web analytics

Conhecimento proibido: As ferramentas avançadas da antiguidade

É bastante seguro dizer que a maioria da nossa história tem sido uma mentira, por exemplo: em um conflito de guerra, apenas os vencedores conseguem escrever os livros de história favorecendo seu próprio lado.

Neste caso, a chamada elite que governa o mundo não quer que você descubra que as civilizações eram muito mais avançadas do que são retratadas hoje, provavelmente devido ao fato de terem recebido ajuda tecnológica de seres do outro mundo.

A bateria de Bagdá

Em 1838, enquanto trabalhava no que é agora o Iraque, o arqueólogo alemão Wilhelm Konig encontrou uma série de frascos de barro, cada um contendo uma haste de ferro envolta em um cilindro de cobre. Konig publicou um artigo no qual ele teorizava os objetos eram baterias antigas, ou células galvânicas. Isso seria um desenvolvimento tecnológico incrível, dada a idade dos objetos – eles datam da era Parta, ou cerca de 200 A.C. De acordo com Elizabeth Stone, uma autoridade líder na arte e na arqueologia iraquianas, os especialistas não acreditam na teoria da bateria.

Uma teoria alternativa sugere que os recipientes foram usados ​​para armazenar pergaminhos, que teriam sido envolvidos em torno da haste de ferro, e foram contidos no cilindro de cobre. Esta teoria tem suas raízes nos Vasos Selucia, objetos similares de uma cidade antiga próxima.

Apesar da oposição à teoria de Konig, a professora de História da Arte do Smith College, Dra. Marjorie Senechal, realizou compilações de réplicas do dispositivo, que produziram eletricidade. Se eles fossem baterias, eles funcionariam. Teorias sobre para que tal bateria teria sido usada vão desde práticas medicinais até imprimir dinheiro, criando folheação de metal e fabricação de jóias.

Abaixo você pode ver a Lâmpada de Dendera alimentada pelas Baterias de Bagdá:

Conhecimento proibido: As ferramentas avançadas da antiguidade

 

O Mecanismo Antikythera

Em algum ponto entre 70 e 60 A.C., um navio grego que se dirigia da Ásia Menor para Roma afundou no Mediterrâneo. Quando um grupo de mergulhadores de esponja descobriu o naufrágio em 1900, eles recuperaram três peças de bronze que incluíam um dispositivo que se tornou conhecido como o Mecanismo de Antikythera.

O artefato, que tem aproximadamente o tamanho de uma caixa de sapatos, intrigou os estudiosos por mais de um século, em grande parte devido a sofisticação de suas engrenagens e ao fato dos funcionamentos internos estarem muito além de qualquer tecnologia grega conhecida da época. Na verdade, o mecanismo Antikythera tem sido um dos favoritos dos acadêmicos que estão fora da tendência predominante, os quais o reivindicam como evidência de visitas alienígenas na história antiga.

Raios-X do artefato no final do século XX revelou, no entanto, que ele é projetado para rastrear movimentos astronômicos. A descoberta foi confirmada pelas tomografias computarizadas de 2006 que revelam inscrições que são instruções para aquilo que é, funcionalmente, um computador antigo.

Embora o seu uso como medida astronômica não seja mais misterioso, a construção e a precisão singularmente avançadas do mecanismo Antikythera ainda colocam questões sobre a tecnologia grega.

 

As linhas de Sajama

As linhas de Sajama, no oeste da Bolívia, são uma série de milhares de desenhos enormes gravados na terra. Descobertas em 1932 por Aimé Felix Tschiffely, as linhas, que têm entre 3-10 metros de largura individualmente, conectam cerca de 22.500 quilômetros quadrados através de uma rede intrincada. Devido a isso, as linhas não são apenas o maior sítio arqueológico dos Andes, mas possivelmente de todo o mundo.

A questão permanece: qual o propósito por detrás dessas linhas misteriosas? Os cientistas deduziram que foram originalmente criadas pelos indígenas que viviam perto do vulcão Sajama, mas por razões desconhecidas. Alguns especularam que foram usados ​​para fins religiosos.

 

Sismoscópio de Zhang Heng

A primeira ferramenta de detecção de terremotos na história foi este vaso dourado, ornado,com dragões e cercado com sapos, de 132 D.C. A imagem é de uma réplica, mas você consegue ter uma a ideia, certo? Não?

Ok, aqui está a idéia: quando a terra treme, um dos dragões – cada um representando as principais direções da bússola – cuspiam uma bola na boca de um sapo, indicando a direção do terremoto.

Foi dito que o instrumento ‘detectou um terremoto a 640 quilômetros de distância que não se sentia na localização do sismoscópio’. Ou ele realmente detectou o terremoto, ou alguém bateu contra ele, porque até hoje ninguém realmente sabe o que realmente tinha dentro da coisa. (Mais dragões, talvez?) Alguns dizem que poderia ter sido um simples sistema baseado em pêndulo, mas sua ‘ciência’ exata continua a ser um mistério.

 

Disco de Festo

O Disco de Festo é um enigma, um disco de argila coberto com símbolos inscritos em ambos os lados que são diferentes dos caracteres em qualquer sistema de escrita. Ele foi descoberto na antiga cidade de Festo, no sul de Creta, em 1908. Acredita-se que ele data de cerca de 1700 A.C.

Ele tem sido objeto de muitos estudos. Steven Fischer afirmou te-lo decifrado e que era um documento em uma forma arcaica de grego. Como nenhum outro artefato semelhante já foi encontrado em qualquer lugar em Creta, acredita-se que o objeto era estrangeiro e trazido de outro lugar. O lugar de sua origem é extremamente especulativo, embora pistas sutis possam existir nos sinais altamente pictóricos no disco. Um sinal descreve um capacete com crista, que foi usado mais tarde pelos filisteus. Outro sinal descreve uma estrutura semelhante ao sarcófago usado pelos licianos da Ásia Menor.

Devido o fato de essencialmente não haver nenhuma variação entre diferentes cópias do mesmo símbolo, é muito provável que carimbos foram usados ​​para criar esses sinais altamente detalhados. Embora não seja realmente uma obra impressa, alguns rotularam o Disco de Festo como a máquina de escrever mais antiga conhecida pelo homem !!

(Fonte)

Em tempo, nosso leitor e amigo Carlos de Abreu nos enviou a seguinte informação:

Com referência ao “Sismoscópio de Zhang Heng”, é muito reveladora a presença de sapos ao redor do aparelho. Ou seja, os antigos já tinham conhecimento de que os sapos conseguiam prever a ocorrência de sismos.

Em 2010, quando a cidade de Áquila, Itália, foi abalada por um forte terremoto, pesquisadores britânicos detectaram comportamento anômalo de sapos que, dias antes, abandonaram a área onde aconteceria o evento, presumivelmente por conta de terem percebido a presença do “gás radônio” o qual sempre é liberado antes da ocorrência de um sismo.

SAPOS PREVIRAM TERREMOTOS NA ITÁLIA, CONCLUEM CIENTISTAS.
http://leiamais.ba/2010/03/30/sapos-previram-terremoto-na-italia-concluem-cientistas

“A VERDADE ESTA LÁ FORA”,,, MAS MUITO BEM ESCONDIDA NO PASSADO.

Saudações,

– Carlos Abreu

E como é constantemente nos lembrado, há muitas mais indicações de que a história que nos é contada nas escolas deve ser reajustada. As informações cima não são nem a ponta do iceberg.

Deveria a história do mundo ser reescrita?

n3m3

"

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh