web analytics

Seriam estas evidências reais de ETs na Terra?

Em dezembro de 2007, o ministro da Defesa do Japão fez uma declaração surpreendente sobre a possibilidade de um ataque de forças alienígenas na Terra. A notícia, então, rapidamente deu a volta ao mundo, talvez porque ela foi acompanhada por uma igualmente surpreendente confirmação do chefe de gabinete daquele país, Nobutaka Machimura, um ex-ministro das Relações Exteriores no governo Abe anterior. O ministro Ishiba declarou que não havia razão para negar que os OVNIs existem, e que eles são controlados por uma outra forma de vida, afirmando que ele pretendia verificar se o exército japonês estava realmente capaz de lidar com um ataque alienígena, pois “mesmo nos filmes de Godzilla todas as tropas japonesas estão realmente em ação.”

Shigeru Ishiba

O tom da intervenção provocou reações do público, não só pela referência a Godzilla, mas também por causa da seriedade com que o ministro parecia comentar sobre o risco de invasão alienígena. Na verdade, longe de ser um reconhecimento da existência de criaturas alienígenas, como reivindicado na época por muitos dos chamados especialistas “ovniólogos”, a declaração do ministro japonês teve razões políticas, ou seja, reforçar o papel militar do Japão no tabuleiro internacional. No mesmo caso, Ishiba afirmou que não compreendia a razão pela qual não havia nenhuma diretiva na legislação do Japão para a possibilidade de uma invasão alienígena.

Além deste exemplo de como usar o medo desconhecido do público em uma chave político-nacionalista, há outras milhares de provas (mais ou menos indiretamente) da existência de OVNIs e extraterrestres: testemunhos, fotografias, filmagens, documentos. Praticamente, dizem alguns em tom de brincadeira, há mais evidências da existência de alienígenas do que a evidência da existência de cada um de nós. Em todo o mundo, artefatos e impressões digitais que datam de épocas em que o homem não existia na Terra são continuamente descobertos, argumentando que estes objetos devem ter sido abandonados por alienígenas que passam por lá por uma razão ou outra. A autenticidade deste tipo de relíquia é considerada certa.

Em 1974, na Romênia, a 2 quilômetros de Aiud, um grupo de trabalhadores nas margens do rio Mures encontrou mais de 3 objetos enterrados na areia, em um poço com uma profundidade de cerca de 10 metros. Duas dessas relíquias eram ossos de mastodonte de vários milhões de anos, datando do período entre Mioceno (20 milhões de anos atrás) e Pleistoceno Médio (cerca de 1 milhão de anos atrás). Porém, o terceiro objeto acabou por ser um bloco de metal, muito semelhante à parte superior de um grande martelo. Esse objeto foi enviada para o Instituto de Arqueologia em Cluj-Napoca e as análises mostraram que se tratava de um objecto artificial composto por uma liga de 12 elementos diferentes, o alumínio estava presente em maior quantidade (89%).

Misterioso objeto composto de alumínio, datando de milhões de anos.

Depois disso, todos os tipos de análises efetuadas sobre o objeto em questão apoiaram sua natureza artificial e antiga, que é bastante evidente a partir de sua aparência exterior e da liga de alumínio da qual é feito. O alumínio não é encontrado naturalmente, mas combinando-se alguns minerais, e  apenas 1.000 anos atrás a técnica necessária para desenvolve-lo foi desenvolvida.

Levando em conta todas as peculiaridades do objeto, os pesquisadores consideraram que este seria uma espécie de dispositivo de pouso de um pequeno veículo voador, como os da sonda Viking. Em apoio a esta teoria estão o formato do objeto, as cavidades ovais, os arranhões na parte inferior e nos cantos, bem como a composição do material, que é a liga leve. Por último, o objeto foi descrito como a sola de um trem de pouso de um objeto voador.

Tem sido especulado que esta peça de metal pertence a um dos muitos astronautas alienígenas que visitaram o nosso planeta desde o passado distante, sendo apenas um dos muitos objetos artificiais complexos descobertos até hoje.

 

Evidências desde a Pré-História até a Idade Média

Em todo o mundo, há desenhos pré-históricos onde nossos antepassados retratam astronautas e seres alienígenas com sinais que combinam perfeitamente com os existentes nos estudos modernos de OVNIs.

Pintura datada de 10.000 A.C., encontrada em uma caverna na região de Val Caminica, na Itália.

No sul da França, existem pinturas rupestres que datam de 15 mil anos atrás, que apresentam discos voadores de vários tipos.

Os povos antigos, como os egípcios, os gregos e os romanos, notaram meticulosamente todos os eventos, inclusive os sinais de astronautas geralmente em naves de forma esférica ou de disco, descritas como colunas de fogo, nuvens luminosas, esferas de chamas que flutuavam e faziam manobras acima das cidades antigas. Nos escritos de muitos historiadores famosos da antiguidade, há relatos de tais ocorrências.

O faraó egípcio Ramsés II foi à guerra com uma arma que lhe foi dada pelo deus Amon, com a qual ele exterminou milhares de inimigos por conta própria e sem proteção.

Em 329 A.C., o exército de Alexandre o Grande foi ‘atacado’ por dois escudos voadores de prata, o que surpreendeu o exército grego enquanto atravessava o rio Jaxartes na Índia.

 

Homer também fala sobre voar

Durante o Império Romano, os OVNIs eram frequentemente vistos não só no céu, mas também aterrissando e decolando, sendo classificados principalmente como escudos de fogo, tochas, globos dourados.

O historiador Titus Livius, em sua ‘Storia di Roma‘, apresenta testemunhos de objetos em forma de escudos circulares que voavam no céu, e que teriam sido vistos acima de muitas cidades do Império. Ele acrescentou que o segundo rei de Roma, Numa Pompilio, testemunhou a queda do céu de um desses ‘escudos voadores’, e que ele o incluiu entre os objetos de adoração das práticas religiosas que ele pregava.

O cronista Carcopino conta que, em julho, após o assassinato de César, durante sete dias seguidos, antes do pôr-do-sol, um OVNI brilhante podia ser visto no céu próximo de Roma.

Existem sinais semelhantes nas obras de Plutarco, Valerio Massimo, Seneca, Eschil e outros.

No seu Tratado de Ciências Naturais, Seneca conta, com grande detalhe, os inexplicáveis ‘barras brilhantes’ que surgiram inesperadamente no golfo das cidades antigas.

O manuscrito do Mar Morto, que remonta ao século I A.C., fala de pessoas que chegam do céu à Terra e sobre outros que foram tirados da Terra e levados para o céu.

Nos dias de Carlos Magno são descritos eventos a partir dos quais resulta que uma nave espacial teria levado alguns habitantes a bordo para mostrar como o povo do céu vive.

A partir do ano 1300 começaram a ser reproduzidas pinturas com objeto com a aparência de OVNIs.

Em 1338, um enorme OVNI esférico foi visto na França. A descrição do evento é retratada no livro ‘Le Livre Des Bonnes Moeurs‘ de Jacques Legrand.

Evidências reais de ETs na Terra

Le Livre Des Bonnes Moeurs

Em 1350, uma cena de crucificação foi pintada sobre o altar do mosteiro Visoki Decani no Kosovo. À direita e à esquerda da cruz há discos voadores voando no céu, com pilotos dentro.

Cena de crucificação com OVNI, em mosteiro de Kosovo.

Em 1492, Cristóvão Colombo vê um ‘raio de fogo’ caindo do céu. Em seus diários, ele menciona em várias ocasiões a aparência de alguns fenômenos astronômicos surpreendentes e a passagem do fogo no céu.

Como Colombo revelaria mais tarde aos seus próximos, a estrela brilhante também foi vista em outras noites, levando ele e seus homens à suspeita de que estavam sendo seguidos por algo sobrenatural.

 

Renascença e século XVII

Em 1600, Giordano Bruno foi queimado na Inquisição, pois ele ousou dizer que há evidências de outros mundos habitados, após a detecção de veículos voadores.

E nas pinturas do Renascimento, existem diferentes tipos de OVNIs, integrados em grande parte nos trabalhos  de arte religiosos.

Em 1544, ocorreu um evento, que foi registrado numa coleção na Biblioteca Central de Zurique. “No ano de 1544, sinais foram vistos no Sol e na Lua, e as pessoas começaram a temer que Deus pudesse punir o Terra por seus pecados”. Os sinais foram precedidos por um terremoto.

Em uma crônica medieval, é relatado que em 1561, no dia 14 de abril, ao nascer do sol, vários grupos de objetos voadores não identificados, de formas cilíndricas, apareceram na Alemanha no céu de Nuremberg e começaram uma batalha. O evento ressoou em todo o mundo.

Entalho em madeira representando a batalha de Nuremberg, por Hans Glaser.

(Fonte)

E, como aqueles que seguem o OVNI Hoje já sabem, nos dias de hoje temos literalmente milhões de documentos que foram liberados pelos governos do mundo, os quais respaldam o fato de que estamos sendo visitados por tecnologias alheias às nossas.

Alguns estão alguns poucos exemplos:

CIA libera 13 milhões de páginas anteriormente secretas: OVNIs, experimentos psíquicos, etc.

Arquivos confidenciais sobre OVNIs estão disponíveis no Arquivo Nacional, reporta rede de TV brasileira

Documentos sobre OVNIs são liberados pela Comissão Regulatória Nuclear dos EUA

Serviço Florestal dos EUA libera arquivos secretos sobre OVNIs / UFOs

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh