web analytics

Astrônomos descobrem enorme planeta que não deveria existir

enorme planeta que não deveria existir

Ilustração artística.

Esta notícia pode não ser tão grande quanto a notícia de que cientistas do CERN acreditam que o Universo não deveria existir, mas pode ser mais fácil de provar.  Astrônomos usando um novo conjunto de telescópios no Chile descobriram um planeta monstro que desafia a teoria anteriormente detida de que grandes planetas gasosos não podem existir em órbitas próximas ao redor de pequenas estrelas. Agora eles estão lutando para explicar esta combinação de estrela-pequena-planeta-grande.

A última edição da Monthly Notices of the Royal Astronomical Society anunciou a descoberta emocionante esta semana – empolgante, porque esta é a primeira grande descoberta usando o Next-Generation Transit Survey (NGTS), cujo objetivo é encontrar exoplanetas gigantes que orbitam estrelas pequenas.  Seu conjunto de pequenos telescópios totalmente robóticos operam na faixa 600-900nm, tornando-os sensíveis às estrelas hospedeiras brilhantes, mas relativamente pequenas e frias … estrelas como a apropriadamente chamada de NGTS-1, na constelação Columba.

O aspecto surpreendente da descoberta é o tamanho, composição e localização do NGTS-1b – um planeta do tipo ‘Júpiter quente’ em torno da NGTS-1…

A descoberta de NGTS-1b foi uma completa surpresa para nós – não pensávamos que tais planetas enormes existissem em torno de tais pequenas estrelas. O planeta tem cerca de 25 por cento do raio da estrela hospedeira. Isso faz com que ele seja muito grande em comparação com sua estrela! Para efeito de comparação, Júpiter tem apenas cerca de 10 por cento do raio do nosso Sol.

Daniel Bayliss, principal autor do estudo, menciona uma das impossibilidades de NGTS-1b: seu tamanho. Não achavam que estrelas anãs tivessem massa própria suficiente necessária para criar tais planetas monstros. A impossibilidade no.2 é a sua incrível proximidade com NGTS-1 …O NGTS-1b está a apenas 4,5 milhões de quilômetros de sua estrela (Terra está a 142 milhões de quilômetros do Sol) e completa uma órbita anual ‘em 62,4 horas ou 2,6 dias terrestres.

O tamanho de NGTS-1b e a proximidade com sua estrela contribuiu grandemente para a sua descoberta. Astrônomos que observavam a NGTS-1 viram a estrela diminuir seu brilho a cada 2,6 dias, mas, ao contrário da Estrela Tabby, eles rapidamente determinaram que se tratava de um planeta monstro, e não uma esfera de Dyson construída por alienígenas, que estava causando o escurecimento.

Se astrônomos acreditam em algo, é que “se há um, há mais,” de modo que os pesquisadores do Observatório Paranal do Observatório Europeu no deserto de Atacama, no Chile, estarão usando Next-Generation Transit Survey para encontrar mais “Júpiteres” quentes gigantes que orbitam…

(Fonte)

Certamente há muitas outras descobertas esperando para serem descobertas lá fora, inclusive planetas habitados.

n3m3

Colaboraçã0: Paulo Henirque Paulino

Termos recém pesquisados por leitores:

"

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh