web analytics

Astrônomos repensam a forma de procurar por vida alienígena

procurar por vida alienígena

Steve Desch pode ver o futuro da procura por exoplanetas, e não é bonito. Imagine, ele diz, que os astrônomos usam o próximo telescópio espacial James Webb da NASA para encontrar por sinais de vida na atmosfera de um mundo de massa terrestre. Então imagine que perseguem sinais de oxigênio atmosférico por anos – antes de perceberem que eram falsos positivos produzidos pela atividade geológica em vez de coisas vivas.

Desch, um astrofísico na Arizona State University em Tempe, e outros caçadores de planeta, se encontraram entre 13 e 17 de novembro passado (2017) em Laramie, no estado do Wyoming – EUA, para traçarem melhores maneiras de explorar a vida além da Terra. Muitos estão começando a argumentar que a definição padrão de habitabilidade – ter água líquida na superfície de um planeta – não é o fator que deve orientar a exploração de exoplanetas. Em vez disso, dizem os cientistas, o campo deve se concentrar nas chances de detectar a vida alienígena, caso ela exista.

Desch disse aos pesquisadores da reunião:

Os planetas podem ser habitáveis ​​e não terem vida com qualquer impacto.

 

Acontece que os mundos da água podem ser alguns dos piores lugares para procurar por coisas vivas. Um estudo apresentado na reunião mostra como um planeta coberto por oceanos pode ficar defasado de fósforo, um nutriente sem o qual a vida terrena não poderia prosperar. Outro trabalho conclui que um planeta inundado em águas ainda mais profundas seria geologicamente morto, sem nenhum dos processos planetários que nutrem a vida na Terra.

“Habitabilidade não é apenas encontrar a assinatura de uma forma de vida alienígena respirando fundo”, diz Elizabeth Tasker, astrônoma e pesquisadora de exoplanetas do Instituto de Ciências Espaciais e Aeronáuticas da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão, em Sagamihara. É também sobre como a geologia e a química de um planeta se interligam para criarem um ambiente acolhedor ou hostil, diz ela – complicando a busca da vida extraterrestre.

Os astrônomos catalogaram milhares de exoplanetas, dos quais mais de uma dúzia são potencialmente habitáveis. O mais recente, anunciado em 15 de novembro, é o Ross 128b, que está a 3,4 parsecs (11 anos-luz) longe da Terra. Ele se assemelha ao alvo que os cientistas passaram décadas procurando: um planeta de tamanho terrestre orbitando uma estrela próxima, provavelmente à distância certa para permitir a água líquida.

A maioria desses planetas tem algumas qualidades que os impedem de serem verdadeiros gêmeos da Terra. Ross 128b orbita uma estrela anã fria ao invés de uma do tipo Sol, por exemplo. Mas Tasker diz que as métricas usuais que os cientistas usam para classificar o quão habitável é um mundo, como a sua localização em relação à sua estrela ou a sua semelhança com a Terra, são equivocadas.

Para descobrir como distribuir o tempo valioso de observação, alguns cientistas sugerem a segmentação de planetas que, como a Terra, eles pensam ter uma mistura de oceano e terra. Isso porque os mundos com nada além de água em suas superfícies podem não ter nutrientes essenciais disponíveis em formas que possam suportar a vida – se a vida for baseada na mesma química que a Terra.

“Temos esse estereótipo de que, se tivermos oceanos, temos vida”, diz Tessa Fisher, uma ecologista microbiana na Arizona State University. Mas seu trabalho recente contradiz essa ideia. Fisher e seus colegas estudaram o que aconteceria em um “planeta aqua” com uma superfície que está quase ou completamente coberta por água, suficiente para preencher os oceanos da Terra cinco vezes.

Na Terra, a água da chuva atingindo rochas lava o fósforo e outros nutrientes para os oceanos. Mas, sem qualquer terra exposta, não há maneira do fósforo enriquecer a água em um planeta aqua ao longo do tempo, Fisher relatou na reunião de Laramie. Não haveria organismos do oceano, como o plâncton, para construir oxigênio na atmosfera do planeta, diz ela – fazendo deste tipo de mundo um lugar terrível para encontrar a vida.

 

Cobertor molhado

Os planetas mais úmidos encontrariam um problema diferente, diz Cayman Unterborn, um geólogo do Estado do Arizona, que analisou os efeitos a um planeta que tenha até 50 vezes o volume de água dos oceanos terrestres. O peso total de todo esse líquido exerceria tanta pressão sobre o fundo do mar que o interior do planeta não derreteria, descobriu Unterborn.

Os planetas precisam de pelo menos algum derretimento interno para sustentar a atividade geológica, como a tectônica das placas, e para fornecer o ambiente geoquímico certo para a vida. Neste caso, Unterborn diz, “muita água é demais”.

Os mundos ricos em água são fáceis de fazer. É provável que muitos planetas tenham se formado longe de sua estrela-mãe, diz Tasker, em temperaturas frias onde poderiam ter coalescido de fragmentos de rocha e muito gelo. Se esse planeta mais tarde migrou mais perto de sua estrela, o gelo derreteria e cobriria a superfície em vastos oceanos. Alguns dos sete planetas pequenos orbitando a estrela TRAPPIST-1, que está a 12,6 parsecs (41 anos-luz) da Terra, podem ter água substancial em suas superfícies2.

Em vez de estudar instintivamente esses mundos de água, diz Tasker, os astrônomos precisam pensar mais profundamente sobre como os planetas evoluíram ao longo do tempo. “Precisamos olhar cuidadosamente para escolher o planeta certo”, diz ela.

O Telescópio espacial James Webb está programado para ser lançado em 2019. Uma vez no espaço, o telescópio passará a maior parte do tempo estudando mundos potencialmente terrestres. Os pesquisadores já começaram a analisar como o oxigênio, o metano ou outros gases de “bioassignatura” em atmosferas de exoplanetas podem aparecer na visão do telescópio.

No final do encontro em Laramie, os participantes votaram se os cientistas encontrarão evidências de vida em um exoplaneta até 2040. Eles não estavam otimistas: 47 disseram que não e 29 disseram que sim. Mas uma maior participação estava disposta a apostar que a vida seria encontrada em outro mundo nos anos 2050 ou 2060.

Provavelmente é tempo suficiente para trabalhar no debate sobre quais mundos são os melhores para serem investigados.

(Fonte)

Não se apavorem pessoal. Uma coisa que aprendi sobre notícias vindas desses cientistas é que basta alguns meses para que todas as teses de hoje sejam derrubadas e novas surjam.

De qualquer forma, enquanto eles perdem tempo procurando por vida extraterrestres lá longe, ela já está aqui evitando de ser vista por nós… em alguns casos.

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh