web analytics

Realmente não estamos sós no Universo, e a ciência tende a concordar

Realmente não estamos sós no Universo

Embora não tenhamos evidências definitivas, mesmo os mais céticos dos cientistas têm que admitir que é uma probabilidade estatística, que a vida, de uma forma ou de outra, existe em outros lugares do Universo.

Termos simples de porcentagem nos dizem que a vida tem que existir em outros lugares. Dos milhões e milhões de planetas, luas, sistemas solares e até mesmo outras galáxias, se apenas 1% tivesse as condições para a vida para desenvolver, ainda deixaria centenas de milhares de possíveis alvos para exploração.

Claro, isso tudo supondo que a vida será baseada em carbono, essencialmente usando os mesmos blocos de construção que a vida na Terra usa. No entanto, isso pode não ser o caso.

 

E se a vida estrangeira for exatamente isso?

Existe também a possibilidade de que a vida alienígena – seja qual for a sua forma – pode ser completamente estranha a nós em termos de sua estrutura molecular e até mesmo dos ‘blocos de construção’ que ela usa como base. Por exemplo, muitos planetas e luas têm atmosferas contendo gases que são venenosos para nós. No entanto, esses mesmos gases podem ser ideais para formas de vida que se desenvolveram nesse ambiente.

Além disso, aqui na Terra, mais e mais descobrimos que existem muitas formas de vida que prosperam em ambientes hostis. Seja nas condições de congelamento da Antártica ou quilômetros abaixo do oceano em condições de ebulição no fundo do mar. Estes são extremófilos, e sua descoberta dá esperança aos que acreditam na vida alienígena de que tais organismos, ou mesmo pequenas criaturas semelhantes a insetos, poderiam existir nos mundos igualmente inóspitos de Vênus ou Marte.

Na verdade, o famoso meteorito ALH84001, que caiu de Marte, contém esses organismos alienígenas. Além disso, ele não é o único meteoro que caiu para a Terra de outro planeta que contém a prova da vida alienígena.

Pode até ser que a vida alienígena não seja apenas diferente em termos de ‘blocos de construção’. Pode ser que ela seja uma forma completamente inimaginável para nós. Afinal, estamos falando de vida alienígena, certo? É possível que, dada a nossa percepção limitada, as formas de vida alienígenas simplesmente não sejam visíveis ou detectáveis ​​para nós?

 

Não são eles, somos nós?

É claro que a nossa vizinhança cósmica pode ser única em que nosso planeta é apenas um onde a vida prospera. Poderia ser que a Terra é uma anomalia para o nosso sistema solar, mas não para o resto do Universo em geral? Talvez outros sistemas solares estejam absolutamente cheios de vida, enquanto o nosso está completamente morto, além da Terra.

Comparativamente falando, a vida só ocorreu relativamente recentemente em nosso sistema solar, e rapidamente. Talvez isso mostre que as condições não precisam ser ‘ideais’, e que o desenvolvimento da vida não é tanto por sorte, mas por inevitabilidade. Se este for o caso, então é lógico que a vida tenha desenvolvido de maneira semelhante em outros lugares.

Afinal, todos nós somos feitos da mesma matéria- poeira estelar. Então, se cada planeta pode ser constituído da mesma matéria, certamente cada planeta tem potencial para a vida. Se não for esse o caso, talvez devamos olhar novamente para o que torna a Terra, e os humanos, tão especiais.

 

O que há de especial sobre as luas dos gigantes gasosos?

Enquanto os esforços continuam a procurar por vida em Marte, ou mesmo a evidência da vida passada em Marte (e com bom motivo), muitas luas têm o potencial para hospedar a vida. Nossa própria lua, apesar das diversas missões para lá, ainda é um mistério para nós. No entanto, as estruturas na sua superfície, ou sob a superfície longe dos elementos do espaço, permitiriam a colonização.

Outras luas em nosso sistema solar também seriam destinos ideais para colônias humanas, e também têm sinais de vida – embora microbianas. É claro que, se conseguirmos chegar a algumas das luas nos confins do nosso sistema solar, poderemos encontrar não apenas evidências de vida extraterrestre, mas também de outros visitantes que já estiveram lá antes de nós.

A quantidade de luas em torno dos gigantes gasosos que mostram sinais de atividade geológica é interessante, por exemplo. São as condições gasosas desses planetas enormes que proporcionam às suas luas essa atividade? Ou pode ser que, dado que muitos dos compostos e elementos desses gigantes cósmicos seriam grandes fontes de energia, outros viajantes estabeleceram suas próprias ‘estradas’ para tirar proveito dos combustíveis naturais contidos nas proximidades?

Uma história que apareceu nas notícias no final de 2017 tornou essas noções um pouco mais plausíveis.

 

Nave mãe alienígena?

Em dezembro de 2017, os cientistas anunciariam que havia motivos para acreditarem que um objeto enorme que passou próximo à Terra no mês anterior poderia realmente ser uma nave alienígena.

O objeto – chamado Oumuamua – chamou a atenção dos astrônomos como um objeto em formato de charuto. A lógica sugere que seria um asteróide. No entanto, o formato geral do objeto não é tão aleatório quanto os cientistas esperariam. Embora ainda tinha centenas de metros de comprimento, sua largura era de apenas um décimo disso. Também parecia ser capaz de resistir à ‘atração do sol’ e parecia estar saindo completamente do sistema solar. Todas essas coisas – tão estranhas quanto parecem – sugeriram um controle inteligente.

Além disso, seja o que o objeto for, parece ter se originado de fora do nosso sistema solar. Isso sozinho o tornaria o primeiro caso…

Dada a quantidade crescente de ‘anúncios’ pela NASA ultimamente, talvez seja apenas uma questão de tempo antes que a confirmação sempre evasiva de nossos primos cósmicos venha à luz.

(Fonte)


Pode ser que este ano tenha mais algumas surpresas para nós. Contudo, é difícil predizer se 2018 será mesmo o ano da confirmação pela ciência convencional de que não estamos sós no Universo.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh