web analytics

Estamos vivendo no ano 1720, de acordo com a Hipótese do Tempo Fantasma

Grande parte das pessoas já escutaram as diferentes teses de que o nosso sistema de contagem de datas, o Calendário Gregoriano, tem algumas discrepâncias. Contudo, embora já alegado em 1991, poucas pessoas sabem que um historiador alemão afirma que há uma enorme aberração no registro de datas do nosso calendário, e que na verdade estamos vivendo neste momento o ano de 1720.

Se este pesquisador estiver correto, isto significa que todas aquelas datas propostas por inúmeras pessoas ao redor do mundo que se consideram videntes, com previsões proféticas, inclusive as de aparecimento em massa de alienígenas que nunca se realizaram, ainda estariam para se ocorrer… ou não.

De qualquer forma, o artigo é interessante o suficiente para ser publicado aqui, no mínimo por ser algo curioso. Veja:

Estamos vivendo no ano 1720

A Hipótese do Tempo Fantasma diz que Carlos Magno não existiu, e um total de 297 anos foi inventado. Esta hipótese sugere que grandes partes da Idade Média nunca aconteceram, eliminando assim o fato de que o tempo e o calendário, se nada mais, podem ser confiados.

Todos concordaram que o ano é 2017, mas isso pode estar prestes a mudar. Heribert Illig, um historiador da Alemanha, disse que o ano não é 2017, mas sim 1720. Ele continua dizendo que o calendário gregoriano é somente uma mentira e que uma grande parte da Idade Média nunca ocorreu e foi inventada.

Illig diz ter evidências arqueológicas que podem provar que um grande pedaço da Idade Média não existiu e foi inventada. A teoria de Illig foi proposta em 1991, e foi chamada Hipótese do Tempo Fantasma. Ele afirmou que três governantes mundiais entraram em uma conspiração em 1000 D.C. para mudar o sistema de datas. Os três foram o imperador bizantino Constantino VII, o imperador romano Otto III e o Papa Silvestre II.

 

O calendário foi alterado para que Otto começasse a reinar em 1000 D.C.

Foi dito que o calendário tinha sido alterado para que parecesse que Otto começou seu reinado em 1000 D.C., ao invés de 996. Isso se deveu ao fato de que 1000 parecia muito mais significativo, mil anos depois de Cristo. Illig disse que os três mudaram os documentos que existiam e criaram eventos históricos que eram fraudulentos. Eles também disseram ter levado as pessoas a respaldar suas reivindicações. Illig continuou dizendo que o imperador romano não era um verdadeiro governante; ele era apenas alguém como o rei Arthur, falado em lendas. Ele disse que a falsificação havia acrescentado 297 anos à história.

Illig afirma que o sistema de artefatos medievais de datação é inadequado e as pessoas confiam demais no que foi escrito na história e, portanto, são culpadas. Pesquisas sugeriram que os anos entre os anos 614 e 911 não coincidem. Antes de 614, os anos estavam cheios de muitos eventos significativos, e o mesmo ocorreu depois do 911. No entanto, os anos entre essas datas foram muito parados. Ele ainda disse que os calendários Juliano e Gregoriano apenas complicam ainda mais as coisas, pois há discrepâncias matemáticas entre eles.

O Calendário Juliano afirma que um ano tem 365,25 dias, enquanto o Gregoriano, que é usado hoje, tem um ano inteiro, sendo 11 minutos mais curto. Illig também apontou que a arquitetura dos romanos no Século X na Europa Ocidental era muito moderna para o período em que supostamente havia sido construída. Embora o Hipótese do Tempo Fantasma pareça ser algo imaginário, há algumas pessoas que o apoiam.

Em 1995, o Dr. Hans-Ulrich Nimitz publicou um artigo perguntado se o início da Idade Média realmente existiu e ele afirmou que existiu. Ele disse que o imperador romano Augusto tinha vivido há 1700 anos e não 2000 anos, como está registrado. Muitas das reivindicações coincidem com as de Illig, inclusive as diferenças entre os calendários Gregoriano e Juliano.

Muitos dos historiadores do mundo criticaram a hipótese e disseram que as datas dos eclipses solares foram registradas e as histórias foram documentadas de outras partes ao redor do globo que se sobrepõem a alguns dos períodos do tempo perdido.

(Fonte)

E já que estamos falando no assunto, veja que recentemente um novo estudo mostrou que a viagem no tempo é possível. Seria interessante se pudéssemos hoje voltar para idade média, a fim de confirmarmos se Heribert Illig está realmente correto com sua tese.

Viagem no tempo é possível, mostra novo estudo

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

Loading...

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh