAA National Centers for Environmental Information

Sem luzes. Sem computadores. Sem telefones celulares. Até mesmo dar a descarga num banheiro ou encher o tanque do carro de gasolina seria impossível. E isso é só para começar.

Mas estes perigos raramente são considerados por aqueles cujo trabalho é proteger o pulso eletrônico da civilização.

Mais satélites estão sendo colocados em órbita com a eletrônica mais altamente miniaturizados (e, portanto, mais vulneráveis). A rede elétrica se torna mais interligada a cada dia, apesar dos maiores riscos de tempestades solares.

Uma das melhores maneiras de proteger satélites e redes de clima espacial é de prever com precisão onde a força mais prejudicial vai atingir. Operadores poderiam desligar temporariamente um satélite ou desconectar parte da rede.

Mas o progresso em aprender a controlar o clima espacial prejudicial não se manteve com o ritmo do aumento exponencial de tecnologias que podem ser danificadas por ele.

E operadores de satélite privados não catalogando e compartilhando informações sobre como seus aparelhos eletrônicos poderão suportar a radiação espacial, uma prática que poderia ajudar a todos para protegerem seus equipamentos.

Temos alegremente construído infra-estruturas críticas da nossa civilização durante um tempo quando o campo magnético do planeta era relativamente forte, não levando em consideração a tendência do campo magnético para a anarquia.

O campo magnético não é só turbulento e ingovernável, mas, neste momento, é imprevisível. Ela fará do seu modo, não importa o que fazemos. Nossa tarefa é descobrir como fazer doer o menos possível.

(Fonte das informações)

Colaboração: Lênio


As informações acima vêm de um artigo escrito por Alanna Mitchell. Alanna é uma premiada jornalista de ciências e escritora. 

Em relação à área mais fraca do campo magnético terrestre neste momento, vale notar que ela está situada exatamente sobre a região mais populosa do Brasil. Se os temores levantados no artigo se concretizarem, o Brasil será o primeiro país a ser atingido por altos níveis de radiação solar, e o celeiro do mundo poderá se tornar um grande deserto.

Tomara que os cientistas estejam enganados.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh