web analytics

Cientistas dão início à procura por outras dimensões e universos paralelos

outras dimensões e universos paralelos

Os cientistas finalmente se propuseram a procurar por universos paralelos e outras dimensões. A missão revolucionária não estudará apenas ondas gravitacionais e sua influência potencial em universos paralelos e outras dimensões, mas também oferecerá aos cientistas dados científicos sem precedentes que os ajudarão a desenvolver futuras missões.

Emilian Dudas, da École Polytechnique na França, disse em uma entrevista com New Scientist em maio:

As dimensões adicionais foram discutidas há muito tempo de diferentes pontos de vista. As ondas gravitacionais podem ser um novo toque na procura de dimensões extras.

A existência de outras dimensões sempre nutriu a imaginação dos cientistas e amantes da ficção científica. Agora, a Agência Espacial Européia (ESA) aprovou uma missão que iniciará a busca de ondas gravitacionais no espaço e com ela a oportunidade de finalmente provar a existência de dimensões extras e / ou universos paralelos.

As ondas gravitacionais – aquelas pequenas ondulações no tecido espaço-temporal do Universo, que se acredita serem causadas pelo movimento de objetos cósmicos enormes, foram descobertas pela primeira vez em 2015.

E como é muito provável que a gravidade possa se espalhar por todas as dimensões que possam existir, essas ondas se tornaram uma maneira muito promissora de detectar quaisquer dimensões além das que conhecemos.

Com o objetivo de procurar por mais dessas ondas no espaço, a ESA deu a luz verde para o lançamento em 2014 de sua missão chamada Laser Interferometer Space Antenna mission (LISA), após décadas de desenvolvimento e atrasos.

Falando em uma entrevista ao New Scientist, o professor Mark McCaughrean, assessor sênior da ESA para ciência e exploração, disse:

Acho que há uma mistura de super empolgação e “finalmente”.

Finalmente passamos da linha de partida – é ótimo.

A missão será composta por três satélites principais e idênticos que serão separados por impressionantes 2,5 milhões de quilômetros, espalhados em uma formação triangular, seguindo a órbita de nosso planeta ao redor do sol.

Depois de entrar em uma órbita estável, os satélites dispararão lasers poderosos entre si, procurando por ondulações no espaço-tempo causadas pela existência de ondas gravitacionais.

Conforme observado pelo New Scientist:

… para detectar essas mudanças minúsculas, em escalas inferiores a um trilionésimos de metro, LISA terá que ignorar os raios cósmicos e as partículas e a luz do Sol. A missão LISA Pathfinder , uma pesquisa em solo lançada em dezembro de 2015, provou que essa sensibilidade era possível e os pesquisadores trabalhavam para realizar a missão LISA completa.

Com uma sensibilidade tão alta, um desafio será peneirar quantidades colossais de dados para encontrar os sinais.

McCaughrean disse:

Essa é a coisa maravilhosa – podemos ouvir tudo no Universo com ondas gravitacionais.

Os satélites LISA analisarão como as ondas gravitacionais deformam o espaço, detectando qualquer alteração nas distâncias que viajam os lasers.

Recentemente, especialistas ofereceram evidências de que existem universos paralelos, graças à chamada ‘Cold Spot‘. A “anomalia”, que mede um impressionante 1,8 mil milhões de anos-luz, deixou os especialistas perplexos.

Com base em inúmeras medições da radiação de fundo do nosso Universo, os especialistas descobriram que a anomalia era mais fria do que o entorno em 0.00015 graus Celsius.

Segundo os especialistas, a gigantesca anomalia não pode ser explicada por falta de matéria, o que significa que requer outras explicações, sendo ela uma evidência da existência de outros universos “paralelos”.

De acordo com o professor Tom Shanks, um astrônomo da Universidade de Durham e co-autor do estudo:

Não podemos excluir completamente que o ‘Cold Spot‘ seja causada por uma flutuação improvável explicada pelo modelo padrão de física de partículas. Mas se essa não é a resposta, então há explicações mais exóticas.

A LISA compreenderá em três satélites, ligados por lasers em cinco milhões de quilômetros de espaço, para rastrear distorções espaciais muito pequenas causadas por ondas gravitacionais. Créditos: AEI / MildeMarketing / Exozet

Mas evidências definitivas ainda estão “faltando”…

 

(Fonte)

A comprovação da existência de universos paralelos, algo que já se suspeita há muito tempo, abrirá possibilidades estupendas em todos os âmbitos da ciência e até mesmo da filosofia.

Imaginem só, um multiverso que pode não ter fim, com vida espalhada por todos os níveis da existência. Tal descoberta poderá ser o último prego no caixão do antropocentrismo.

Caso você não tenha visto o artigo sobre a “cold-spot” (mancha-fria), ele está disponível abaixo:

Prova conclusiva de múltiplos universos pode ter sido encontrada

n3m3

Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprio autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.

Ad Blocker Detectado

Olá leitor. O OVNI Hoje depende dos anúncios aqui publicados para que seja possível pagar sua hospedagem e trazer notícias a você de forma gratuita. Por favor, considere nos apoiar desabilitando o seu bloqueador de anúncios. Obrigado

Refresh