web analytics

Míssil da Coreia do Norte atingiu uma de suas próprias cidades. Enquanto isso, EUA se prepara para desastre nuclear

Os leitores frequentes do OH sabem que estamos monitorando a questão das ameaças nucleares da Coreia do Norte, pois, embora não pareça, isto está relacionado ao aparecimento de OVNIs em bases nucleares, pelo menos nos EUA.

Abaixo estão as últimas notícias relacionadas à ameaça de guerra entre os EUA e a Coreia do Norte, que inclusive tem alguns “videntes” dizendo que ocorrerá este ano:

Míssil da Coreia do Norte atingiu uma de suas próprias cidades

Citando imagens de satélite e uma fonte do governo dos EUA, o site The Diplomat informa que em 28 de abril de 2017, a Coréia do Norte disparou um Míssil Balístico de Alcance Intermediário Hwasong-12, que falhou logo após o lançamento, caindo e provavelmente explodindo na cidade de Tokchon, “causando danos consideráveis ​​a um complexo de edifícios industriais ou agrícolas”.

O teste falhado foi relatado na época, mas pensou-se que o míssil se desintegrou no meio do vôo. Novas evidências sugerem que o míssil nunca voou mais de 70 quilômetros antes de cair em Tokchon, uma cidade a cerca de duas horas da capital Pyongyang.

O The Diplomat explicou o que provavelmente aconteceu quando o míssil se chocou com o solo:

Mísseis de combustível líquido, como o Hwasong-12, que usam uma combinação altamente volátil de propelentes hipergólico e oxidante (o que significa que os dois agentes se inflamam espontaneamente em contato um com o outro), podem produzir explosões maciças, dependendo de como eles falham. Neste caso, como o míssil que sobreviveu à sua descida após uma falha do motor, é provável que esta instalação em Tokchon tenha sofrido com uma grande explosão após o impacto.

O The Diplomat diz que é provável que poucas pessoas perderam a vida na explosão, se é que houve fatalidades, mas dado que “a instalação de Tokchon está localizada adjacente ao que parecem ser edifícios residenciais e comerciais”, não é difícil ver como qualquer “ligeira diferença na trajetória poderia ter resultado em um acidente ainda mais catastrófico em uma região povoada”.

A extensão do fracasso do teste de abril também destaca os perigos inerentes ao hábito da Coréia do Norte de disparar mísseis sobre o solo japonês, observa o The Diplomat, ressaltando que uma “falha no momento incorreto” poderia assemelhar-se a um ataque” ao Japão .

A revelação vem em meio ao constante “bate-boca” entre Donald Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong-un. Em um discurso na segunda-feira, Kim advertiu os EUA que o “botão nuclear está sempre na minha mesa”. Em resposta, Trump disse que seu botão nuclear é “muito maior e mais poderoso” do que o de Kim e que o dele realmente funciona.

(Fonte)

Enquanto isto, nos Estados Unidos, obviamente só por precaução, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (sigla CDC, em inglês), está tomando algumas providências para prevenir sua população, caso algo de pior ocorra:

 

Com todas as notícias recentes sobre armas nucleares – e a perspectiva de um lançamento intencional ou acidental – o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) planeja educar o público sobre as precauções de segurança que podem ser tomadas, caso ocorra um evento tão improvável.

O CDC planeja realizar um seção de instruções on-line em 16 de janeiro, para informar o público sobre os preparativos feitos nos níveis federal, estadual e local.

O site da agência enfatiza que uma detonação nuclear, embora improvável, teria “resultados devastadores”, e pouco tempo para proteção contra a radiação.

No entanto, conhecer as medidas de segurança fundamentais pode aliviar alguns dos efeitos mais devastadores.

Ou seja, “apesar do medo que envolve esse evento, o planejamento e a preparação podem diminuir as mortes e a doença. Por exemplo, a maioria das pessoas não percebe que o recolhimento no local por pelo menos 24 horas é crucial para salvar vidas e reduzir a exposição à radiação “, diz o CDC.

O webcast contará com a participação de Dan Sosin, vice-diretor e médico chefe do CDC, além de especialistas em radiação e funcionários de atendimento de emergência.

A população poderá enviar perguntas para a discussão ou se candidatarem para participar do evento em pessoa, contatando a equipe Grand Rounds do CDC. As informações de contato estão disponíveis aqui .

(Fonte)

Então, será que os extraterrestres, ou sejam lá quem for os responsáveis pelos OVNIs que visitam as bases nucleares esporadicamente, irão interferir, tenhamos uma guerra nuclear?

De acordo com um cientista nuclear, sim!

Os alienígenas estão aqui, prontos para nos bloquear se for preciso – diz cientista nuclear

n3m3

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh