web analytics

Os OVNIs e os armamentos nucleares: Por que a imprensa está ignorando isto?

que mantém um blog sob o site da Herald Tribune, pergunta após a mídia entrar em frenesi a respeito dos vídeos liberados pelo Pentágono:

E quanto aqueles armamentos nucleares (e os OVNIs)?

Os OVNIs e os armamentos nucleares

 

Quanto impulso a reportagem do New York Times sobre os OVNIs terá para levá-la para dentro de 2018 depende em grande parte do próprio The New York Times. A cobertura constante de acompanhamento da sua notícia de 16/12/17 sobre o programa Pentagono de US $ 22 milhões para a Identificação de Ameaças Aeroespaciais Avançadas (sigla AATI em inglês) nos lembra do que já sabemos, que nada coloca a mídia corporativa para se movimentar melhor do que a Gray Lady (esse tipo de coisas). O tráfego do leitores foi enorme, as expectativas são altas e, como os críticos apontam, o Times tem uma tonelada de pontas soltas para abordar. Incentivos em grande quantidade. Mas até que ponto dessas águas inexploradas desta espécie de jornalismo os gerentes estão dispostos a nadar?

Entre as muitas questões levantadas na estampida das reportagens por imitadores está: como, exatamente, o Departamento de Defesa justifica, por motivos de segurança nacional, investir milhões de dólares em busca do Grande Tabú? Bem, para começar, o ex-líder democrata do Senado, Harry Reid, aponta para os relatos de veteranos sobre o aparente fascínio dos OVNIs para com os estoques nucleares dos Estados Unidos. Uma história incrível – mas a mídia irá morder a isca? Uma autoridade importante sobre as misteriosas incursões em campos de mísseis dos EUA descobriu que 40 anos de pesquisa não conseguiram o que o The Times conseguiu fazer em dezembro: criar um tumulto sobre OVNIs que dure pelo menos duas semanas consecutivas.

Robert Hastings, escritor de 67 anos do livro UFOs & Nukes: Extraordinary Encounters at Nuclear Weapons Sites (OVNIs & Armamentos Nucleares: Encontros Extraordinários em Locais de Armas Nucleares) de 2018, e produtor de um documentário de 2015 com o mesmo nome, vem coletando essas histórias desde que era adolescente. Em 2010, ele pensou que finalmente havia quebrado a noz quando a CNN transmitiu uma coletiva de imprensa organizada no National Press Club, em Washington, DC. Por 87 minutos, sete militares aposentados – inclusive um comandante de base, um comandante da equipe de combate e um oficial de alvos de mísseis – disseram ao mundo como os OVNIs violavam o espaço aéreo restrito, pairavam perto das plataformas de Armamentos de Destruição em Massa, às vezes varriam as instalações com luzes e, em pelo menos um caso, as comunicações foram sabotadas entre o controle de lançamento e as ogivas nucleares.

Em suma, esses indivíduos entregaram o tipo de testemunho que, se os invasores fossem ligados a um país estrangeiro, provocaria um debate sobre os protocolos de controle de qualidade que salvaguardam nossas armas de capacidade de extinção. A cobertura dos meios de comunicação da conferência de imprensa, no entanto, foi rancorosa. “Foi uma colisão de curta duração”, diz Hastings de sua casa no Colorado. “E, uma semana depois, voltamos a trabalhar como de costume. Foi como se nunca tivesse acontecido.”

Alguns lugares, como Stars and Stripes, jogaram no meio. Outros tomaram as sugestões do colunista do Washington Post, John Kelly, que desprezou o caso ao informar os leitores que ele assistiu ao evento porque lá tinha biscoitos de graça. A Ciência Popular se distanciou ao se esconder atrás do título de ficção científica “Chamando Fox Mulder”. Aludindo aos relatos de OVNIs que desconectaram as ogivas nucleares dos EUA em Dakota do Norte, uma reportagem no Wired disse que, “a Terra está sendo monitorada por hippies intergalácticos”. E isso veio de um repórter da Forbes: “Eu não levo essas coisas no valor nominal (para dizer o mínimo), mas eu amo um ‘grande novelo'”.

Hastings tem mais de 160 “grandes novelos” de veteranos no arquivo, mas ele não está otimista sobre o The Times ou qualquer outro colecionador de notícias levar a história dos OVNIs para o próximo nível. Por um lado, o próximo nível inclui uma burocracia militar entrincheirada e desarticulada que sofre como pensamento esclerótico no departamento de glasnost. Ele considera Luis Elizondo, o ex-analista do Departamento de Defesa que derramou os feijões sobre a AATI, como um lobo solitário. Embora a cobertura da KLAS-TV de Las Vegas cite fontes anônimas que reivindicam que a AATI produziu 36 relatórios individuais, até agora não divulgados, Hastings duvida que a bica tenha muita água restante.

“O Sr. Elizondo disse que o motivo pelo qual ele deixou o Pentágono foi devido à resistência de pessoas e organizações não identificadas que não querem esse tipo de informação por aí “, afirmou. “É o mesmo tipo de resistência que o Capitão (Edward) Ruppelt  (diretor do Projeto Blue Book) enfrentou na década de 1950 – ele estava sob muita pressão para manter isso o mais secreto possível”.

Mais ameaçadoramente, no entanto, Hastings diz que uma discussão que mergulha mais profundamente nos vídeos das aeronaves (liberados pelo Pentágono) e os livros contábeis constituem o “início de uma ladeira escorregadia” e levam a um confronto inevitável com a questão da abdução por OVNIs. Esse é o caminho que a maioria dos defensores da transparência do governo teme pisar. No entanto, diz Hastings, alguns veteranos da era do Comando Aéreo Estratégico – nem tantos, mas um punhado – relataram cenários clássicos do “fenômeno de perda de tempo” que se enquadram perfeitamente em uma subcultura muito assustadora e facilmente ridicularizada de “alta estranheza”. Caçadores de notícias que fuçam seu site para pistas na controvérsia dos armamentos de destruição em massa encontrarão um pouco de material de abdução na mistura também.

“É uma coisa aceitar dados de vídeo e radar”, diz ele. “Mas quando você se dirige ao tópico da abdução, é uma venda muito mais difícil. É como uma ponte muito longa para a maioria das pessoas. Mas a vigilância não é a única coisa que está acontecendo aqui, e tem havido muita compartimentação para desviar disso. E estou em um ponto da minha vida onde seria desonesto para mim não discutir isso publicamente”.

Os contos de abdução estão em grande parte ausentes deste blog, no entanto, porque tem sido difícil o suficiente incitar colegas da mídia em dar uma boa olhada nos registros simples de radar. Isto tem sido um projeto de 10 anos. Além disso, tenho pelo menos uma coisa em comum com os astrônomos do SETI: se falamos a respeito de alienígenas espaciais, prefiro apreciá-los a uma distância segura. Ainda mais especificamente, eu não quero pensar sobre esses “seja lá o que forem” no meu quarto, injetando dispositivos de rastreamento microscópico no meu “sabo o quê. Seria como correr uma maratona quando mal confio na minha capacidade de andar.

De qualquer forma, aqui estamos, encerrando os livros em 2017, com a imprensa engajada como nunca antes, mas com uma garra tênue na melhor das hipóteses. As mesmas regras permanecem em jogo: sem a mídia, não há caminho a seguir. Sustentar esse interesse – que poderia evaporar a qualquer momento – representa um desafio único, pelo menos neste país. Além do The Times abruptamente deixando a bola, o que precisaria para dispersar a multidão de mídia recém-descoberta? Apatia, ou algo pior? As possibilidades são infinitas. Provavelmente, vamos descobrir mais cedo ou mais tarde. Então, que venha.

(Fonte)

A mídia sempre age como um bando de macaquinhos amestrados que só falam a respeito do que lhes é permitido pelas forças maiores.  O fato do The New York Times ter feito uma reportagem impactante sobre o assunto do fenômeno dos OVNIs é algo altamente incomum e devemos ficar alertas, pois eles “nunca pregam prego sem estopa”.

O que será que vem agora, se é que vem algo por aí? Será que vão abordar a questão dos OVNIs terem visitado instalações de mísseis nucleares nos EUA?

Lembrando que as visitas por OVNIs não ocorrem somente em instalações de mísseis nucleares nos EUA, mas também supostamente em outras partes do mundo:

Vários OVNIs / UFOs são avistados sobrevoando usinas nucleares na França e na Bélgica

n3m3

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh